Tag: The Handmaid’s Tale

#Séries | 3ª temporada de The Handmaid’s Tale

Oi gente!
Uma das melhores séries da atualidade encerrou sua terceira temporada – The Handmaid’s Tale, baseada na obra de Margaret Atwood, trouxe um ritmo mais lento, que dividiu a opinião do público. Aclamada em sua estreia e criticada em sua segunda temporada, desta vez, os showrunners tiveram que mudar um pouco – a história se desenrolou mais lentamente, cenas de violência (muito criticadas) foram cortadas e o desenvolvimento se tornou arrastado. Ainda assim, trata-se de uma grande produção.

A grande expectativa para esta temporada girava em torno da promessa de revolução e vingança de June. A personagem de Elisabeth Moss desistiu da fuga, no final da segunda temporada, e retornou para Gilead para buscar sua filha Hannah (não podemos negar que foi um mega plot twist). A terceira temporada iniciou mostrando a vida de Emily (Alexis Bledel) depois de ter escapado de Gilead com a ajuda de June. A adaptação não é fácil, já que ela precisa se envolver com o filho, que não via desde pequeno, além da esposa. Ela conhece Luke (O.T. Fagbenle) e Moira (Samira Wiley), passando a ajudar no trabalho com os refugiados.

Aos poucos, com o passar dos episódios, a história no Canadá começa a ser ofuscada pelos anseios de June. Primeiramente, ela é forçada a aparecer em programas de TV, entre outras mídias para que o casal Waterford tenham a bebê Nichole de volta. E depois de ter uma vida conturbada com Serena (Yvonne Strahovski) e o comandante Fred Waterford (Joseph Fiennes), ela acaba sendo remanejada de casa e passa a viver com os Lawrence. Lá, ela descobre que o comandante, apesar de não ser a pessoa mais confiável do mundo, ajuda as pessoas a fugirem para o Canadá. Com isso, a relação entre ele e June se torna complicada, pois o comandante Lawrence (Bradley Whitford) não consegue controlar as ações e planos da aia. Em um determinado momento, ela descobre que Gilead foi moldado com a ajuda do comandante, que se mostra arrependido principalmente pela sua esposa, Eleanor (Julie Dretzin), que ficou completamente perturbada com o novo mundo e precisa de ajuda psicológica.

O que estávamos ansiosos para ver, aconteceu apenas nos últimos episódios. June, com ajuda das aias e Marthas, resolve bolar um plano para tirar as crianças de Gilead. Embora a temporada tenha sido a menos acalorada da série – talvez por ter mais episódios – 13, a transformação de June é algo para aplaudir. A personagem tem se tornado cada vez mais fria e calculista – algo muito importante para o desenvolvimento da história.

E como a história tem seguido um ritmo mais arrastado era de se esperar que coadjuvantes roubassem a cena. Alexis Bledel brilhou quando Emily chega ao Canadá com Nichole – vê-la encontrando Moira e Luke foi um dos momentos mais emocionantes de toda a série. Outros personagens também tiveram enfoque. A Tia Lydia (Ann Dowd), por exemplo, ganhou um episódio de origem muito bem desenvolvido. Podemos ver como a personagem era antes de tudo e, principalmente, os motivos que a levam a aceitar todas as atrocidades. Mas, por outro lado, a figura de Serena passa vários episódios distante e volta apenas no final. O que é realmente uma pena, primeiro pela atuação incrível de Yvonne Strahovski, e segundo pela expectativa criada sobre a relação dela com Fred. Há sim um ou dois momentos na temporada que entregam isso, mas a sensação é que a personagem foi deixada um pouco de lado.

Tivemos ótimos episódios – a sequência em Washington é muito boa – podemos ver que a situação já saiu de controle, com um nível de atrocidades muito maior do que ocorre em Gilead. Como falei, o episódio da Tia Lydia também foi bom, assim como os capítulos finais. A fotografia continua incrivelmente perfeita. Mas uma coisa tem começado a me irritar também – as cenas com close no rosto da atriz Elizabeth Moss – é um atrativo que funcionou muito bem na primeira temporada – fazendo com que a atriz ganhasse o Emmy – mas tem sido muito utilizado e, em momentos desnecessários. O público cansa disso. É necessário? Sim, até porque Elizabeth Moss é muito talentosa e consegue passar suas emoções e expressões apenas com o olhar, mas tem que ser em momentos estratégicos.

Enfim, mais uma temporada se passou e June permanece presa em Gilead. Mas agora, o sentido dela ali é mais claro. Ela é um símbolo de esperança. Vamos aguardar a 4ª temporada, que já está confirmada pela Hulu.

E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 
Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

 

 

Apostas para o Emmy 2018

Oi gente!
Eu já tinha um outro post preparado para hoje, mas resolvi mudar porque segunda-feira é dia de Emmy 2018 – a principal premiação da TV americana, que completa 70 anos, e no post de hoje resolvi comentar as principais categorias, dar as minhas previsões para vencedores e dizer quais são as minhas séries do coração  Detalhe: vou falar apenas das principais categorias!

Vou começar com a categoria de “Melhor Minissérie ou Série Limitada”
Concorrem: The Assassination of Gianni Versace: American Crime Story  |  Godless  |  Patrick Melrose  |  The Alienist  |  Genius: Picasso


Série do  American Crime Story e Godless
Minha aposta: Assim como na edição anterior do Emmy, em que American Crime Story – contando a história do jogador O.J. Simpson que foi acusado de matar a esposa – levou TODOS os prêmios, acredito que neste ano será igual! A série é mega caprichada – padrão Ryan Murphy (tem resenha dela AQUI), e nesta segunda temporada narrou a história do assassinato do estilista Gianni Versace. Com relação às demais – Godless é muito boa, até merecia ganhar. The Alienist e Genius: Picasso (tem resenha AQUI) também são produções interessantes. Patrick Melrose é a única dessas indicadas que ainda não vi.

“Melhor Ator em Série Limitada ou Telefilme”
Concorrem: Darren Criss (The Assassination of Gianni Versace: American Crime Story) | Antonio Banderas (Genius: Picasso) | Benedict Cumberbatch (Patrick Melrose) | Jeff Daniels (The Looming Tower) | John Legend (Jesus Christ Superstar) | Jesse Plemons (Black Mirror: USS Callister)


Minha aposta: Com certeza aposto no Darren Criss, que foi o grande destaque de American Crime Story, interpretando o assassino Andrew Cunanan – um trabalho impecável, digno de premiação. E queria destacar também a presença do Antonio Banderas, que também faz um ótimo trabalho em Genius, como o famoso pintor Picasso.

“Melhor Atriz em Série Limitada ou Telefilme”
Concorrem: Jessica Biel (The Sinner) | Michelle Dockery (Godless) | Sarah Paulson (American Horror Story: Cult) | Edie Falco (Law & Order True Crime: The Menendez Murders) | Laura Dern (The Tale) | Regina King (Seven Seconds)


Minha aposta: Difícil apostar nessa categoria! Primeiro: ainda não assis Seven Seconds e True Crime (apesar de estarem na minha lista). Laura Dern faz uma boa aparição em The Tale – que inclusive ainda vou trazer resenha desse filme; e Michelle Dockery é uma das minhas atrizes queridinhas, então amei vê-la em Godless. Maas, na minha opinião, acho que esta categoria fica entre Sarah Paulson (maravilhosa, sempre concorrendo e ganhando – ela venceu nesta categoria em 2016) e Jessica Biel (grata surpresa em The Sinner).

“Melhor Série de Comédia”
Concorrem: Atlanta  |  Black-ish  |  Silicon Valley  |  Unbreakable Kimmy Schmidt  |  The Marvelous Mrs. Maisel  |  Curb Your Enthusiasm  |  GLOW  |  Barry


Série do  Silicon Valley
Minha aposta: Gente, vou confessar que série de comédia não é meu forte… das indicadas assisti apenas Atlanta, Silicon Valley e Barry. Mas, pelo que se fala na mídia e, principalmente, pela crítica, Atlanta e The Marvelous Mrs. Maisel são as mais fortes para vencer. Neste caso torço por Atlanta – que é mega interessante, traz uma crítica social fantástica e um humor negro que faz toda diferença. Porém, The Marvelous Mrs. Maisel já venceu ano passado e vem ainda mais forte neste ano. Se for para apostar, aposto nela!

** PS: não vou me aventurar nas categorias de atuação em comédia porque, como expliquei, não acompanho a maior parte delas. Mas, se vocês assistem, comentem em quais vocês apostam.

E finalmente as categorias principais de DRAMA.
Concorrem: Stranger Things  |  Game of Thrones  |  The Crown  |  The Handmaid’s Tale  |  This Is Us | Westworld  |  The Americans


Série do TODAS!
Minha aposta: Meu Deus! O que apostar nessa categoria?? Simplesmente amo todas as séries e acho que todas deveriam ganhar!! Mas vamos lá… Stranger Things (tem resenha AQUI), The Americans (que está em sua última temporada) e The Crown (tem resenha AQUI) não ganham. Agora temos uma briga boa entre as outras quatro. This is Us (resenha AQUI) é maravilhosa, não consigo ficar um episódio sem chorar! Westworld é uma super produção e tem muitas chances, mas a minha aposta é The Handmaid’s Tale – a série do momento! Apesar que Game of Thrones corre por fora (a 7ª temporada não foi essas coisas, mas é uma produção forte e que sempre leva todos os prêmios – resenha AQUI).

“Melhor Ator Coadjuvante em Série de Drama”
Concorrem: David Harbour (Stranger Things) | Mandy Patinkin (Homeland) | Peter Dinklage (Game of Thrones) | Nikolaj Coster-Waldau (Game of Thrones) | Joseph Fiennes (The Handmaid’s Tale) | Matt Smith (The Crown)


Minha aposta: Vocês sabem que eu acompanho Homeland desde o início, mas Mandy Patinkin, apesar de ser um mega ator, não tem chances. E mesmo com toda a força de The Handmaid’s Tale, Joseph Fiennes também não deve levar. David Harbour é uma boa opção – até queria que ele vencesse, mas acho que a estatueta irá para um dos representantes de Game of Thrones – Peter Dinklage já venceu duas vezes nessa categoria; e Nikolaj Coster-Waldau teve ótimas cenas na última temporada exibida. Já Matt Smith corre por fora, tendo boas chances de vencer também.

“Melhor Atriz Coadjuvante em Série de Drama”
Concorrem: Ann Dowd (The Handmaid’s Tale) | Alexis Bledel (The Handmaid’s Tale) | Yvonne Strahovski (The Handmaid’s Tale) | Millie Bobby Brown (Stranger Things) | Thandie Newton (Westworld) | Lena Headey (Game of Thrones) | Vanessa Kirby (The Crown)


Minha aposta: Podemos ver uma supremacia de The Handmaid’s Tale nessa categoria! Aposto na Yvonne Strahovski – a personagem Serena teve um destaque muito maior na segunda temporada da série. Ficaria mega feliz com a vitória da Thandie Newton (apostei nela ano passado e acabei errando).

“Melhor Ator em Série de Drama”
Concorrem: Matthew Rhys (The Americans) | Sterling K. Brown (This Is Us) | Milo Ventimiglia (This Is Us) | Jeffrey Wright (Westworld) | Jason Bateman (Ozark) | Ed Harris (Westword)


Minha Aposta: Sterling K. Brown, sem mais.

“Melhor Atriz em Série de Drama”
Concorrem: Claire Foy (The Crown) | Elisabeth Moss (The Handmaid’s Tale) | Evan Rachel Wood (Westworld) | Keri Russell (The Americans) | Sandra Oh (Killing Eve) | Tatiana Maslany (Orphan Black)


Minha Aposta: Outra categoria que podiam vencer todas! Keri Russell, Tatiana Maslany e Claire Foy tem a última chance de vencerem nessa categoria com suas séries atuais, já que The Americans e Orphan Black estão na temporada final e The Crown terá novo elenco com a passagem de tempo. Curti a indicação de Sandra Oh (tem resenha de Killing Eve AQUI); mas a categoria fica polarizada entre Elisabeth Moss e Evan Rachel Wood. Na minha opinião vai dar Elisabeth Moss, pela segunda vez consecutiva.

É isso pessoal, essas são as minhas apostas para esse ano. Como vocês perceberam The Handmaid’s Tale deve fazer a limpa no Emmy! Nada mais do que merecido, neh?! Agora quero saber o que vocês acharam das minhas previsões, concordam ou discordam?! Me falem aí nos comentários e me sigam nas redes sociais 

Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange