Tag: Sempre teremos o Verão

Livro ▪ Sempre teremos o Verão

Autora: Jenny Han
Editora: Intrínseca
Páginas: 240
Skoob
Onde Comprar: Americanas | Submarino | Amazon

Oi gente!
E finalizando a trilogia Verão, da autora Jenny Han, hoje teremos resenha de “Sempre Teremos o Verão”, publicado pela editora Intrínseca.

No primeiro livro (“O Verão que mudou minha Vida”) acompanhamos Belly aproveitando suas férias e descobrindo sobre o primeiro amor. No segundo (“Sem você não é Verão”), a protagonista está mais adulta e tem o seu coração dividido entre os irmãos Fisher, sem saber por qual caminho seguir. E agora no último, parece que ela finalmente deixou todo o passado e suas indecisões para trás.

Agora vemos Belly ao lado de Jeremiah e, ao que tudo indica, Conrad já virou passado. Jenny Han conseguiu imprimir uma maturidade maior nos personagens, que evoluíram bastante. Belly e Jeremy estão na faculdade e possuem responsabilidades, até que um segredo dele vem à tona e muda toda a situação. Ainda muito insegura, Belly tenta seguir em frente e decide se casar com ele, mesmo com toda a família tentando convencê-los do contrário, já que eles ainda são muito jovens e possuem todo um caminho pela frente. Indo contra tudo e todos, Jeremiah e Belly iniciam o planejamento do casamento, que será realizado em Cousins, lugar onde Conrad está passando o verão. O que ninguém esperava é que o mal humorado Conrad iria mudar tanto e finalmente aceitar que ama Belly. Mas, agora chegou a hora dela tomar uma decisão e escolher entre ficar com um e magoar o outro.

A situação de um triângulo amoroso nunca é fácil, ainda mais quando se trata de irmãos. No entanto, sempre esteve claro de quem Belly realmente gostava – o que ela nunca quis foi tomar uma decisão e correr o risco de perder o outro definitivamente. Gostei de como foi tratada a relação mãe e filha nesse livro. Laurel não aceitou bem o casamento de Belly e ambas tiveram vários momentos de altos e baixos, mas o amor entre elas prevaleceu e ainda tivemos uma grande ajuda de Susannah, que ainda continua sendo a melhor personagem da trilogia, mesmo não estando mais entre eles. Foi bacana perceber o significado de família para todos os personagens, que aprenderam muito com as dores, luto e o amor ao longo dos capítulos.

Como falei nas resenhas anteriores, me irritei com vários personagens ao longo dos livros, mas ainda assim foram leituras positivas. A trilogia é bem leve e divertida. E as edições da Intrínseca estavam maravilhosas. Fazendo o balanço final, foi bacana acompanhar a história. E já queria uma adaptação logo!

E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 
Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange