Tag: resenha

#Livros | Tartarugas até lá Embaixo


A história acompanha a jornada de Aza Holmes, uma menina de 16 anos que sai em busca de um bilionário misteriosamente desaparecido – quem encontrá-lo receberá uma polpuda recompensa em dinheiro – enquanto lida com o transtorno obsessivo-compulsivo (TOC). Repleto de referências da vida do autor – entre elas, a tão marcada paixão pela cultura pop e o TOC, transtorno mental que o afeta desde a infância –, Tartarugas até lá embaixo tem tudo o que fez de John Green um dos mais queridos autores contemporâneos. Um livro incrível, recheado de frases sublinháveis, que fala de amizades duradouras e reencontros inesperados, fan-fics de Star Wars e – por que não? – peculiares répteis neozelandeses.

Autora: John Green
Editora: Intrínseca
Páginas: 256
Skoob
Onde Comprar: Americanas | Submarino | Saraiva | Fnac

Oi gente,
Hoje tem dica de leitura! Depois de seis anos de espera, o fenômeno John Green lançou o livro “Tartarugas até lá Embaixo”. Eu estava mega ansioso para ler esse novo livro, tanto que comprei o livro no fim do ano e li em apenas uma semana. Depois de sofrermos com Hazel Grace em A Culpa é das Estrelas e nos apaixonarmos por Alasca Young (Quem é Você, Alasca?), Lindsey Lee Wells (O Teorema de Katherine) e Margo Roth Spiegelman (Cidades de Papel), chegou a vez de nos emocionarmos com Aza Holmes.

Ela é uma estudante de 16 anos que, junto com a melhor amiga Daisy, sai em busca de um bilionário misteriosamente desaparecido – quem encontrá-lo receberá uma polpuda recompensa em dinheiro. Paralelamente, ela precisa lidar com o transtorno obsessivo-compulsivo (TOC). O TOC é um transtorno mental que se caracteriza pela presença de diversas obsessões, que são pensamentos ou imagens indesejáveis que tomam conta da mente do individuo o obrigando a realizar diversos tipos de rituais com a intenção de afastar essas possíveis ameaças, causando muita ansiedade.

O tema foi muito bem trabalhado pelo autor. Em diversas passagens fiquei agoniado com os pensamentos e sentimentos da protagonista. E o mais interessante é que John Green também tem TOC, portanto a história é um pouco biográfica. Mas aí você deve estar pensando que a história de doença vai deixar o livro mais pesado. Para amenizar, John Green trouxe um envolvente mistério: o sumiço do bilionário Russell Pickett, pai de Davis – um amigo e paquera antigo de Aza. O reencontro dos dois foi bem bacana e o desenvolvimento do romance foi ainda melhor.

Mas uma das personagens mais divertidas é Daisy. Ela escreve fanfics sobre Star Wars e é conhecidíssima na internet. Daisy e Aza se completam e a amizade das duas, apesar de passar por altos e baixos, é a parte mais legal do livro.

Na parte gráfica, a edição da Intrínseca está perfeita. Eu adorei a capa – achei bem bonita com o tom alaranjado. Os capítulos são pequenos, então a leitura acaba fluindo bem. Quando você vê já está no meio do livro! Pelo menos comigo foi assim! E como os outros livros de John Green, “Tartarugas até lá Embaixo” também é cheio de referências culturais e reflexões da vida.

Trata-se de um livro emocionante, muito bem escrito, com personagens que nos fazem torcer a cada capítulo, uma história arrebatadora, com um final emocionante.

Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

#Livros | Nossa Música


Ally e Charlotte poderiam ter sido grandes amigas se David nunca tivesse entrado em suas vidas. Mas ele entrou e, depois de ser o primeiro grande amor (e também a primeira grande desilusão) de Ally, casou-se com Charlotte.
Oito anos depois do último encontro, o que Ally menos deseja é rever o ex e sua bela esposa. Porém, o destino tem planos diferentes e, ao longo de uma noite decisiva, as duas mulheres se reencontram na sala de espera de um hospital, temendo pela vida de seus maridos. Diante de incertezas que achavam ter vencido, elas precisarão repensar antigas decisões e superar o passado para salvar aqueles que amam.
Com a delicadeza tão presente em seus livros, Dani Atkins mais uma vez nos traz uma história de emoções à flor da pele, um drama familiar comovente que não deixará nenhum leitor indiferente.
Autora: Dani Atkins
Editora: Arqueiro
Páginas: 368
Skoob
Onde Comprar: Americanas | Submarino | Saraiva | Fnac

Oi gente!
Vamos conferir a nossa primeira dica literária de 2018? Na verdade, não é um livro lançamento… Faz tempo que “Nossa Música” estava na minha estante, mas eu ainda não tinha lido. Aproveitei os últimos dias do ano, que estava de folga , para finalmente tirar esse livro da listinha de pendentes! Aliás, muitas pessoas já haviam me indicado a literatura da Dani Atkins, porém eu ainda não tinha conferido nada dela – “Nossa Música” foi o primeiro e eu simplesmente amei, que livro emocionante!

Ally e Charlotte se reencontram, após muitos anos, na sala de espera de um hospital, no qual seus maridos lutam por suas vidas. Ambas poderiam ter sido amigas, se David, marido de Charlotte, não tivesse sido o primeiro amor e primeira decepção de Ally. Agora, em uma situação em que nunca se imaginaram, as duas serão obrigadas a olhar para o passado de que tentam fugir e reavaliar certos aspectos de suas próprias vidas.

A sinopse já se mostrava interessante e a história foi bem desenvolvida pela autora. O livro é narrado em terceira pessoa – com exceção do primeiro e último capítulo – e é intercalado pelas duas personagens femininas Ally e Charlotte. A cada capítulo, vemos a história narrada por uma delas, e assim, percebemos seus pontos de vistas, seus sentimentos e desejos. A narrativa não segue uma linha temporal, várias vezes a autora utiliza de flashbacks das personagens para relembrar a história já vivida por elas.

Confesso que no início do livro detestei a Charlotte. O desenvolver da história nos faz simpatizar mais com a Ally e sentir todo o sofrimento que ela passa ao longo da vida devido sua desilusão amorosa com David. Tudo bem que ela foi bem cabeça dura no começo, com algumas atitudes questionáveis, mas ainda assim nos sentimos mal junto com a personagem. O quarto protagonista desta história é Joe – atual marido de Ally – que no início sofre um acidente ao salvar um garoto que estava se afogando. Ele é um dos mais queridos de todos os personagens e o que mais causa tristeza ao leitor (não vou dar spoilers).

Durante os momentos de narrativa do passado, eu já comecei a deduzir o que tinha acontecido para que David e Ally não fossem casados. Eles eram um casal completamente diferente, mas que se amavam mais de que tudo. Charlotte sempre soube disso e mesmo agora com o marido lutando pela vida após uma doença no coração, ela ainda vê Ally como uma ameaça à tudo que ela conquistou. Afinal ela foi o primeiro amor de David. A mulher que ainda possui metade do coração dele. Enfim, todos os personagens estão unidos por culpa e questões mal resolvidas do passado.

Outro ponto positivo que destaco é a ótima edição da Editora Arqueiro – incluindo a capa que está maravilhosa. Porém, destaco apenas um ponto negativo – o final foi um pouco óbvio.

“Nossa Música” traz uma linda mensagem de como a vida pode ser breve e que precisamos estar prontos para o que der e vier. Uma história sobre amor, bondade e transformação. Um livro super sensível que, com certeza vai trazer a sua emoção a flor da pele.

Instagram do Entrelinhas Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

#Livros | Meus Dias com Você

Numa fatídica manhã, Ed e Zoe têm uma discussão terrível, algo recorrente no seu casamento em crise, e ela acaba se despedindo de forma brusca quando ele sai para o trabalho. Pouco tempo depois, um ônibus acerta a bicicleta de Ed, matando-o e deixando Zoe arrasada por não ter lhe dito quanto o amava. Se tivessem ficado mais um pouco juntos aquela manhã, ele ainda estaria vivo? Será que poderiam ter reconstruído o amor que os unira? Após dois meses, Zoe ainda não conseguiu se conformar. De luto, decide cuidar do jardim do marido, quando acaba caindo e desmaiando. Então, algo estranho acontece: ao acordar, ela está em 1993, no dia em que conheceu Ed na faculdade. A partir desse instante, Zoe passa a reviver momentos cruciais de sua vida e percebe que talvez tenha conseguido uma segunda chance.

Autora: Clare Swatman
Editora: Arqueiro
Páginas: 288
Skoob
Onde Comprar: Americanas | Submarino | Saraiva Fnac

“Meus Dias com Você” é o livro de estreia da inglesa Clare Swatman e publicado no Brasil pela Editora Arqueiro. Trata-se de uma história bem interessante sobre perda, superação e recomeço, além de trazer uma linda mensagem sobre viver o hoje e aproveitar cada momento possível.

Na trama, Zoe está em luto pela morte do marido, e um dia ela cai em seu jardim, bate a cabeça e misteriosamente acorda numa manhã de 1993, quando conheceu Ed. Ao começar a reviver uma série de dias aleatórios compartilhados entre eles, ela se pergunta se ganhou uma nova chance de evitar sua morte, se está em coma ou se simplesmente está tendo a oportunidade de passar um pouco mais de tempo ao lado do homem da sua vida.

O que eu quero contar a ela é o seguinte: que Ed morreu e, por alguma razão bizarra e inexplicável, estou revivendo minha vida e tentando desesperadamente fazer as coisas de forma diferente para que ele não morra; que eu nunca vou me perdoar por nosso casamento ter se esvaziado; (…) que fico enjoada só de pensar que, mesmo depois de tudo isso, eu talvez ainda não seja capaz de evitar a morte de Ed” (página 196)

Confesso que demorei um pouco para engrenar na leitura, mas o desenvolvimento fica melhor ao longo dos capítulos. A história é bem leve e romântica, com várias situações divertidas e fofas. Outro aspecto positivo é o casal principal. Apesar de sabermos que Ed morreu, torcemos até o último parágrafo para que isso não tenha acontecido, para que eles tenham o seu final feliz. Zoe e Ed possuem muita química, tanto que eu vibrei em vários momentos do livro. Já um ponto negativo que eu notei é que existem algumas coisas que não tem muita lógica. A protagonista revive diversos momentos (que ela já viveu) e ainda assim se surpreende ou não sabe o que vai acontecer, já em outros momentos ela sabe – fica um pouco confuso.

Mas no geral, é um livro bacana, com uma narrativa agradável, com uma reflexão importante sobre vivermos os momentos especiais da melhor forma possível, tem também uma diagramação boa e a capa é super linda (eu comprei mais pela capa do que pela história haha). Super indico.

#Livros | Quando a Noite Cai

Briana Pinheiro sabe que não é a pessoa mais sortuda do mundo. Sempre que ela está por perto algo vai mal, especialmente no trabalho. Por isso é tão difícil manter um emprego. E a garota realmente precisa de grana, já que a pensão da família não anda nada bem. Mas esse não é o único motivo pelo qual Briana anda perdendo o sono. Quando a noite cai e o sono vem, ela é transportada para terras distantes: um mundo com espadas, castelos e um guerreiro irlandês que teima em lhe roubar os sonhos… e o coração.
Depois de ser demitida — pela terceira vez no mês! —Briana reúne coragem e esperanças e sai em busca de um novo trabalho. É quando Gael O’Connor cruza seu caminho. O irlandês de olhar misterioso e poucas palavras lhe oferece uma vaga em uma de suas empresas. Só tem um probleminha: seu novo chefe é exatamente igual ao guerreiro dos seus sonhos. Enquanto tenta manter a má sorte longe do escritório, Briana acaba por misturar realidade e fantasia e se apaixona pelo belo, irresistível e enigmático Gael. Em uma viagem à Irlanda, a paixão explode e, com ela, o mundo de Briana, pois a garota vai descobrir que seu conto de fadas está em risco — e que talvez nem mesmo o amor verdadeiro seja capaz de triunfar…

Autora: Carina Rissi
Editora: Verus
Páginas: 476
Skoob
Onde Comprar: Americanas | Submarino | Saraiva | Fnac

Oi gente
Hoje a minha dica de leitura é o maravilhoso “Quando a Noite cai”, da Carina Rissi. E eu preciso começar esse post falando dela – como ela é uma grata surpresa. Este é o segundo livro que eu li (o primeiro foi “No Mundo da Luna” – tem resenha AQUI) e já estou me tornando fã – porque ela consegue nos conquistar e despertar nossa curiosidade com uma história super simples, aquele clichêzinho básico, mas muito bem escrito.

O livro conta a história da jovem Briana Pinheiro, que não é muito sortuda. Em todo lugar que ela tenta trabalhar, sempre acontece algo e ela é demitida, o que acaba deixando ela extremamente desanimada e preocupada, pois após a morte de seu pai, as coisas não vão bem na pensão da família onde ela mora com sua mãe e a irmã Aisla. Além disso, todas as noites, desde os seus 18 anos, Briana tem diversos sonhos com um mundo medieval, com castelos, espadas, aldeias e um amor entre o guerreiro irlandês Lorcan e a princesa Ciara. Com isso, Briana se apaixona pelo belíssimo irlandês, mas sabendo que ele só existe em seus sonhos. Em um determinado dia, após sua irmã conseguir uma entrevista de emprego para ela, ocorre um incidente onde Briana conhece Gael O’Connor: um homem idêntico ao irlandês de seus sonhos. E a partir desse encontro, a vida de Briana muda definitivamente.

“Quando a Noite Cai” é um romance super interessante, que nos prende do início ao fim. Com uma narrativa em primeira pessoa, o livro se alterna entre a perspectiva de Briana e seus sonhos, quando ela se torna a princesa Ciara. E as duas histórias são ótimas, ficamos curiosos para saber como elas terminarão e principalmente, porque Lorcan e Gael são idênticos. Além disso, os protagonistas são ótimos, possuem muita química – cada vez que eles estão juntos parece que a história melhora ainda mais. É o típico caso que amamos torcer para que eles tenham um final feliz, apesar de todos os impedimentos. E olha que são vários impedimentos! A autora utiliza de diversos recursos para entreter o leitor, como as lendas irlandesas, que dão um toque místico ao romance.

A leitura fluiu bastante ao longo da história – quando percebi já estava acabando. Um único ponto negativo que aponto é a diagramação nos capítulos que narram os sonhos de Briana – como uma forma de diferenciar dos demais, a editora optou por uma letra em itálico, o que dificultou um pouco para enxergar. Ah e preciso falar da capa do livro que é super maravilhosa!

Se você está procurando aquele romance despretensioso, “Quando a Noite Cai” é a dica perfeita! Com uma história diferente, personagens encantadores, uma mistura de fantasia e realidade, além uma mensagem linda sobre o perdão, que ao mesmo tempo te faz rir e se emocionar. Super indico esse livro!

 

#Livros | Muito Longe de Casa

Trezentas mil crianças-soldado, lavagem cerebral, entorpecentes, abusos dos senhores da guerra, morte. Muitas hoje ainda sofrem com as conseqüências. Fã de hip hop e de boa literatura, Ishmael Beah, após passar a infância e a adolescência na roda-viva da guerra, foi reabilitado pela Unicef e teve a chance de contar o que qualquer ficção jamais conseguiria recriar.

Dando continuidade ao Desafio “Lendo o Mundo”, hoje vou falar sobre o livro “Muito Longe de Casa – Memórias de um menino soldado”, de Ishmael Beah.

Para quem quiser saber mais sobre esse projeto basta clicar neste link. Lembrando que os livros que lerei neste desafio devem trazer uma narrativa que ilustre a história, cultura, política ou tradições do país representado. Hoje, a leitura nos traz um panorama da guerra civil, que aterrorizou a Serra Leoa, um país africano, durante os anos 90.

O livro conta a história real de Ishmael Beah, que quando tinha entre 10 e 11 anos de idade, teve de fugir de sua aldeia por causa de uma guerra civil em seu país. Para sobreviver acabou sendo obrigado a se tornar um soldado aos 13 anos, lutando ao lado do governo contra o grupo rebelde de guerrilheiros da RUF (Revolutionary Front United – Frente Revolucionária Unida). Passou mais de dois anos numa rotina de sobrevivência e matança diária. Matou tantos que perdeu a conta. Também usava drogas pesadas diariamente para esquecer dos problemas. Saiu da guerra após uma intervenção da UNICEF, que retirou parte das crianças e adolescentes dos fronts de batalha.

Este livro é simplesmente incrível – um dos melhores que eu já li!! É impressionante e emocionante a lição de vida que Ishmael nos apresenta. É difícil imaginar que um garoto que pouco frequentou a escola em sua aldeia local, transitou por cenários de guerra e destruição, conseguiu se tornar um grande homem, que hoje influencia e ajuda diversos projetos humanitários na ONU.

Analisando as questões técnicas, a leitura flui muito bem. Como uma narração em primeira pessoa, podemos ter uma noção do que o autor passou. E ele é bem detalhista, então durante a leitura sofremos junto com ele. A edição que eu li é da Companhia de Bolso, não tem a capa original do livro, já que é uma outra versão, mas esta é bonita também, sendo bem simples. E para aqueles que quiserem uma dica – eu comprei na Estante Virtual, bem baratinho!

E agora quero a ajuda de vocês! Estou um pouco indeciso sobre a leitura do próximo mês, dentro do Desafio “Lendo o Mundo”. Por isso me ajudem a escolher – “O Ruído das coisas ao Cair”, de Juan Gabriel Vásquez (Colômbia), “A Última Mensagem de Hiroshima”, de Takashi Morita (Japão) ou “Depois de Auschwitz, de Eva Schloss (Alemanha). E também deixem nos comentários o que acharam da história de “Muito Longe de Casa”.

Área: 71.740 km²
Capital: Freetown
População: 6.018.888 hab. (censo 2016)
Moeda: leone
Língua oficial: inglês
Nome Oficial: República da Serra Leoa
Data Nacional: 27 de abril (Dia da Independência)
Governo: República Presidencialista
Presidente: Ernest Bai Koroma

#Livros | Em Águas Sombrias

Nos dias que antecederam sua morte, Nel ligou para a irmã. Jules não atendeu o telefone e simplesmente ignorou seu apelo por ajuda. Agora Nel está morta. Dizem que ela se suicidou. E Jules foi obrigada a voltar ao único lugar do qual achou que havia escapado para sempre para cuidar da filha adolescente que a irmã deixou para trás. Mas Jules está com medo. Com um medo visceral. De seu passado há muito enterrado, da velha Casa do Moinho, de saber que Nel jamais teria se jogado para a morte. E, acima de tudo, ela está com medo do rio, e do trecho que todos chamam de Poço dos Afogamentos…

Autora: Paula Hawkins
Editora: Record
Páginas: 364
Skoob
Onde Comprar: Americanas | Submarino | Saraiva | Fnac

Para mim, Paula Hawkins foi uma grata surpresa com “A Garota no Trem” – eu gostei bastante, tanto do livro, como da adaptação feita para o cinema, com a atriz Emily Blunt. E agora, ela está de volta com seu segundo livro “Em Águas Sombrias”, que também explora o universo do suspense.

A história aborda a relação entre as irmãs Jules e Nel Abbott, que sempre foi frágil e complicada – motivo pelo qual Jules sempre evitou a irmã. Até que Nel aparece morta no rio que corta a cidade, obrigando Jules a retornar para o lugar onde ela acreditava já ter deixado para trás. Acontece que, pouco tempo antes da morte de Nel, uma adolescente morreu no mesmo lugar. Agora, a morte de ambas não só abre perguntas para a verdade por trás de seus trágicos fins como também passa a desenterrar segredos do passado.

Diziam as lendas locais que, na época de caça às bruxas, uma menina chamada Libby foi condenada e deixada para se afogar naquelas águas por conta de seus conhecimentos sobre ervas e cura. Ela não escolheu seu destino, mas outras mulheres (como Lauren Townsend, Katie Witthaker e Nel Abbott) foram até ali por sua própria vontade, fazendo com que o lugar ficasse conhecido por Poço dos Afogamentos.

A história também traz diversos personagens – Sean Townsend é o investigador da cidade, que tenta descobrir as verdades sobre o Poço dos Afogamentos, já que sua mãe Lauren também se “suicidou” anos atrás; Lena Abbott era melhor amiga de Katie e filha de Nel, uma esquisita aos olhos dos moradores da cidade, tal como a mãe; Louise Witthaker é a mãe de Katie e não consegue ver a filha com o desequilíbrio emocional que disseram existir; Nickie é uma “velha louca”, que ouve o rio e as vozes dentro dele; Erin é outra detetive cuidando do caso de Nel – a única pessoa sem qualquer envolvimento com a cidade; Patrick é o pai de Sean – um homem marcado por uma terrível perda em seu passado, misterioso e super protetor com o filho e com a nora Helen.

E essa mistura variada de personagens que causa uma certa confusão no início do livro. Cada capítulo é narrado por um personagem, porém a autora começa a história sem que nós saibamos algo sobre cada um. Quando comecei a ler fiquei super perdido, pois não sabia quem era quem e o que eles tinham a ver com os acontecimentos. Somente depois de conhecer todos os narradores que percebi o quanto a opinião deles era essencial para manter o clima de suspense da trama. Para mim, a leitura começou a engrenar do meio para o final – tanto que levei algumas semanas (bastante tempo) para ler todo o livro. Além disso, alguns capítulos são narrados em primeira pessoa, outros em terceira.

Já o final do livro me decepcionou, em partes. Foi bem previsível, porque a autora deu algumas pistas do que iria acontecer bem no início do livro. Quando chegou o momento da revelação, eu sabia o que iria acontecer e não tive aquela surpresa. Mas acho que foi proposital – pois a surpresa maior está no último parágrafo (vou me conter para não contar SPOILERS). No geral, eu indico esse livro!

E pessoal, não se esqueçam de participar da PROMOÇÃO ESSE KINDLE É MEU! que irá sortear um kindle + obra completa da autora Ana Ferrarrezi autografada. Quem quiser saber mais é só clicar neste link!

#Livros | Belgravia

Ambientada nos anos 1840, quando os altos escalões da sociedade londrina começam a conviver com a classe industrial emergente, e com um riquíssimo rol de personagens, a saga de Belgravia tem início na véspera da Batalha de Waterloo, em junho de 1815, no lendário baile oferecido em Bruxelas pela duquesa de Richmond em homenagem ao duque de Wellington. Pouco antes de uma da manhã, os convidados são surpreendidos pela notícia de que Napoleão invadiu o país. O duque de Wellington precisa partir imediatamente com suas tropas. Muitos morrerão no campo de batalha ainda vestidos com os uniformes de gala. No baile estão James e Anne Trenchard, um casal que fez fortuna com o comércio. Sua bela filha, Sophia, encanta os olhos de Edmund Bellasis, o herdeiro de uma das famílias mais proeminentes da Bretanha. Um único acontecimento nessa noite afetará drasticamente a vida de todos os envolvidos. Passados vinte e cinco anos, quando as duas famílias estão instaladas no recente bairro de Belgravia, as consequências daquele terrível episódio ainda são marcantes, e ficarão cada vez mais enredadas na intrincada teia de fofocas e intrigas que fervilham no interior das mansões da Belgrave Square.

Autor: Julian Fellowes
Editora: Intrínseca
Número de Páginas: 368
Skoob
Onde Comprar: Americanas | Submarino |Saraiva | Fnac

A dica de livro de hoje é “Belgravia”, escrita pelo inglês Julian Fellowes, criador, roteirista e produtor da série de TV “Downton Abbey”, vencedora de três prêmios Emmy. Para aqueles que ficaram apaixonados pela saga da família Crowley, com certeza irão amar este livro – tanto que a história é bem parecida – o autor trouxe novamente vários pontos utilizados ao longo da série.

Na noite do dia 15 de junho de 1815, as grandes personalidades da alta sociedade britânica se reuniram em Bruxelas para o que se tornou uma das mais trágicas festas da História: o baile da duquesa de Richmond. O evento ocorreu na véspera da Batalha de Waterloo e vários belos rapazes que participavam do baile, logo no dia seguinte, estariam nos campos de batalha ainda com os uniformes de gala. Contudo, para Sophia Trenchard, a jovem e bela filha do principal fornecedor de suprimentos do duque de Wellington, aquela foi uma noite decisiva. Apaixonada pelo lorde Edmund Bellasis, Sophia enfrenta a mãe Anne, que tenta fazer com que a filha entenda que o casamento entre um futuro conde e a filha de um comerciante seria uma coisa impossível. Após o baile, Edmund Bellasis segue para a batalha e deixa Sophia totalmente transtornada. Infelizmente o lorde não sobrevive e pouco tempo depois Sophia também falece. A jovem morreu durante o parto de um filho de Bellasis.

Vinte cinco anos depois, quando os Trenchard, da classe industrial emergente, se mudam para o novo e elegante bairro de Belgravia, as verdadeiras repercussões daquele evento serão sentidas. James Trenchard já tem uma posição social mais elevada, mas ainda assim não pode ser confundido com alguém da nobreza. Uma única revelação será capaz de alterar o destino de todos. Nesse novo mundo, em que a aristocracia passa a conviver com os novos-ricos, há quem prefira que os segredos do passado continuem enterrados.

A trama gira em torno das duas famílias: Trenchard e Brockenhurst. O conde Bronckenhurst e condessa Bronckenhurst são os pais de Edmund Bellasis. Sofrem por não ter nenhum herdeiro e ter que deixar tudo para seu sobrinho John, filho do irmão do conde Bronckenhurst. Anne Trechard, em um momento de solidariedade, conta para Caroline Bronckenhurst que sua linhagem não estava perdida, Bellasis teve um filho. Ambas são avós de um jovem – sr. Charles Pope, filho de Edmundo e Sophia, que foi dado pelos Trenchard para ser criado por outra família, logo ao nascer.

“Belgravia” é uma leitura muito agradável que mistura ficção e fatos históricos. O livro foi lançado em 2016, pela editora Intrínseca, após ter sido publicado como e-book, tendo seus 11 capítulos sendo lançados a cada semana, como uma forma de homenagear à tradição dos folhetins britânicos. Me surpreendi com a história do começo ao fim principalmente quando as peças do quebra-cabeça começaram a se unirem numa grandiosa reviravolta.

Gostei muito dos personagens secundários. Oliver Trenchard é filho de James e sempre quis curtir a vida como um bon-vivant, sem se importar com o trabalho construído durante anos pelo pai. Sua esposa, Susan, é uma mulher interesseira e, que após anos de casamento, nunca engravidou. Ao longo da narrativa, Susan se aproxima de John Belassis, sobrinho da condessa de Bronckenhurst e herdeiro da fortuna da família. John deverá se casar com lady Maria Grey, porém a jovem se apaixona perdidamente pelo jovem sr. Charles Pope, um pequeno comerciante, que na verdade, é o verdadeiro herdeiro dos Bronckenhurst. Esses personagens se entrelaçam ao longo do livro e, em diversos momentos, fazem a história movimentar da melhor forma possível. Outros personagens que se destacam – assim como aconteceu em “Downton Abbey” – são os empregados. Porém, diferente da série, os serviçais do livro são traidores e ambiciosos.

“Belgravia” é uma saga fascinante e irresistível, cheia de reviravoltas e referências históricas, que revela os escândalos, segredos e intrigas guardados a portas fechadas nas mansões da alta sociedade londrina de meados do século XIX.

#Livro | Tantos Anos

“Tantos anos” radiografa as memórias de Rachel de Queiroz e de sua irmã Maria Luiza de Queiroz. A ideia expressa no início do livro é a de recusar as formas da memória heróica oferecendo duas versões – a dela e a de sua irmã, Maria Luiza – sobre os mesmos fatos. Estruturado em capítulos, “Tantos Anos” mistura relatos gravados, textos escritos, perfis ou mesmo crônicas já publicadas, em torno do que elege como sendo temas centrais de sua biografia – família, literatura e política.

Autora: Raquel de Queiroz e Maria Luiza de Queiroz
Editora: Arx
Número de Páginas: 285
Skoob
Onde Comprar: Americanas | Submarino | Saraiva

Rachel de Queiroz e sua arte inconfundível de escrever romances históricos do modernismo regionalista traz à tona nesse seu livro de memórias todo um lado sertanejo que vivenciara até os últimos dias de sua vida, estruturando a obra em 51 capítulos breves numa mistura de relatos gravados, perfis, textos escritos e até algumas crônicas bem particulares, onde utilizara como personagens principais membros de sua própria família.

A coisa que eu mais gosto em uma biografia é saber que nossos autores favoritos também têm ou tiveram uma vida normal, de dificuldades. Admiro muito Rachel de Queiroz, ela era muito simples, muito verdadeira em suas histórias.  Uma bela mulher e uma bela escritora. Suas palavras nos tocam no fundo da alma.

Dela, já li alguns livros – “O Quinze” (1930) e “As Três Marias” (1939) – assisti também a minissérie “Memorial de Maria Moura”, baseada em sua obra. Agora o livro “Tantos Anos” é encantador até mesmo para que não conhece a obra de Rachel. Os detalhes fazem com que a gente imagine cada cantinho por onde ela passou, cada momento que viveu, os amigos – tantos deles ilustres – com quem conviveu, o amor pela família. Rachel foi uma mulher exemplar, guerreira. Deixou um exemplo como pessoa, no que diz respeito aos seus princípios e a defesa de tudo aquilo em que acreditou firmemente.

#Livro | Quatro Estações em Roma

Anthony Doerr recebeu muitos prêmios ao longo da carreira, entre eles o Rome Prize, uma das mais importantes premiações da Academia Americana de Artes e Letras, que inclui ajuda de custo, um apartamento e um estúdio para escrever na Itália. “Quatro Estações em Roma” nasceu das memórias dos doze meses que o autor passou na cidade, em meio aos cuidados com os filhos bebês, uma insônia constante e o misto de deslumbramento e estranheza de um estrangeiro no dia a dia da capital italiana.

Autor: Anthony Doerr
Editora: Intrínseca
Número de Páginas: 240
Skoob
Onde Comprar: Americanas | Submarino | Saraiva | Fnac

“Como sempre acontece quando se está longe de casa, são os detalhes que nos fazem sentir deslocados”. Assim Anthony Doerr, autor do premiado “Toda luz que não podemos ver”, descreve a sensação de se mudar inesperadamente do interior dos Estados Unidos para Roma, com os filhos e a esposa. Doerr passou um ano na capital italiana após receber um prêmio da Academia Americana de Artes e Letras, que incluía ajuda de custo, um apartamento e um estúdio para escrever na Itália. As recordações desse período estão em “Quatro estações em Roma”.

O estranhamento de Doerr com o novo país começa logo na chegada: a cozinha do apartamento não tem forno. As janelas não têm telas. Ao contrário do que ocorre nos Estados Unidos, as verduras e frutas são vendidas em feiras ao ar livre, e não em um supermercado. Para Doerr, Roma é um mistério: um outdoor de uma marca de roupas tremulando na fachada de uma igreja de quatrocentos anos, uma construção comum ao lado de uma obra-prima da arquitetura. Em meio a tudo isso, ele cuida dos filhos, lida com uma insônia que parece não ceder e tenta, sem muito sucesso, escrever um novo romance — “Toda luz que não podemos ver”, lançado sete anos mais tarde e que acabaria rendendo ao autor o Pulitzer de ficção.

O livro é dividido em quatro partes correspondentes às quatro estações do ano, cada uma tendo relatos de diversas situações vividas pela família. Quando comprei o livro achei que fosse ser mais para o lado do romance, mas era em estilo de memórias – o que me surpreendeu. É muito interessante saber como os escritores pensam durante o processo de criação de um livro ou projeto. Achei a premissa super bacana. Inclusive a escrita de Anthony Doerr também é ótima – ele consegue descrever com perfeição as suas lembranças, tanto que conseguimos visualizar tudo! Mas… sempre tem um “porém”. Em vários momentos eu ficava com raiva do autor. Imagina você ser convidado para passar um ano em Roma – uma cidade lindíssima, berço da arquitetura, da arte e da moda. E na maior parte do livro, o autor só reclama… Se eu fosse convidado para morar na Itália, eu ia amar conhecer as igrejas, praças, as obras de Michelangelo, Rafael, Benini, entre tantos outros artistas. Tudo bem que sair de sua terra natal para morar em um país com outros costumes e tradições pode ser bem estranho, mas em muitos momentos temos a impressão de que ele está lá por obrigação, como se fosse forçado a isso, e não por vontade própria.

Mas isso é o que faz “Quatro Estações em Roma” ser um livro verdadeiro. Ninguém tem a obrigação de gostar dessa situação ou conseguir se adaptar à momentos controversos com facilidade. E isso faz com que, em muitas passagens, nós leitores tenhamos a sensação de proximidade com o escritor, como se fossemos amigos dele e estivéssemos escutando um desabafo.

Além disso, Anthony Doerr esteve na Itália quando ocorreram diversas coisas como a morte do papa João Paulo II. Com certeza, a descrição dessa passagem é a melhor parte do livro. Outros destaques são os pequenos relatos diários, pequenos pensamentos e reflexões que o autor decide compartilhar, geralmente envolvendo os filhos gêmeos – como por exemplo, os seus primeiros passos, primeiras palavras e os passeios por alguns pontos turísticos.

#Livro | Nada mais a Perder

Uma mulher está viajando de Cambridge para a London Street quando o trem faz uma longa parada dentro de um túnel – tempo suficiente para, na saída, em meio à claridade, ela ter um vislumbre de uma cena ao mesmo tempo deslocada e sublime: numa rua de pedras, em meio à paisagem urbana, uma menina está de braço erguido, com uma vara na mão, e sob seu comando um magnífico cavalo recua elegantemente, empinando sobre as patas traseiras. A mulher é Natasha, uma advogada cuja vida parece ter se estagnado em um nó impossível de desatar. A menina é Sarah, a neta prodígio de um ex-astro do hipismo que, de repente, se vê sozinha no mundo a não ser por seu cavalo. As duas não sabem, mas aquela impressionante visão é apenas o prenúncio de um encontro que mudará para sempre suas vidas.

Autora: Jojo Moyes
Editora: Intrínseca
Páginas: 400
Skoob 
Onde Comprar: Americanas | Submarino | Saraiva

Eu não sou fã dos romances da Jojo Moyes. O único que gostei foi “Como eu era antes de Você”, mas me indicaram esse livro – “Nada mais a Perder”, com a promessa de que eu iria gostar. Até gostei, mas tem alguns pontos negativos.

Na juventude, Henri Lachapelle foi um cavaleiro de raro talento, entre os poucos admitidos na academia de elite do hipismo francês, o Le Cadre Noir. Contudo, reviravoltas da vida o levaram da França a Londres, onde ele agora vive em um simples conjunto habitacional. Sem nunca abandonar o amor pela antiga carreira, aos trancos e barrancos Henri ensina a neta, Sarah, a montar o cavalo Boo, na esperança de que o talento da dupla seja o passaporte para uma vida melhor e mais digna para todos. Mas um grande golpe muda mais uma vez os planos de Henri Lachapelle, e Sarah se vê entregue à própria sorte, lutando para, além de sobreviver, cuidar de Boo e manter os treinamentos.

Do outro lado temos Natasha, uma advogada especializada em representar crianças e adolescentes envolvidos com crimes ou em situação de risco. Abalada emocionalmente e em dúvidas quanto a seu futuro profissional depois de um caso terrível, Natasha ainda tem de lidar com as feridas do fim de seu casamento. Um fim, diga-se de passagem, bem inusitado, já que ela se vê forçada a morar com o charmoso futuro ex-marido enquanto esperam a venda da casa da família. Quando Sarah cruza o caminho de Natasha, a advogada vê na menina a oportunidade de colocar a vida de volta nos trilhos e decide abrigar a adolescente sob o próprio teto. O que ela não sabe é que Sarah guarda um grande segredo que lhes trará sérias consequências.

 

O começo do livro não é muito bom. A autora descreve sentimentos e emoções dos personagens, principalmente de Natasha, sem antes conhecermos a história deles, o que faz com que não nos identifiquemos logo de início. Até por volta da página 100 eu ficava pensando porquê estou lendo esse livro? Passando da metade, quando a história de Natasha e Sarah se cruza, o livro fica bem interessante. A partir daí a leitura flui. É neste momento que vemos a melhor vertente dramática de Jojo Moyes.

Outro ponto positivo é a capa do livro, achei super linda, mantendo o padrão de todos os livros da Jojo com sombras dos personagens em destaque. Também destaco o desfecho do livro, claro que não vou dar spoilers, mas foi emocionante e, confesso que era exatamente o que eu queria que acontecesse. “Nada mais a perder” é um livro instigante, romântico, curioso, sem grandes expectativas.