Tag: oscar

#Filmes | A Forma da Água

Oi gente!
Hoje tem mais uma dica de filme indicado ao Oscar 2018“A Forma da Água”, do diretor mexicano Guilhermo del Toro. Lembrando que a cerimônia de premiação ocorre no domingo (04).

“A Forma da Água” acompanha a trajetória de Elisa (Sally Hawkins), uma mulher muda que trabalha como faxineira num centro de pesquisas do serviço secreto americano em meados dos anos 1960. Um dia ela descobre que uma criatura aquática é mantida num laboratório sob maus tratos e todo tipo de experiência. Sem falar uma palavra, a mulher começa a se comunicar com a criatura e nutrir uma relação especial por aquele monstro, pensando até mesmo em resgatá-lo. Elisa contará com a ajuda de sua companheira Zelda (Octavia Spencer), seu vizinho Giles (Richard Jenkins), mas terá como empecilho o furioso chefe de segurança, Richard Strickland (Michael Shanon) e a observação misteriosa do cientista Dr. Robert Hoffsteler (Michael Stuhlbarg).

E ao que tudo indica, finalmente Guilhermo del Toro será reverenciado por seu trabalho. O diretor, produtor e roteirista de “A Forma da Água” é a grande aposta na categoria de direção. Na minha opinião, com muito louvor! Seu trabalho está esplêndido – com efeitos visuais espetaculares, comentário social na medida e direção de elenco primorosa. A tradução dos monstros como heróis marginais é feita com delicadeza ímpar. Merece muito pelo esmero artístico e pelo trabalho preciso e delicado.

Outro destaque do filme é a atriz Sally Hawkins, que somente com o olhar e sua expressão facial, consegue segurar todo o filme. Ela mergulha na delicadeza de um personagem, em tudo excluído, sem cair em excessos dramáticos. Ótimos trabalhos também de Richard Jenkins e Michael Shannon. E preciso falar do Doug Jones, que não “aparece” no filme – pelo menos não de cara limpa! Ele faz o monstro e já trabalhou diversas vezes com Del Toro.

Tem uma cena no filme – prometo não dar SPOILERS – que é simplesmente genial! Vou postar a foto dela aqui embaixo, quem assistiu vai saber qual é! E por falar em cenas geniais, a abertura também é fantástica.

Lúdico, “A Forma da Água” é um dos grandes destaques do ano, com uma belíssima maquiagem, iluminação, fotografia, direção de arte e efeitos visuais. Destaque a parte para a excelente trilha sonora, que nos remete ao melhor dos anos 50-60. E com uma competentíssima direção de Del Toro, além de trazer temas recorrentes do momento como o empoderamento feminino, os excluídos da sociedade e o romance entre “espécies” diferentes.

No Oscar 2018, o filme liderou as indicações, com 11 nomeações – melhor filme, melhor direção (Guilhermo del Toro), melhor atriz (Sally Hawkins), melhor ator coadjuvante (Richard Jenkins), melhor atriz coadjuvante (Octávia Spencer – não entendi muito a indicação, pois não é seu melhor trabalho, e tinha outras atrizes que estão melhores), melhor roteiro original, melhor fotografia, melhor figurino, melhor mixagem de som, melhor edição de som, melhor design de produção, melhor montagem e melhor trilha sonora original. Aposto que vence na categoria de direção.

E pessoal, eu queria muito postar as resenhas de todos os filmes que concorrem na categoria principal, antes da cerimônia do Oscar, mas infelizmente não conseguirei falar de “Três Anúncios para um Crime” (que para mim foi o melhor filme de todos!!). Vai ficar para depois da premiação! Aproveitem para dizer nos comentários o que vocês acharam deste filme, em quem apostam no Oscar 2018 e me seguem nas redes sociais!

Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

 

 

#Filmes | Me Chame pelo seu Nome

Oi gente!
Bora conferir mais uma dica de filme indicado ao Oscar 2018 – hoje vou falar de “Me Chame pelo seu Nome”, do diretor italiano Luca Guadagnino e baseado no livro do escritor André Aciman.

A casa onde o jovem Elio (Timothée Chalamet) passa os verões é um verdadeiro paraíso no norte da Itália – parada certa para amigos, vizinhos, artistas e intelectuais de todos os lugares. Filho de um importante professor universitário, o menino está bastante acostumado à rotina de, a cada verão, hospedar por seis semanas um novo escritor que, em troca da boa acolhida, ajuda seu pai com os estudos.

E neste verão surge Oliver (Armie Hammer). Elio, no auge de sua puberdade, se encanta pelo americano de vinte e quatro anos, espontâneo e atraente, que aproveita a temporada para trabalhar em seu manuscrito sobre Heráclito e, sobretudo, desfrutar do verão mediterrâneo. Da antipatia, que parece atravessar o convívio inicial, surge uma paixão que só aumenta. Elio quer estar perto e decide acompanhar Oliver a cada visita ao vilarejo, durante os banhos de rio e está ao seu lado na hora das refeições. Tem ciúmes, tem inveja, tem desejo. O filme retrata o descobrimento sexual de Elio. Uma experiência inesquecível, que o marcará para o resto da vida.

“Me Chame pelo seu Nome” é um filme super sensível, com uma narrativa bem interessante, um roteiro bem desenvolvido e uma adaptação fiel, que nos emociona. No elenco, o grande destaque é o jovem ator Timothée Chalamet – que nos entrega um Elio cheio de nuances e paixões. Um ótimo trabalho do ator de apenas 22 anos, que recebeu sua primeira indicação ao Oscar. Já Armie Harmer não é um grande ator, mas está bem no papel de sedutor. Completam o elenco Michael Stuhlbarg, Amira Casar e Esther Garrel.

A produção do filme é impecável – o diretor Luca Guadagnino nos traz ótimos ângulos, com planos sequência bem desenvolvidos. A construção e evolução dos personagens são super interessantes, pois eles nos fazem conhecer cada um aos poucos e isso faz com que a identificação fique ainda maior. O design de produção traz uma qualidade técnica da imagem, que realmente nos transporta para os anos 80. O figurino, fotografia e trilha sonora instrumental são outros destaques a parte – me fez lembrar os grandes filmes do cinema italiano. Ahh, e outro detalhe super bacana! O filme tem a produção de um brasileiro – Rodrigo Teixeira.

Outra coisa que eu preciso falar – tem uma cena ao final do filme – gente, que cena!! Timothée Chalamet e Michael Stuhlbarg simplesmente arrasam em um diálogo entre pai e filho sobre o amor. Sério, não tem como não se emocionar!

“Me Chame pelo seu Nome” fala sobre aprendizado, descobertas e amor – e tudo isso de uma forma diferente. Um filme de grande beleza, tocante, inteligente e sem apelações.  No Oscar 2018, concorre em quatro categorias: melhor filme, melhor ator (Timothée Chalamet), melhor roteiro adaptado e melhor canção original (Mystery of Love) – acredito que deve ganhar a estatueta de roteiro adaptado (e será super merecido)!

Lembrando que já tem resenha de outros filmes que também concorrem no Oscar – “Dunkirk” (AQUI), “Corra!” (AQUI), “Lady Bird” (AQUI), “Eu, Tonya” (AQUI), “Trama Fantasma” (AQUI) e “The Post” (AQUI), “O Destino de uma Nação” (AQUI)

Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

#Filmes | O Destino de uma Nação

Oi gente!
Hoje é dia de falar de “O Destino de uma Nação” – mais um filme que concorre ao Oscar 2018. A produção retrata os primeiros dias de Winston Churchill (Gary Oldman) como primeiro-ministro da Grã-Bretanha, onde ele teve que tomar a difícil decisão de aceitar um suspeito acordo de paz com o ditador Hilter ou confrontá-lo, o que ocasionaria a retirada dos soldados ingleses da batalha de Dunquerque.

Inclusive, “O Destino de uma Nação” tem, em sua história, uma passagem parecida com outro filme que concorre ao Oscar – “Dunkirk” (tem resenha dele AQUI) – durante a 2ª Guerra Mundial, soldados ingleses e franceses ficaram presos na praia de Dunquerque e somente um homem foi capaz de conseguir ajuda-los – Winston Churchill.

Acho que nem preciso dizer que a interpretação de Gary Oldman como Churchill é incrível, simplesmente impecável e, com certeza, mais que merecedora de um Oscar (o ator já venceu o Globo de Ouro, Critics e o SAG por este papel). E particularmente, é tão difícil imaginar Gary Oldman como o primeiro ministro britânico!! Como todos sabem, sou mega fã de Harry Potter, e no caso, o ator interpretou o personagem Sirius Black na saga, além de ter feito outras franquias como Planeta dos Macacos e Batman (do Nolan – diretor de Dunkirk). No momento em que vi sua caracterização, é simplesmente impossível dizer que é ele!! E por isso, o filme merece todos os elogios com relação à maquiagem.

Além disso, o design de produção é impecável – fazendo um trabalho de recriação de época formidável. A produção também é ótima – iluminação e som bons, porém o ponto negativo é o roteiro, que não foi bem desenvolvido, o que deixou o filme bem cansativo.

Neste ano, “O Destino de uma Nação” concorre a seis Oscars – melhor filme, melhor ator (Gary Oldman), melhor fotografia, melhor figurino, melhor maquiagem e cabelo, e melhor design de produção. Na minha opinião, a vitória de Gary Oldman é praticamente certa – aqui vale uma curiosidade, personalidades inglesas sempre rendem Oscars – foi o caso de Meryl Streep (como Margareth Thatcher em “A Dama de Ferro”, Helen Mirren (como Elizabeth II em “A Rainha”) e Colin Firth (como rei George VI em “O Discurso do Rei”). Aposto também nas categorias de melhor maquiagem e cabelo e (talvez) design de produção.

Vale conferir outras resenhas de filmes que concorrem ao Oscar – “Corra!” (AQUI), “Lady Bird” (AQUI), “Eu, Tonya” (AQUI), “Trama Fantasma” (AQUI) e “The Post” (AQUI).

Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

#Filmes | The Post – A Guerra Secreta

Oi gente!
Hoje tem resenha de “The Post – A Guerra Secreta”, novo filme do diretor Steven Spielberg, com Meryl Streep e Tom Hanks e que concorre ao Oscar 2018.

A história gira em torno de Kat Graham (Meryl Streep), a dona do The Washington Post, um jornal local que está prestes a lançar suas ações na Bolsa de Valores de forma a se capitalizar e, consequentemente, ganhar fôlego financeiro. Ben Bradlee (Tom Hanks) é o editor-chefe do jornal, ávido por alguma grande notícia que possa fazer com que o jornal suba de patamar no sempre acirrado mercado jornalístico. Quando o New York Times inicia uma série de matérias denunciando que vários governos norte-americanos mentiram acerca da atuação do país na Guerra do Vietnã, com base em documentos sigilosos do Pentágono, o presidente Richard Nixon decide processar o jornal com base na Lei de Espionagem, de forma que nada mais seja divulgado. A proibição é concedida por um juiz, o que faz com que os documentos cheguem às mãos de Bradlee e sua equipe, que precisa agora convencer Kat e os demais responsáveis pelo The Post sobre a importância da publicação de forma a defender a liberdade de imprensa.

“The Post – A Guerra Secreta”, para mim, é o filme mais injustiçado deste ano. Eu simplesmente adorei – e ele concorre apenas em duas categorias do Oscar 2018: melhor filme e melhor atriz para Meryl Streep em sua 21ª indicação – sendo a atriz que mais concorreu na história da premiação, tendo levado a estatueta três vezes – por “Kramer vs Kramer” (1980 – como atriz coadjuvante), “A Escolha de Sofia” (1983) e “A Dama de Ferro” (2012). Acho que valia indicações nas categorias de melhor direção, melhor ator para Tom Hanks e até melhor roteiro.

Mas enfim, vou falar um pouquinho do filme, e para isso, preciso trazer alguns dados da história americana. “The Post” se passa no início da década de 70 quando os jornais The New York Times e o The Washington Post divulgaram os “Pentagon Papers” – Papéis do Pentágono – um amplo estudo mostrando como os governos Eisenhower, Kennedy, Johnson e Nixon haviam ludibriado a opinião pública para justificar o envolvimento cada vez mais acentuado dos EUA no Vietnã, que inclusive não teve “final feliz” para os americanos.

Os documentos incriminariam Robert McNamara, grande amigo de Kat Graham, e que foi Secretário de Defesa durante os governos Kennedy e Johnson. Inclusive, Kat tinha herdado o jornal do marido e, arriscou o futuro do seu Washington Post, ao decidir publicar os documentos proibidos. Depois disto o jornal passou a ter o mesmo patamar do New York Times. A revelação dos Pentagon Papers levou também, logo a seguir, ao caso Watergate, que levou à renúncia do presidente Richard Nixon.

Com relação ao filme – ele tem o mesmo estilo de “Spotlight: Segredos Revelados”, que venceu o Oscar em 2016, inclusive ambos têm o mesmo roteirista Josh Singer, em parceria com a estreante Liz Hannah. O roteiro é ótimo, discutindo diversos assuntos importantes como a liberdade de imprensa, o poder da verdade, o empoderamento feminino, o comercial em conflito com o editorial de uma redação, além dos bastidores da investigação jornalística – tudo isso sem ser cansativo.


Kat Graham e Ben Bradleey

A direção de Spielberg é sempre impecável. Ótima trilha sonora, fotografia e edição. Além de contar com a brilhante interpretação de Streep e Hanks tem também Sarah Paulson, Bob Odenkirk, Matthew Rhys no elenco. Acredito que não irá vencer nada no Oscar, mas adoraria se surpreendesse, que nem aconteceu com Spotlight.

#Filmes | Trama Fantasma

Oi gente!
Bora conferir mais um filme indicado ao Oscar 2018 – hoje vou falar de “Trama Fantasma”, nova produção do diretor Paul Thomas Anderson e com Daniel Day Lewis no elenco. Lembrando que já falei de “Dunkirk” (AQUI), “Corra!” (AQUI), “Lady Bird” (AQUI) e “Eu, Tonya” (AQUI).

A maioria dos críticos aprovaram “Trama Fantasma”, mas eu não curti. Ainda assim, têm algumas coisas a serem elogiadas. A história se passa na década de 1950 – Reynolds Woodcock (Day-Lewis) é um renomado e confiante estilista que trabalha ao lado da irmã, Cyril (Lesley Manville), para vestir grandes nomes da realeza e da elite britânica. Sua inspiração surge através das mulheres que, constantemente, entram e saem de sua vida. Mas tudo muda quando ele conhece a forte e inteligente Alma (Vicky Krieps), que vira sua musa e amante.

Na minha opinião a história não fluiu, não me prendeu e nem chamou atenção. Parece que falta algo que dê liga na narrativa. Já os personagens, apesar de não fazerem com que torçamos por eles, possuem uma ótima interpretação de seus atores. Woodcock é egocêntrico; Cyril tem sua vida totalmente voltada para o irmão; e Alma, que parece ser apenas uma jovem doce e ingênua, esconde uma personalidade quase psicopata.

Daniel Day Lewis – que anunciou sua aposentadoria após esse filme – está bem, em um personagem difícil. O ator é recordista no Oscar – já ganhou três estatuetas pelos filmes “Meu Pé Esquerdo”, “Sangue Negro” e “Lincoln” – e concorre mais uma vez na categoria.

Mas quem realmente se destaca é Vicky Krieps. Alma é uma personagem não linear, com várias nuances de humor e o principal motivo para vermos o filme até o final. No meio do longa, há um plot twist (virada) que nos prende atenção e desperta a curiosidade para saber o que acontecerá. Já Lesley Manville, que concorre como melhor atriz coadjuvante, recebendo sua primeira indicação – também tem certo destaque.

Vale elogiar a produção – o filme tem ótimos cenários, com ambientes luxuosos, iluminação impecável, planos sequenciais e diálogos longos, ótima fotografia e uma trilha sonora instrumental ambientando a década de 50. E o que não poderia faltar – o figurino também está incrível, afinal trata-se de um filme sobre o mundo da moda – as roupas tinham que ser caprichadas mesmo.

Mas mesmo com todos esses elogios, a história não me conquistou. Foi difícil assisti-lo inteiro – em vários momentos pensei em parar de ver. Uma pena, pois a parceria Paul Thomas Anderson e Daniel Day Lewis sempre rende algo bom, neh?!

No Oscar 2018, “Trama Fantasma” está indicada em seis categorias – melhor filme, direção (Paul Thomas Anderson), ator (Daniel Day Lewis), atriz coadjuvante (Lesley Manville), figurino e trilha sonora original. Pode até ter chance na categoria de figurino, mas concorre com outros filmes fortes como “O Destino de uma Nação”, “Victoria e Abdul” e até “A Bela e a Fera”. No Brasil, o longa entra em cartaz nos cinemas no dia 22 de fevereiro.

#Filmes | Eu, Tonya

Oi gente!
Hoje tem resenha de “Eu, Tonya”, filme do diretor australiano Craig Gillespie, que concorre em três categorias do Oscar 2018 – melhor atriz (Margot Robbie), melhor atriz coadjuvante (Allison Janney) e melhor montagem.

O filme conta a história da patinadora Tonya Harding – uma promessa do esporte estadunidense. De origem pobre, ela se destacou em uma modalidade elitista, que tem a “aparência” como um pilar:  a patinação artística no gelo. Apesar do inegável talento, ela viu seu nome envolvido em um crime. Às vésperas dos Jogos Olímpicos de Inverno de 1994, sua principal concorrente Nancy Kerrigan foi brutalmente atacada. Tonya, o ex-marido, Jeff Gillooly, e o segurança pessoal dela, Shawn, foram responsabilizados judicialmente pelo atentado. O longa retrata a vida da atleta desde a sua infância (quando é interpretada pela talentosa Mckenna Grace), mostrando o abandono do pai e os maus tratos e humilhações da mãe LaVona (Allison Janney) até o relacionamento abusivo com Jeff Gillooly (Sebastian Stan).

O grande destaque – pelo menos no início do filme – é a atriz Allison Janney. Ela está simplesmente espetacular e super cotada para levar o Oscar de Atriz Coadjuvante, inclusive já levou o Globo de Ouro, Critics e o SAG. A atriz Margot Robbie também nos entrega uma ótima interpretação de uma personagem que não era nada carismática e apresentava muitas nuances.

O roteiro é bem desenvolvido, com tiradas irônicas, um elenco carismático e uma trilha sonora animada pelo melhor dos anos 80 e 90. O diretor utiliza de momentos cômicos, que dão um alívio à história, além de inserir cenas em que os personagens estão em uma entrevista – trazendo mais humanidade. Em vários momentos, os atores viram para a câmera e começam a conversar com o espectador – outra sacada genial. Por outro lado, uma única coisa acaba afetando todo o filme – a péssima maquiagem – principalmente nas cenas em que Margot faz a fase jovem de Tonya.

Enfim, “Eu, Tonya” é uma biografia criativa e diferente da maioria; misturando suspense, investigação policial, drama e comédia, e investindo num dos assuntos que estão em alta – o empoderamento feminino. O mais interessante é que o filme não tenta provar se Tonya é culpada ou não, mas mostra que o público sempre está em busca de alguém para amar. Ou odiar.

#Filme / Moonlight – Sob a Luz do Luar

Está chegando a hora de conhecermos os vencedores do Oscar 2017 – amanhã ao vivo, a partir das 22h30 na TNT – e eu consegui finalizar a minha maratona dos filmes que concorrem neste ano. O último que assisti foi “Moonlight – Sob a Luz do Luar”, que estreou nos cinemas brasileiros no dia 23 de fevereiro. O longa foi indicado em oito categorias – Melhor Filme, Direção, Ator Coadjuvante (Mahershala Ali), Atriz Coadjuvante (Naomie Harris), Roteiro Adaptado, Trilha Sonora, Fotografia e Montagem – além de já ter ganho o Globo de Ouro na categoria Melhor Filme de Drama.

“Moonlight – Sob a Luz do Luar” é o típico filme feito na medida para o Oscar. Traz uma história emocionante de um garoto negro do subúrbio de Miami que ao longo da vida vai descobrindo a sua homossexualidade. Drama e sutileza estão lado a lado na história, que conta com personagens marcantes e interpretações excelentes.

Dirigido pelo cineasta norte americano Barry Jenkins, com roteiro baseado na peça “In Moonlight Black Boys Look Blue”, de Tarell McCraney, o filme acompanha a trajetória de Chiron através de três momentos na vida do personagem, uma na infância, outra na adolescência e a última no auge de sua vida adulta. Durante esses três recortes, o longa vai mostrando a relação do protagonista com sua mãe (Naomi Harris), as descobertas sexuais, a necessidade de uma figura paterna (Mahershala Ali), a relação com as gangues da região, o consumo de drogas e tudo que cerca um jovem negro e gay na periferia da costa sudeste dos EUA.

Dois grandes atores se destacam no filme – Mahershala Ali, que interpreta o traficante Juan no início do filme – super cotado para ganhar o Oscar de Melhor Ator Coadjuvante (na minha opinião Jeff Bridges, de “A Qualquer Custo” mereceria mais) e Naomi Harris, a mãe drogada de Chiron. Também merecem destaque os três atores estreantes que interpretaram o personagem principal – Alex R. Hibbert (infância), Ashton Sanders (adolescência) e Trevante Rhodes (fase adulta)

O filme é uma grande crítica social e se ganhar o Oscar vai ser “um tapa na cara” do atual governo americano, que traz uma posição homofóbica e racista. Além disso, outra característica adotada nos últimos anos da cerimônia é premiar produções mais baratas – “Moonlight” custou cerca de 5 mil dólares para ser produzido. Mas se ganhar, também é porque apresentou um roteiro e direção espetaculares, além de um elenco simples e maravilhoso. Com um tema complicado para se reproduzir nas telas norte-americanas, o diretor Barry Jenkins consegue mostrar de forma poética como Chiron enxerga o amor.

#Filme / Manchester a Beira Mar

Guardem essa frase – “Um dos melhores filmes produzidos neste ano”. Ela se aplica ao simplório “Manchester a Beira Mar”, que concorre a 6 Oscars – melhor filme, diretor (Kenneth Lonergan), ator (Casey Affleck), ator coadjuvante (Lucas Hedges), atriz coadjuvante (Michelle Williams) e roteiro original.

Um filme simplesmente lindo e um drama emocionante. Após a morte de seu irmão mais velho, Lee Chandler (Casey Affleck – irmão mais novo do Ben Affleck) fica chocado ao saber que é o guardião de seu sobrinho Patrick (Lucas Hedges). De férias de seu trabalho, Lee retorna, de forma relutante, à sua cidade natal Manchester para cuidar de Patrick, um espirituoso menino de 16 anos e ainda vê-se forçado a lidar com o passado que o separou de sua mulher Randi (Michelle Williams) e da comunidade onde ele nasceu e foi criado.

O diretor Kenneth Lonergan faz um trabalho memorável, conduzindo o drama sem ser piegas, sem sequências de choro e desespero – em raras ocasiões, foram feitas na medida certa. As cenas são muito sutis, com a utilização de longos silêncios para deixar o espectador ainda mais angustiado. Desde o início do longa sabemos que algo no passado de Lee o atormenta profundamente, o que faz com que nos solidarizamos com ele.

O ator Casey Affleck é uma discussão a parte – eu, particularmente, não gostei de sua interpretação – mas a crítica tem elogiado sua construção do personagem transtornado, sendo um dos favoritos a levar o Oscar de melhor ator. Inclusive, ele venceu quase todas as premiações, como Globo de Ouro e BAFTA, perdendo apenas no SAG Awards para Denzel Washington (“Um Limite entre Nós”).

Os outros destaques do filme são Lucas Hedges e Michelle Williams. A atriz aparece bem pouco – no máximo quatro cenas – mas em uma delas, onde perde perdão à Lee, esteve simplesmente maravilhosa, com a emoção à flor da pele, nos fazendo chorar. Já o garoto traz uma segurança nas principais cenas.

E aqui vai um spoiler – se não quer saber, vá para o próximo parágrafo – mas tem 99% de chances de você não gostar do final. Quando começou a aparecer os créditos eu pensei “ainda falta terminar o filme”. Foi bem chato.

Mas ainda assim, “Manchester a Beira Mar” é um filme sensível, que nos mostra o peso de se lidar com traumas – uma produção realista, com atuações impecáveis e uma direção genial.

#Filme / Até o Último Homem

Grande parte dos filmes que concorrem ao Oscar 2017 apostaram em histórias baseadas em fatos reais – “Até o Último Homem” é um deles. O longa conta a saga de um jovem que segue firmemente seus princípios e sua fé em um dos campos de batalha mais sangrentos na história do mundo.

A trama adapta a inacreditável história real de Desmond Doss (Andrew Garfield), um soldado na Segunda Guerra Mundial que se alistou no exército após se dar conta de todo o esforço e sacrifício que o país passava. Porém, dada sua devota crença no cristianismo, Doss se recusou a portar armas durante todo o conflito, acreditando que seu dever não deveria tirar vidas, mas sim salvá-las ao atuar como médico militar. Os eventos do filme centram-se na atuação das tropas americanas em Okinawa, e a tomada do desfiladeiro de Hacksaw, uma zona crucial para dominação do território japonês.

Após 10 anos, Mel Gibson está de volta como diretor em mais um filme de guerra. Conhecido pelo realismo e a violência extrema de seus trabalhos anteriores, as cenas de guerra aqui são bem produzidas, porém, em alguns momentos, um pouco exageradas. Destaque para a brilhante interpretação do jovem Andrew Garfield (ex-Homem Aranha), no papel principal do soldado Doss e também os atores coadjuvantes – Vince Vaughn (Sargento Howell), Sam Worthington (Capitão Glover), Luke Bracey (Smitty) e Teresa Palmer (Dorothy).

Como disse anteriormente, o filme é baseado em fatos reais, tanto que ao final nos deparamos com depoimentos das pessoas reais, retratadas na produção – dando um toque de realismo e emoção. Um filme caprichado na edição, com um roteiro que em alguns pontos deixa a desejar. Faltou aquela sutileza que Mel Gibson impôs no vencedor do Oscar – “Coração Valente” (1996), que inclusive lhe rendeu o prêmio de melhor diretor.

No Oscar deste ano, “Até o Último Homem” concorre em seis categorias – melhor filme, diretor (Mel Gibson), ator (Andrew Garfield), montagem, mixagem de som e edição de som.

#Filme / Estrelas além do Tempo

Chegou a vez de falarmos do filme “Estrelas além do Tempo”, que estreou nos cinemas brasileiros no dia 2 de fevereiro. O longa, baseado em fatos reais, foi dirigido pelo americano Theodore Melfi e estrelado pelas atrizes Taraji P. Henson (da série de TV “Empire”), Octavia Spencer (vencedora do Oscar de atriz coadjuvante por “Histórias Cruzadas”) e a cantora Janelle Monáe (estreando nas telonas – uma curiosidade: a atriz também pode ser vista no filme “Moonlight”, que também concorre ao Oscar.)

A história de “Estrelas além do Tempo” se passa em 1961. Em plena Guerra Fria, Estados Unidos e União Soviética disputam a supremacia na corrida espacial ao mesmo tempo em que a sociedade norte-americana lida com uma profunda cisão racial, entre brancos e negros. Tal situação é refletida também na NASA, onde um grupo de funcionárias negras é obrigada a trabalhar a parte. É lá que estão Katherine Johnson (Taraji P. Henson), Dorothy Vaughn (Octavia Spencer) e Mary Jackson (Janelle Monáe), grandes amigas que, além de provar sua competência dia após dia, precisam lidar com o preconceito arraigado para que consigam ascender na hierarquia da NASA.

Cada uma das três luta com um desafio diferente dentro da Agência, com Dorothy temendo que ela e suas colegas se tornem desnecessárias com a chegada das máquinas IBM e batendo de frente com a assistente Vivian Michael (Kirsten Dunst); Mary tentando sair do cargo de assistente e tornar-se uma engenheira plena; e Katherine sendo transferida para a divisão de pesquisa de voo, trabalhando revisando os cálculos do arrogante engenheiro-chefe Paul Stafford (Jim Parsons, de “The Bg Bang Theory”), sob o comando direto de Al Harrison (Kevin Costner).

O longa concorre em três categorias do Oscar – melhor filme, melhor roteiro adaptado e melhor atriz coadjuvante para Octavia Spencer – adoro ela, sempre muito segura em cena, mas neste filme as outras atrizes se destacaram mais a ponto de uma indicação. O filme cumpre bem o seu papel de narrar uma história de superação de três mulheres afrodescendentes, que quebram barreiras no auge da segregação racial dos Estados Unidos. A história tem a sutileza para emocionar, mas é um filme previsível.