Tag: John David Washington

#Filme | Malcolm & Marie

Oi gente!
A temporada de premiações do cinema está começando e agora surgem ótimos filmes! Hoje vou falar sobre “Malcolm & Marie”, escrito e dirigido por Sam Levinson, o criador de Euphoria. Ambientado em apenas uma noite, o filme acompanha as conversas e tensões crescentes de um casal formado por um cineasta em ascensão (John David Washington) e sua namorada atriz (Zendaya).

O drama retrata um casal em crise e se passa em apenas um ambiente, falando sobre traumas, erros e falta de comunicação. É um filme com o típico olhar intimista de , que já vimos em Euphoria, inclusive, repetindo a parceria com a talentosa Zendaya. O que mais impressiona, porém, é o fato de que tudo foi filmado durante a pandemia de Covid-19, com os atores e a produção em isolamento.

É um filme que lembra muito o cinema clássico – cenas em preto e branco, enquadramento, cenário único, utilização de planos sequências, além de um diálogo intenso, rebuscado e forte. Em vários momentos há referência ao cinema, fazendo um balanço interessante sobre a crítica, além de uma homenagem ao meio cinematográfico, ao citar grandes diretores e seus trabalhos.

Malcolm e Marie são personagens complexos e que se complementam. Os elogios vão para Zendaya que faz uma interpretação digna de indicações. A cena da banheira é maravilhosa e sua entrega faz toda diferença. A jovem atriz soube lidar com as nuances da personagem. Outro ponto forte é a trilha sonora, casando com os principais momentos do filme e dando o tom do que viria em cena.

O longa se propõe a analisar o egocentrismo em detrimento da relação amorosa, retratando o íntimo e a complexidade de um relacionamento. Infelizmente, acho que não terá força no Oscar, mas é uma ótima opção para assistir na Netflix.

E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 
Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

 

#Filme | Infiltrado na Klan

Oi gente!
Bora conferir mais um filme indicado ao Oscar 2019 – hoje vou falar de “Infiltrado na Klan”, do diretor americano Spike Lee. O longa concorre em seis categorias – melhor filme, melhor diretor, ator coadjuvante (Adam Driver), roteiro adaptado, trilha sonora e edição. Lembrando que já falei de “Nasce uma Estrela” (AQUI), “O Primeiro Homem” (AQUI), “Bohemian Rhapsody” (AQUI) e “A Esposa” (AQUI)

O filme conta a história real de Ron Stallworth (John David Washington), um policial negro do Colorado, que em 1978, conseguiu se infiltrar na Ku Klux Klan local. Ele se comunicava com os outros membros do grupo através de telefonemas e cartas. Quando precisava estar fisicamente presente enviava seu colega policial branco Flip (Adam Driver). Depois de meses de investigação, Ron se tornou o líder da seita, sendo responsável por sabotar uma série de linchamentos e outros crimes de ódio orquestrados pelos racistas.

O filme é inspirado na estética Blaxploitation, movimento cinematográfico da década de 1970 protagonizado por cineastas e atores negros, cujas produções, com uma forte temática racial, davam vazão à criatividade de artistas que não tinham o mesmo espaço na indústria cinematográfica tradicional, ocupada quase que exclusivamente por homens brancos. A fotografia, o estilo e o humor são referências diretas ao gênero, que ganha homenagens inclusive no cartaz da produção.

“Infiltrado na Klan” é um filme engraçado por boa parte do tempo, apesar de sempre tratar com seriedade sobre o tema central – o racismo (seja da comunidade negra e até mesmo de judeus).  O elenco é um destaque a parte – John David Washington tem um bom desempenho, assim como Adam Driver (talvez receba os melhores elogios), através de um personagem quase sem expressão, mas que ao mesmo tempo passa toda a verdade de uma luta. Ainda completam o casting Topher Grace (de “The 70’s Show”), Laura Harrier (de “Homem Aranha – de Volta ao Lar”), Ryan Eggold (de “New Amsterdan”) e Jasper Pääkkönen (de “Vikings”).

A direção de Spike Lee – indicado ao Oscar pela primeira vez – é digna de se elogiar também. Ele é ácido, preciso e capaz de criar uma mescla de suspense policial dramático, que te arranca risadas ao mesmo tempo que abala emocionalmente. A fotografia e trilha sonora inspirada nos anos 70 e 80 contribuem para o ótimo trabalho realizado.

“Infiltrado na Klan” é um bom filme, mas não é um dos melhores da lista. Provavelmente não terá grande expressão no Oscar, apesar de merecer mais reconhecimento. O final do longa é super bom, o que faz com que tenhamos a sensação de que é uma produção extremamente maravilhosa, mas não, apresenta alguns erros. O filme é um confronto furioso e engraçado de um tema que continua sendo muito atual.

E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 
Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange