Tag: Intrínseca

#Livro | Me Encontre

Autor: André Aciman
Editora: Intrínseca
Páginas: 272
Skoob
Onde Comprar: Americanas | Submarino | Amazon
Foto: Facebook Intrínseca

Oi gente!
Hoje tem dica de leitura para vocês! Se vocês gostaram de “Me Chame pelo seu Nome”, precisam ler “Me Encontre”. Elio, Oliver e Samuel estão de volta no aguardado romance inédito de André Aciman.

Samuel está a caminho de Roma para encontrar seu filho, Elio, agora um pianista renomado. O acaso, no entanto, se encarrega de adiar a reunião familiar e faz com que Samuel desembarque na cidade eterna acompanhado de um novo amor e cheio de planos para novas temporadas em sua casa de veraneio.

Elio logo se muda para Paris, onde vive mais um romance, enquanto Oliver, agora pai de família e professor na Nova Inglaterra, nos Estados Unidos, cogita enfim cruzar de novo o Atlântico. O que o move inesperadamente são os primeiros acordes de uma música que o transporta no tempo para dias de idílio na Itália.

Nesta retomada fascinante e tão aguardada da jornada de Elio e Oliver, André Aciman revisita seus personagens com a mesma delicadeza e pungência de Me Chame Pelo Seu Nome, trazendo-nos de volta ao relato do que há de mais perene em matéria de sentimento. Dos detalhes íntimos às nuances emocionais, Me Encontre nos mostra do que é feita a substância da paixão e nos pergunta se, de fato, um amor verdadeiro pode perecer.

O livro é dividido em quatro partes – a primeira é intitulada “Tempo”, se passa mais ou menos dez anos após o verão de Élio e Oliver e trás Samuel em uma viagem de Florença a Roma. No trem, ele conhece Miranda, uma mulher que lhe fascina pelo seu corpo e pela alma. Os dois passam a se envolver de uma forma intensa a medida em que a viagem para ver o filho se torna algo mais atípico.

Na segunda parte, intitulada “Cadenza”, finalmente temos Élio como protagonista. Aos 30 anos, Élio vive sozinho se dedicando a suas aulas e concertos, isso até conhecer Michel, um homem que desperta algo que ele não sentia há muito tempo atrás. Conforme o tempo passa, Élio é convidado para uma série de concertos nos Estados Unidos, país onde Oliver vive com sua família dando aulas. Élio decide então que irá se encontrar com sua antiga paixão. Já a terceira parte, “Capriccio”, nos trás Oliver em uma melancolia duradoura, professor de mestrado e doutorado, decide dar uma festa para seus alunos formandos. Já a parte final “Da Capo” é aquela em que todos esperávamos.

A narrativa de Aciman, assim como em outros livros seus, é envolvente. Confesso que tinha mais expectativas para esse livro, porém não foi o que esperava. Élio, e principalmente Oliver, foram tratados mais superficialmente, faltou aquela força que eles tinham em “Me Chame pelo Seu Nome”. Em compensação, gostei bastante do arco narrativo de Samuel. O livro consegue despertar várias reflexões durante a leitura. É uma história de como a vida simplesmente é. Encontros e desencontros.

Já tinham ouvido falar dessa sequência? Quem aí já está ansioso para ler? Quero saber tudo nos comentários!

E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 
Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

#Livro | Nada mais a Perder

Uma mulher está viajando de Cambridge para a London Street quando o trem faz uma longa parada dentro de um túnel – tempo suficiente para, na saída, em meio à claridade, ela ter um vislumbre de uma cena ao mesmo tempo deslocada e sublime: numa rua de pedras, em meio à paisagem urbana, uma menina está de braço erguido, com uma vara na mão, e sob seu comando um magnífico cavalo recua elegantemente, empinando sobre as patas traseiras. A mulher é Natasha, uma advogada cuja vida parece ter se estagnado em um nó impossível de desatar. A menina é Sarah, a neta prodígio de um ex-astro do hipismo que, de repente, se vê sozinha no mundo a não ser por seu cavalo. As duas não sabem, mas aquela impressionante visão é apenas o prenúncio de um encontro que mudará para sempre suas vidas.

Autora: Jojo Moyes
Editora: Intrínseca
Páginas: 400
Skoob 
Onde Comprar: Americanas | Submarino | Saraiva

Eu não sou fã dos romances da Jojo Moyes. O único que gostei foi “Como eu era antes de Você”, mas me indicaram esse livro – “Nada mais a Perder”, com a promessa de que eu iria gostar. Até gostei, mas tem alguns pontos negativos.

Na juventude, Henri Lachapelle foi um cavaleiro de raro talento, entre os poucos admitidos na academia de elite do hipismo francês, o Le Cadre Noir. Contudo, reviravoltas da vida o levaram da França a Londres, onde ele agora vive em um simples conjunto habitacional. Sem nunca abandonar o amor pela antiga carreira, aos trancos e barrancos Henri ensina a neta, Sarah, a montar o cavalo Boo, na esperança de que o talento da dupla seja o passaporte para uma vida melhor e mais digna para todos. Mas um grande golpe muda mais uma vez os planos de Henri Lachapelle, e Sarah se vê entregue à própria sorte, lutando para, além de sobreviver, cuidar de Boo e manter os treinamentos.

Do outro lado temos Natasha, uma advogada especializada em representar crianças e adolescentes envolvidos com crimes ou em situação de risco. Abalada emocionalmente e em dúvidas quanto a seu futuro profissional depois de um caso terrível, Natasha ainda tem de lidar com as feridas do fim de seu casamento. Um fim, diga-se de passagem, bem inusitado, já que ela se vê forçada a morar com o charmoso futuro ex-marido enquanto esperam a venda da casa da família. Quando Sarah cruza o caminho de Natasha, a advogada vê na menina a oportunidade de colocar a vida de volta nos trilhos e decide abrigar a adolescente sob o próprio teto. O que ela não sabe é que Sarah guarda um grande segredo que lhes trará sérias consequências.

 

O começo do livro não é muito bom. A autora descreve sentimentos e emoções dos personagens, principalmente de Natasha, sem antes conhecermos a história deles, o que faz com que não nos identifiquemos logo de início. Até por volta da página 100 eu ficava pensando porquê estou lendo esse livro? Passando da metade, quando a história de Natasha e Sarah se cruza, o livro fica bem interessante. A partir daí a leitura flui. É neste momento que vemos a melhor vertente dramática de Jojo Moyes.

Outro ponto positivo é a capa do livro, achei super linda, mantendo o padrão de todos os livros da Jojo com sombras dos personagens em destaque. Também destaco o desfecho do livro, claro que não vou dar spoilers, mas foi emocionante e, confesso que era exatamente o que eu queria que acontecesse. “Nada mais a perder” é um livro instigante, romântico, curioso, sem grandes expectativas.