Tag: editora arqueiro

Livro ▪ Ventos de Mudanças

Autora: Beverly Jenkins
Editora: Arqueiro
Páginas: 240
Skoob
Onde Comprar: Americanas | Submarino | Amazon

Oi gente!
Fiquei um tempo sumido aqui do blog, estou com algumas coisas acontecendo e precisei de um tempinho para poder me organizar! Mas minhas leituras não pararam, quem me acompanha no instagram pode ver tudo por lá! Hoje vou trazer para vocês, o que achei de “Ventos de Mudança”, da editora Arqueiro. O livro é o primeiro título da série Mulheres Pioneiras, escrita por Beverly Jenkins.

Acompanhamos a história de Valinda Lacy, uma professora preta, que se muda para Nova Orleans com um sonho: ensinar a comunidade de ex escravos a ler e escrever para que, assim, suas vidas possam melhorar de alguma forma, nos Estados Unidos pós-Guerra Civil. Deixando para trás o pai conservador e autoritário, além do noivo que, mesmo sendo seu melhor amigo, não a ama de verdade, Lucinda é atacada por bandidos supremacistas, que destroem a escola onde lecionava e todo o material dos alunos. Neste momento, o sedutor capitão Drake LeVeq a salva e ambos iniciam uma história de idas e vindas.

“Ventos de Mudança” é um romance de época que discute o empoderamento feminino e se destaca por trazer romances protagonizados por pessoas pretas, bem-sucedidas e engajadas na luta antirracista. A autora retratou muito bem o período do pós guerra, além de construir personagens fortes que lutam por seus ideais e não se deixam abalar pelas adversidades. Os personagens secundários também são bem estruturados e contribuem para o andamento da narrativa.

Confesso que a escrita um pouco lenta me decepcionou. O início do livro foi um pouco arrastado, o que melhorou ao longo dos capítulos, tendo uma história mais fluída quando os protagonistas começam a se relacionar. O ponto forte da história é como os personagens acreditam no poder transformador da educação, fiquei emocionado em alguns momentos.

Em resumo, Ventos de Mudança me proporcionou uma leitura gostosa, apesar das passagens lentas e do típico roteiro de romance de época, que até certo ponto beirou o clichê, mas ao final, se mostrou variado. Agora já quero ler a sequência: “Tempestade Selvagem”!

E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 
Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

Livro ▪ Os Segredos de Colin Bridgerton

Autora: Julia Quinn
Editora: Arqueiro
Páginas: 336
Skoob
Onde Comprar: Americanas | Submarino | Amazon

Oi gente!
E a minha saga pela leitura da série Bridgertons continua! Ainda em 2021 li “Os Segredos de Colin Bridgerton”, quarto livro escrito pela Julia Quinn, que retrata agora a história amorosa do irmão Colin. E preciso confessar que estava bem ansioso por essa leitura.

Há muitos anos Penelope Featherington frequenta a casa dos Bridgertons. E há muitos anos alimenta uma paixão secreta por Colin, irmão de sua melhor amiga e um dos solteiros mais encantadores e arredios de Londres. Quando ele retorna de uma de suas longas viagens ao exterior, Penelope descobre seu maior segredo por acaso e chega à conclusão de que tudo o que pensava sobre seu objeto de desejo talvez não seja verdade. Ele, por sua vez, também tem uma surpresa: Penelope se transformou, de uma jovem sem graça ignorada por toda a alta sociedade, numa mulher dona de um senso de humor afiado e de uma beleza incomum.

Ao deparar com tamanha mudança, Colin, que sempre a enxergara apenas como uma divertida companhia ocasional, começa a querer passar cada vez mais tempo a seu lado. Quando os dois trocam o primeiro beijo, ele não entende como nunca pôde ver o que sempre esteve bem à sua frente. No entanto, quando fica sabendo que ela guarda um segredo ainda maior que o seu, precisa decidir se Penélope é sua maior ameaça ou a promessa de um final feliz.

Bom, fazendo uma analise das leituras até então – “O Visconde que me Amava” e “Um Perfeito Cavalheiro” foram os meus preferidos e, como disse anteriormente, a expectativa para “Os Segredos de Colin Bridgerton” estava alta visto que Penélope é minha personagem preferida! E eu até gostei do livro, porém não foi tudo o que eu esperava.

Como as leituras anteriores, essa não foi diferente. A escrita de Julia Quinn me agrada muito e eu não conseguia largar o livro. Mas acho que por já saber o grande segredo da história, o clímax acabou não sendo tão interessante. Mas, ainda assim, acho incrível a revelação que acontece e todo o seu contexto! Não vou dar spoilers para quem ainda não leu ou não viu a série da Netflix!

O ponto central do livro é que Colin não sabe definir o que sente por Penélope, enquanto ela sabe que o ama, mas custa a aceitar que um dia ele será capaz de sentir o mesmo por ela. Muito interessante como a autora explora a autoestima e os preconceitos tão comuns à sociedade do século XIX.

No contexto geral, foi uma ótima leitura, a história é deliciosa, porém não assumiu a posição de favorito da série como achei que fosse ser, mas ainda assim me emocionou ao longo dos capítulos. E, para variar, já estou ansioso pelo próximo volume!

E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 
Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

Livro ▪ Um Perfeito Cavalheiro

Autora: Julia Quinn
Editora: Arqueiro
Páginas: 304
Skoob
Onde Comprar: Americanas | Submarino | Amazon

Oi gente!
Hoje é dia de Bridgerton! Li mais um livro da série escrita pela maravilhosa Julia Quinn – dessa vez foi o terceiro da saga – “Um Perfeito Cavalheiro”, que foca na história do segundo irmão: Benedict Bridgerton.

Aqui temos uma história que se inicia como uma releitura de CinderelaSophie é filha bastarda de um conde, que, apesar de nunca a ter assumido, lhe proporcionou educação, conforto e moradia, porém a jovem foi rebaixada ao papel de criada pela madrasta assim que o pai morreu. Uma noite, ela consegue entrar às escondidas no baile de máscaras de Lady Bridgerton. Lá, conhece o charmoso Benedict, filho da anfitriã, e no mesmo instante, uma faísca se acende entre eles. Infelizmente, o encantamento tem hora para acabar. À meia-noite, Sophie tem que sair correndo da festa e não revela sua identidade a Benedict. No dia seguinte, enquanto ele procura sua dama misteriosa por toda a cidade, Sophie é expulsa de casa pela madrasta e precisa deixar Londres.

O destino faz com que os dois só se reencontrem três anos depois, quando Benedict a salva das garras de um bêbado violento, mas, para decepção de Sophie, não a reconhece nos trajes de criada. No entanto, logo se apaixona por ela de novo. Como é inaceitável que um homem de sua posição se case com uma serviçal, ele lhe propõe que seja sua amante, o que para Sophie é inconcebível. Trabalhando na casa da família Bridgerton, Sophie conquista a todos e faz com que Benedict perceba que ela é a mulher de seus sonhos.

Como já falei nas minhas resenhas dos livros anteriores, “O Duque e Eu” foi uma leitura complicada, mas “O Visconde que me Amava” compensou tudo. E agora “Um Perfeito Cavalheiro” se iguala ao segundo volume no meu ranking de queridinhos até o momento. Julia Quinn sabe criar uma atmosfera que envolve o leitor a querer saber o que acontecerá e não largar mais o livro. Foi assim comigo, a leitura fluiu muito bem e a cada capítulo queria saber mais.

Os personagens principais são cativantes. A química entre Sophie e Benedict é o ponto forte da narrativa. Não tem como não torcer pela felicidade da protagonista após todo seu sofrimento com a madrasta. Além disso, a história continua despertando a curiosidade nos personagens em descobrir a identidade da misteriosa Lady Whistledown (que já sei por causa da série da Nerflix). A personagem traz todo o humor à leitura com seu periódico.  O romance envolve mentiras, segredos e reviravoltas – ingredientes perfeitos para uma narrativa ser cativante.

E já estou mega ansioso pelo próximo livro, que já comprei. A expectativa para “Os Segredos de Colin Bridgerton” está bem alta, principalmente por já saber que neste livro será a revelação de Lady Whistledown e também por focar em uma personagem que gosto bastante.

E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 
Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

Livro ▪ Clube do Livro dos Homens

Autora: Lyssa Kay Adams
Editora: Arqueiro
Páginas: 320
Skoob
Onde Comprar: Americanas | Submarino | Amazon

Oi gente!
Com certeza você já deve ter ouvido falar do novo hype do momento“O Clube do Livro dos Homens”, escrito por Lyssa Kay Adams e publicado no Brasil pela editora Arqueiro. E será que esse livro é tudo isso mesmo?

A história gira em torno de Gavin Scott, um astro do beisebol. No auge de sua carreira, ele descobre um segredo sobre sua a esposa Thea. Magoado, Gavin sai de casa e acaba piorando o relacionamento, que já vinha se deteriorando. Quando Thea pede o divórcio, ele percebe que o orgulho e o medo podem fazê-lo perder tudo. Desesperado, Gavin encontra ajuda onde menos espera: um clube secreto de romances, composto por alguns dos seus colegas de time. Para salvar seu casamento, eles recorrem à leitura de uma trama de época, “Cortejando a Condessa”. Dessa forma, Gavin passa a entender como funciona o desejo feminino e inicia seu plano para reconquistar a esposa.

Eu gostei da premissa do livro – o lado masculino é algo bem pouco explorado em romances, quase não estamos acostumados a ver. Porém, acho que o motivo da briga do casal foi bem bobo. É o típico exemplo de uma simples conversa resolveria toda a problemática do livro. Confesso que esperava um pouco mais no desenvolvimento do clube do livro em si. Achei que todo o grupo leria o livro e discutiriam sobre.

Mas, ainda assim, a escrita da autora conquista. Os personagens são ótimos e o casal principal possui química. Os capítulos mesclam momentos engraçados e conflitos de relacionamento. Os colegas de time de Gavin são o alívio cômico da história. E para quem gosta, há algumas cenas hot que sempre chamam atenção.

O hype é bem compreensível, trata-se de uma comédia romântica bem legalzinha. E “Clube do Livro dos Homens” é apenas o primeiro de uma série de 4 livros. Já esperando a editora Arqueiro trazer os próximos!

E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 
Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

#Livro | O Visconde que me Amava

Autora: Julia Quinn
Editora: Arqueiro
Páginas: 288
Skoob
Onde Comprar: Americanas | Submarino | Amazon

Oi gente!
Continuo minha saga em ler Julia Quinn! Já trouxe para vocês minha opinião sobre o primeiro livro da série Bridgerton: “O Duque e Eu” (AQUI) e hoje vou falar sobre “O Visconde que me Amava” – o segundo livro – que é focado na trajetória de Anthony Bridgerton.

Na trama, a temporada de bailes e festas de 1814 acaba de começar em Londres. Como de costume, as mães ambiciosas já estão ávidas por encontrar um marido adequado para suas filhas. Ao que tudo indica, o solteiro mais cobiçado do ano será Anthony Bridgerton, um visconde charmoso, elegante e muito rico que, contrariando as probabilidades, resolve dar um basta na rotina de libertino e arranjar uma noiva.

Logo ele decide que Edwina Sheffield, a debutante mais linda da estação, é a candidata ideal. Mas, para levá-la ao altar, primeiro terá que convencer Kate, a irmã mais velha da jovem, de que merece se casar com ela. Não será uma tarefa fácil, porque Kate não acredita que ex-libertinos possam se transformar em bons maridos e não deixará Edwina cair nas garras dele. Enquanto faz de tudo para afastá-lo da irmã, Kate descobre que o visconde devasso é também um homem honesto e gentil. Ao mesmo tempo, Anthony começa a sonhar com ela, apesar de achá-la a criatura mais intrometida e irritante que já pisou nos salões de Londres. Aos poucos, os dois percebem que essa centelha de desejo pode ser mais do que uma simples atração.

Na resenha do primeiro livro falei que não tinha curtido muito a narrativa, porém este segundo livro me conquistou desde o começo. Gostei do desenvolvimento envolvendo Anthony, Edwina e Kate. Aos 29 anos, Antony resolve que a vida de libertino deve ser deixada para trás e deve se casar com Edwina, porém sem se apaixonar por ela. É interessante essa visão com relação à experiência de seus pais, principalmente quando ele começa realmente a gostar de Kate. Na maior parte do livro eles passam trocando farpas e isso nos rende boas risadas.

Dessa vez, os protagonistas são bem desenvolvidos, possuem uma narrativa completa e possuem química. Kate é fantástica – ela tem personalidade que conquista o leitor. E quem continua roubando a cena é Lady Whistledown, a fofoqueira mais querida! Todas ações rodeiam suas publicações.

A leitura flui bem melhor. Uma experiência deliciosa e divertida. O romance é o ponto forte e conquista com o casal principal. Temos novamente participação de outros irmãos da Família Bridgerton, inclusive Daphne e Simon. Foi legal também descobrir o motivo de Anthony ter tanto medo de abelhas! E isso foi um grande motivo para que ele se aproximasse ainda mais de Kate. Confesso que fiquei aliviado com a leitura deste livro e pretendo continuar a saga! Em breve: “Um Perfeito Cavalheiro”.

E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 
Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

#Livro | O Retorno

Autor: Nicholas Sparks
Editora: Arqueiro
Páginas: 286
Skoob
Onde Comprar: Americanas | Submarino | Amazon

Oi gente!
Para quem me acompanha, já sabe que Nicholas Sparks é um dos meus autores favoritos. Seus romances costumam me agradar, apesar que os últimos não seguiram essa regra. A dica de hoje é “O Retorno”, lançado pela Editora Arqueiro.

A história gira em torno de Trevor Benson, que não estava planejando voltar para New Bern, uma cidadezinha na Carolina do Norte. Porém, após ouvir as últimas e enigmáticas palavras do avô no leito de morte, ele decide passar um tempo na velha casa que herdou. Decidido a cuidar das colmeias da propriedade, Trevor nem pensa em se apaixonar. Porém, assim que vê Natalie Masterson, sente uma atração impossível de ignorar. Ela parece corresponder, mas se mantém distante, como se escondesse algo.

Em New Bern, ele também conhece Callie, uma adolescente reservada que era amiga de seu avô. Trevor acha que pode conseguir respostas sobre as circunstâncias misteriosas da morte dele, mas ela oferece poucas pistas – até que uma reviravolta lhe dá uma nova perspectiva. Nessa jornada para desvendar segredos, Trevor vai descobrir o verdadeiro significado do amor e do perdão e aprender que, para seguirmos em frente, muitas vezes é preciso retornar para onde tudo começou.

Desde “No Seu Olhar”, passando principalmente por “Dois a Dois”, que tenho percebido uma certa evolução na narrativa de Nicholas Sparks. Estes livros tiveram um desenvolvimento mais lento, com uma história mais adulta. “O Retorno” segue um pouco essa base, mas sem perder a essência do romance. O livro aborda traumas psicológicos, conflitos e escolhas, mas demonstra perdão e acima de tudo, amor. Já estava me preparando para aqueles finais típicos do autor, mas dessa vez foi diferente. Deu aquela sensação de coração quentinho. Gostei bastante!

E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 
Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

#Livro | O Duque e Eu

Autora: Julia Quinn
Editora: Arqueiro
Páginas: 288
Skoob
Onde Comprar: Americanas | Submarino | Amazon

Oi gente!
Hoje vai ser dia de polêmica! Aqueles que me seguem no instagram (@blog_entrelinhas) viram que a série “Bridgerton”, produzida pela Netflix, foi um grande incentivo para finalmente começar a ler a saga escrita por Julia Quinn. Logo que a série foi lançada, já comprei os dois primeiros livros e iniciei “O Duque e Eu”. Lembrando que vou fazer algumas comparações com a série.

Simon Basset, o irresistível duque de Hastings, acaba de retornar a Londres depois de seis anos viajando pelo mundo. Rico, bonito e solteiro, ele é um prato cheio para as mães da alta sociedade, que só pensam em arrumar um bom partido para suas filhas. Simon, porém, tem o firme propósito de nunca se casar.

Daphne Bridgerton está em busca de um casamento, porém todos os homens que se interessam por ela são velhos demais, pouco inteligentes ou destituídos de qualquer tipo de charme. E os que têm potencial para ser bons maridos só a veem como uma boa amiga. A ideia de Simon é fingir que a corteja. Dessa forma, de uma tacada só, ele conseguirá afastar as jovens obcecadas por um marido e atrairá vários pretendentes para Daphne.

“O Duque e Eu” é o primeiro volume entre oito livros que narram as aventuras da grande e barulhenta Família Bridgerton. E vamos a polêmica: a leitura não foi o que eu esperava. A história é interessante, alguns personagens são muito bons, porém a autora peca no desenvolvimento. A Daphne do livro me incomodou um pouco, sorte que deixaram a personagem bem mais interessante na série. Apesar disso, o casal protagonista possui química. E os coadjuvantes também são legais – Lady Whistledown mesmo sem nem aparecer fisicamente, consegue ter uma grande influência na trama e aguçar a curiosidade do leitor.

Comparando com a série, preciso dizer que gostei muito mais da adaptação da Netflix do que do livro. Obviamente, algumas histórias dos demais irmãos foram antecipadas, e até aumentadas. Personagens tiveram mudanças significativas, como é o caso da Daphne – que já citei acima, ela se tornou mais humana, engraçada e talvez até mais romantizada. Outro exemplo é o de Anthony, que na série é mais embuste. A revelação de Lady Whistledown no último episódio também pegou vários de surpresa. E a polêmica cena entre Daphne e Simon foi amenizada e modificada. Esse foi outro momento bem complicado do livro. Enfim, posso fazer um post mais detalhado sobre isso, se vocês quiserem. Independente das opiniões sobre o primeiro livro, já comecei “O Visconde que me Amava” e confesso que a leitura tem sido bem melhor e me surpreendendo positivamente.

Já leram a saga Bridgerton? Gostaram de O Duque e Eu? O que acham da série da Netflix?

E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 
Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

#Livros | A Luz que Perdemos

Autora: Jill Santopolo
Editora: Arqueiro
Páginas: 272
Skoob
Onde Comprar: Americanas Submarino | Saraiva Fnac
Foto: Facebook Arqueiro

Oi gente!
Estive um pouquinho sumido aqui do blog  foram duas semanas sem post porque as coisas estavam bem corridas, mas chegou a hora de reparar isso!!  Hoje vou trazer uma dica de livro, que eu simplesmente amei!! 

“A Luz que Perdemos”, romance de estreia da autora Jill Santopolo, publicado pela Editora Arqueiro, conta a história de Lucy e Gabe, que se conhecem na faculdade na manhã de 11 de setembro de 2001, quando os dois aviões colidiram com as Torres Gêmeas. Ao ver as chamas arderem em Nova York, eles decidem que querem fazer algo importante com suas vidas, algo que promova uma diferença no mundo.

O casal começa a construir uma relação, quando Gabe decide reatar com a ex-namorada. Após alguns anos, a vida dos dois se cruza novamente – agora com eles solteiros. Lucy e Gabe decidem reatar o namoro e vão morar juntos, até que uma nova notícia abala completamente o futuro. Gabe recebe um convite para trabalhar no Oriente Médio como fotógrafo – um sonho antigo – e que resolve aceitar, porém Lucy, que já é uma premiada produtora de TV, não pode largar toda sua vida e seguir com o amado.

Um ano depois de Gabe ir embora, finalmente Lucy começa a se abrir para conhecer novas pessoas, mesmo que ainda com receio, e apaixonada pelo ex. Ela acaba conhecendo o simpático Darren, com quem se casa e constrói uma família. Ao longo de treze anos Gabe viaja o mundo enquanto Lucy tenta seguir sua vida, mesmo sabendo que jamais amará alguém como amou Gabe. A vida dos dois se cruzará mais uma vez, culminando em fortes emoções ao final da história.

“A Luz que Perdemos” é um livro maravilhoso. Narrado em primeira pessoa, de uma forma bem intimista, através das lembranças de Lucy, que vai contando toda a história como se fosse um diário endereçado à Gabe, o grande amor de sua vida. A narrativa flui muito bem – eu praticamente devorei o livro, li em poucos dias – e o desenrolar da história também é muito impressionante.

É praticamente uma novela, cheia de idas e vindas amorosas, com pitadas de drama e muita, mas muita emoção! Um romance ousado e surpreendente, entrando na lista dos livros que li neste ano e mais gostei!

#Livros | A Mulher na Janela

Autor: A.J.Finn
Editora: Arqueiro
Páginas: 352
Skoob
Onde Comprar: Americanas | Submarino | Saraiva | Fnac
Foto: Facebook Arqueiro

Oi gente!
Hoje trago dica de leitura com “A Mulher na Janela”, livro de estreia do americano A. J. Finn, publicado pela editora Arqueiro. Para aqueles que curtem thrillers psicológicos e histórias de suspense, esta é uma ótima dica.

Anna Fox mora sozinha na bela casa que um dia abrigou sua família feliz. Separada do marido e da filha e sofrendo de uma fobia que a mantém reclusa, ela passa os dias bebendo (muito) vinho, assistindo a filmes antigos, conversando com estranhos na internet e espionando os vizinhos. Quando os Russells – pai, mãe e o filho adolescente – se mudam para a casa do outro lado do parque, Anna fica obcecada por aquela família perfeita, até que conhece Ethan, o filho adolescente. Depois conhece Jane, a matriarca. Tanto Ethan como Jane dão a entender que Alistar, o patriarca da família, talvez seja um homem violento, então o lado psicóloga de Anna fica em alerta. Até que certa noite, bisbilhotando através de sua câmera, ela vê na casa deles algo que a deixa aterrorizada e faz seu mundo – e seus segredos chocantes – começar a ruir. Mas será que o que testemunhou aconteceu mesmo? O que é realidade? O que é imaginação? Existe realmente alguém em perigo?

A história pode parecer um pouco clichê, lembrando outros livros de sucesso como “A garota no Trem” e “Antes de Dormir”, mas o desenvolvimento dessa trama é ótimo, tendo todos os detalhes extremamente bem construídos. Para mim, a leitura foi viciante. Narrado em primeira pessoa – pela protagonista Anna – o livro nos leva a imaginar situações e a desvendar um mistério – que para mim acabou sendo surpreendente. Os demais personagens dão suporte à trama, sempre com atitudes que nos fazem desconfiar a cada capítulo. No final, ninguém é o que parece. A boa escrita aliada a uma narrativa ágil deixou a história cativante. Os capítulos são divididos por data – tudo se passa entre os dias 24 de outubro e 15 de novembro – o que nos ajuda a situar no tempo descritivo. Outra coisa que adorei foram as referências ao cinema, principalmente aos filmes de Alfred Hitchcock. Os capítulos são recheados dessas referências e citações a diálogos de algumas das principais obras de uma época áurea da sétima arte. Fiquei até com vontade de rever “Um Corpo que Cai” (assistido em diversos momentos pela protagonista).

Aos que apreciam tramas instigantes, “A Mulher na Janela” é uma excelente leitura. Foi sem dúvida um dos melhores livros que li até o momento. E o melhor, a história será adaptada para os cinemas e o autor esteve no Brasil para a Bienal de São Paulo. E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 

Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

#Livros | Meus Dias com Você

Numa fatídica manhã, Ed e Zoe têm uma discussão terrível, algo recorrente no seu casamento em crise, e ela acaba se despedindo de forma brusca quando ele sai para o trabalho. Pouco tempo depois, um ônibus acerta a bicicleta de Ed, matando-o e deixando Zoe arrasada por não ter lhe dito quanto o amava. Se tivessem ficado mais um pouco juntos aquela manhã, ele ainda estaria vivo? Será que poderiam ter reconstruído o amor que os unira? Após dois meses, Zoe ainda não conseguiu se conformar. De luto, decide cuidar do jardim do marido, quando acaba caindo e desmaiando. Então, algo estranho acontece: ao acordar, ela está em 1993, no dia em que conheceu Ed na faculdade. A partir desse instante, Zoe passa a reviver momentos cruciais de sua vida e percebe que talvez tenha conseguido uma segunda chance.

Autora: Clare Swatman
Editora: Arqueiro
Páginas: 288
Skoob
Onde Comprar: Americanas | Submarino | Saraiva Fnac

“Meus Dias com Você” é o livro de estreia da inglesa Clare Swatman e publicado no Brasil pela Editora Arqueiro. Trata-se de uma história bem interessante sobre perda, superação e recomeço, além de trazer uma linda mensagem sobre viver o hoje e aproveitar cada momento possível.

Na trama, Zoe está em luto pela morte do marido, e um dia ela cai em seu jardim, bate a cabeça e misteriosamente acorda numa manhã de 1993, quando conheceu Ed. Ao começar a reviver uma série de dias aleatórios compartilhados entre eles, ela se pergunta se ganhou uma nova chance de evitar sua morte, se está em coma ou se simplesmente está tendo a oportunidade de passar um pouco mais de tempo ao lado do homem da sua vida.

O que eu quero contar a ela é o seguinte: que Ed morreu e, por alguma razão bizarra e inexplicável, estou revivendo minha vida e tentando desesperadamente fazer as coisas de forma diferente para que ele não morra; que eu nunca vou me perdoar por nosso casamento ter se esvaziado; (…) que fico enjoada só de pensar que, mesmo depois de tudo isso, eu talvez ainda não seja capaz de evitar a morte de Ed” (página 196)

Confesso que demorei um pouco para engrenar na leitura, mas o desenvolvimento fica melhor ao longo dos capítulos. A história é bem leve e romântica, com várias situações divertidas e fofas. Outro aspecto positivo é o casal principal. Apesar de sabermos que Ed morreu, torcemos até o último parágrafo para que isso não tenha acontecido, para que eles tenham o seu final feliz. Zoe e Ed possuem muita química, tanto que eu vibrei em vários momentos do livro. Já um ponto negativo que eu notei é que existem algumas coisas que não tem muita lógica. A protagonista revive diversos momentos (que ela já viveu) e ainda assim se surpreende ou não sabe o que vai acontecer, já em outros momentos ela sabe – fica um pouco confuso.

Mas no geral, é um livro bacana, com uma narrativa agradável, com uma reflexão importante sobre vivermos os momentos especiais da melhor forma possível, tem também uma diagramação boa e a capa é super linda (eu comprei mais pela capa do que pela história haha). Super indico.