Tag: blog

#TAG – Os 13 por quês de um blog (Jovem Jornalista)

Oi gente!
O post de hoje é uma parceria com o blog Jovem Jornalista. O Emerson me convidou para participar da TAG “os 13 por quês de um blog” – vou falar para vocês os 13 motivos para visitarem e acompanharem o Jovem Jornalista. E aproveitando, já quero agradecer o convite – fiquei super feliz!! Agora bora lá:

01 – Assuntos Diversificados:

O blog Jovem Jornalista sempre traz em seus posts diversos assuntos – não é um blog que se prende – curto muito isso porque fico informado de várias coisas.

02 – Playlists

Toda semana tem o quadro com a playlist e eu fico ouvindo direto. O mais recente foi com trilhas de cinema – vocês sabem que eu amo cinema – então fiquei horas e horas viciado, ouvindo as músicas listadas.

03 – Quadros e TAGs super divertidos

O Jovem Jornalista é um blog super criativo, sempre tem quadros e TAGs legais e únicos, que eu adoro acompanhar.

04 – Séries

Quem me acompanha sabe que eu sou viciado em séries – acompanho várias! E o blog sempre traz dicas novas das séries que estão fazendo sucesso, dessa forma, uso o blog como referência também. E o mais legal – quase sempre gostamos e indicamos as mesmas séries!

05 – Informações atualizadas

Os posts do blog costumam trazer informações atualizadas, assuntos do momento e não há medo em se falar de assuntos polêmicos.

06 – Escrita

Os posts possuem uma ótima escrita, sempre coerente e de um jeito que nos cativa e faz querer ler cada vez mais.

07 – Ilustrações

Além da escrita, os posts do blog sempre trazem ilustrações e fotos – o que atrai ainda mais o leitor e deixa o site visualmente mais bonito.

08 – Layout

Uma coisa que eu reparo em todos os sites e blogs que vejo é o layout. Precisa ter uma cara bonita – e isso o Jovem Jornalista tem! Adoro o tom de azul utilizado.

09 – Organização

O Jovem Jornalista é um blog bem organizado. Possui uma barra lateral com informações e com os posts listados para podermos achar assuntos antigos que queremos ler.

10 – Presente em todas as redes sociais

Se você quiser, pode acompanhar o Jovem Jornalista no facebook, instagram, twitter e youtube.

11 – Posts Diários

Gente, esse tópico é um dos que eu mais admiro. Sempre tento postar pelo menos dois a três posts por semana – e com a correria do dia a dia – vejo como é difícil. E o pessoal do Jovem Jornalista consegue fazer posts diários, sempre inovando e trazendo informações novas.

12 – Carinho com o Leitor

A equipe tem um carinho enorme pelo leitor que acompanha diariamente o canal. Gosto de acompanhar os comentários e as respostas dadas.

13 – Parcerias / espaço para blogueiros

Este post é a prova disso! Ótima ideia em convidar a cada mês um blogueiro e listar os motivos para acompanhar seu blog. E mais uma vez, agradeço imensamente o convite feito pelo Emerson! Adorei participar dessa TAG!

E você quer saber o que o Emerson do Jovem Jornalista falou do Entrelinhas? Então bora conferir lá no blog dele! (link aqui) E aproveitem para confirmar todos os itens que eu listei!

Ahhh quer participar também? Entrem em contato com o Jovem Jornalista. Tenho certeza que será uma parceria de sucesso.

E não se esqueça de me seguir nas redes sociais 

Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

#Filme / La La Land – Cantando Estações

O filme do momento com certeza é “La La Land – Cantando Estações”, dirigido por Damien Chazelle (Whiplash – Em Busca da Perfeição) e protagonizado por Ryan Gosling (Diário de uma Paixão) e Emma Stone (O Espetacular Homem Aranha).

O filme é simplesmente MARAVILHOSO! Por isso, concorre em 14 categorias do Oscar 2017, entre elas – Melhor Filme, Melhor Ator, Melhor Atriz, Melhor Diretor, Melhor Trilha Sonora, entre outras. Acredito que o musical não vá ganhar na principal categoria da noite – a de melhor filme, mas deve levar várias estatuetas.

Destacando uma curiosidade, os musicais como “La La Land – Cantando Estações” não têm muita oportunidade no Oscar. O último a concorrer foi “Os Miseráveis”, em 2013. Já o último a ganhar foi “Chicago”, em 2002. Porém, o gênero teve grande destaque nos anos 50 e 60. Em 1952 e 1959, “Sinfonia de Paris”, com o astro Gene Kelly, e “Gigi” foram premiados. O período de glória começou em 1962 com “Amor, Sublime Amor”, o musical mais premiado da história (dez prêmios Oscar); dois anos seguidos – 1965 e 1966 – com “Minha Bela Dama” e “A Noviça Rebelde” e, por fim, em 1969, com “Oliver!”.

Mas voltando ao filme, ao chegar em Los Angeles o pianista de jazz Sebastian (Ryan Gosling) conhece a atriz iniciante Mia (Emma Stone) e os dois se apaixonam perdidamente. Em busca de oportunidades para suas carreiras na competitiva cidade, os jovens tentam fazer o relacionamento amoroso dar certo enquanto perseguem fama e sucesso.

Ryan Gosling e Emma Stone estão incríveis juntos! O casal possui muita química – não é para menos, já atuaram juntos em outros dois filmes – “Caça aos Gângsteres” e “Amor a Toda Prova”. Emma está super linda, atua e canta maravilhosamente bem. E confesso que não gostei muito do Ryan Gosling cantando.

“La La Land – Cantando Estaçoes” me deixou com uma pequena confusão quanto ao tempo da história. Eu jurava que o filme se passava nos anos 60 devido às roupas, estilo, fotografia e efeitos das imagens, mas a narrativa ocorre nos dias atuais, percebemos isso devido aos carros e celulares modernos.

Não poderia deixar de falar da trilha sonora – FANTÁSTICA! Fica até difícil falar qual é a melhor! Super indico esse filme. É fascinante, poético, lindo, apaixonante, muito bem produzido, e me fez lembrar dos musicais antigos como “Cantando na Chuva”. Simplesmente, AMEI.

#Filme / Passageiros

Um dos filmes que eu estava mega ansioso para assistir era “Passageiros”, com Jennifer Lawrence e Chris Pratt. A trama é bem interessante: mais de 5.000 pessoas estão em estado vegetativo dentro de uma nave espacial que os transporta da Terra para um novo planeta, em uma viagem de aproximadamente 120 anos. Quando uma tempestade de meteoros causa um pane na nave, o mecânico Jim (Pratt) acaba acordando 90 anos antes do esperado, sem a possibilidade de voltar a dormir ou retornar à Terra. Desesperado e sozinho, a trama vai se desenvolvendo quando a passageira Aurora (Lawrence) também desperta, e os dois precisam descobrir o que está acontecendo ali.

Jennifer Lawrence (Jogos Vorazes) e Chris Pratt (Jurassic World) estão em uma sintonia muito bacana, o casal tem química no filme e nos faz torcer por eles. Porém, a história perde muito com o clímax. Desde o início do longa, o espectador sabe que tem um problema e sabe qual é este problema, o que nos faz perder aquela sensação de surpresa. Mas é um filme muito bem produzido, as cenas no espaço são de tirar o fôlego, muito bem feitas. Vale a pena assistir!!

Eaí, já assistiram Passageiros? Gostaram? Ainda não assistiram, querem ver? Me contem nos comentários!!

#Livros que vão virar filmes em 2017

O post de hoje reúne duas coisas que a gente ama: livros e filmes!! Em breve, veremos muitos livros sendo adaptados nas telonas. Separei quatro dicas para dividir com vocês e também pesquisei as datas de estreia para já reservarmos na nossa agenda.

 

1 – Quatro Vidas de um Cachorro

Autor: W. Bruce Cameron
Editora: HarperCollins Brasil
Estreia no cinema: 26 de janeiro
Elenco: Dennis Quaid, Britt Robertson

Esta é a inesquecível história de um cão que – após renascer várias vezes – imagina que haja uma razão para seu retorno, um propósito a cumprir, e que, enquanto não o alcançar, continuará renascendo. Narrado pelo próprio animal, Quatro vidas de um cachorro aborda a questão mais básica da vida: Por que estamos aqui? Emocionante e com boas doses de humor, Quatro vidas de um cachorro é um livro para todas as idades, que mostra o olhar de um cão sobre o relacionamento entre as pessoas e os laços eternos entre os seres humanos e seus animais.

2 – Cinquenta Tons mais Escuros

Autor: E. L. James
Editora: Intrínseca
Estreia no cinema: 09 de fevereiro
Elenco: Jamie Dornan e Dakota Johnson

Segundo volume da trilogia “Cinquenta Tons de Cinza”, o livro narra a luta de Ana e Christian para superar as diferenças e os problemas do passado para, enfim, ficarem juntos. Assustada com os segredos obscuros do belo e atormentado Christian Grey, Ana Steele põe um ponto final em seu relacionamento com o jovem empresário e decide se concentrar em sua carreira: ela acaba de conseguir um emprego em uma editora de livros de Seattle. Mas o desejo por Grey domina cada pensamento de Ana e, quando ele propõe um novo acordo, ela não consegue resistir. Em pouco tempo, ela descobre mais sobre o angustiante passado de seu amargurado e dominador parceiro do que jamais imaginou ser possível.

3 – A Cabana

Autor: William P. Young
Editora: Sextante
Estreia no cinema: 06 de abril
Elenco: Sam Worthington, Octávia Spencer

Finalmente, o livro A Cabana vai ganhar sua adaptação no cinema. Contando a história de Mackenzie Allen Philip, cuja vida virou de cabeça para baixo quando sua filha mais nova foi raptada, e sinais de que a criança tenha sido brutalmente assassinada surgem em uma cabana nas montanhas. Anos depois, um chamado misterioso surge para Mack e ele se vê voltando para a tal cabana para um fim de semana. É aí que sua vida muda completamente, mais uma vez, graças a suas crenças e religiões.

4 – Extraordinário

Autor: R.J. Palacio
Editora: Intrínseca
Estreia no cinema: 11 de maio
Elenco: Julia Roberts, Jacob Tremblay, Owen Wilson

August Pullman, o Auggie, nasceu com uma síndrome genética cuja sequela é uma severa deformidade facial, que lhe impôs diversas cirurgias e complicações médicas. Por isso, ele nunca havia frequentado uma escola de verdade… até agora. Todo mundo sabe que é difícil ser um aluno novo, mais ainda quando se tem um rosto tão diferente. Prestes a começar o quinto ano em um colégio particular de Nova York, Auggie tem uma missão nada fácil pela frente: convencer os colegas de que, apesar da aparência um, ele é um menino igual a todos os outros.

Eu estou #ansioso para ver todos!! E vocês?? Deixe seu comentário dizendo qual destes filmes vocês querem assistir? E se já leram os livros?

#Resenha / Eu estive Aqui


Quando sua melhor amiga, Meg, toma um frasco de veneno sozinha num quarto de motel, Cody fica chocada e arrasada. Ela e Meg compartilhavam tudo… Como podia não ter previsto aquilo, como não percebera nenhum sinal? A pedido dos pais de Meg, Cody viaja a Tacoma, onde a amiga fazia faculdade, para reunir seus pertences. Lá, acaba descobrindo muitas coisas que Meg não havia lhe contado. Conhece seus colegas de quarto, o tipo de pessoa com quem Cody nunca teria esbarrado em sua cidadezinha no fim do mundo. E conhece Ben McCallister, o guitarrista zombeteiro que se envolveu com Meg e tem os próprios segredos. Porém, sua maior descoberta ocorre quando recebe dos pais de Meg o notebook da melhor amiga. Vasculhando o computador, Cody dá de cara com um arquivo criptografado, impossível de abrir. Até que um colega nerd consegue desbloqueá-lo… e de repente tudo o que ela pensou que sabia sobre a morte de Meg é posto em dúvida.

Autora: Gayle Forman
Editora: Arqueiro
Páginas: 240
Skoob | Onde Comprar: Americanas | Submarino | Saraiva

Confesso que ler os livros da Gayle Forman sempre é uma incógnita para mim. O primeiro que li foi “Se Eu Ficar” (If I Stay, 2009), logo após o lançamento do filme. Fiquei dias naquela vibe “pensando onde a vida está me levando”. Depois amei “Apenas Um Dia” e “Apenas Um Ano” (Just One Day/Just One Year, 2013 e 2014). Agora li “Eu Estive Aqui” (I Was Here, 20015) e achei que a mescla de tragédia e romance não teve muita química.

O livro começa com a apresentação da nossa heroína – Cody, uma garota de 19 anos, com um histórico familiar bem delicado – nunca conheceu o pai e sua mãe não é o melhor exemplo de conduta. Com isso, ela tem uma base familiar nos Garcias, tendo Meg Garcia como uma irmã. Porém, Meg se suicidou, após tomar um frasco de veneno em um quarto de motel.

“Sinto informar que precisei dar fim à minha própria vida. Estou adiando esta decisão há muito tempo, e ela é minha e de mais ninguém. Sei que isso lhe causará sofrimento, e lamento que seja assim, mas saiba que eu precisava acabar com a minha dor. Não tem nada a ver com você, mas tudo a ver comigo. Não é culpa sua. Meg”

Cody acha improvável que sua amiga tenha se matado, pois nunca deu sinais de que sua vida estava ruim ou ela estava sofrendo com alguma coisa. A pedido dos pais de Meg, Cody viaja a Tacoma, onde a amiga fazia faculdade, para reunir seus pertences. Lá, acaba descobrindo muitas coisas que Meg não havia lhe contado. Conhece seus colegas de quarto, o tipo de pessoa com quem Cody nunca teria esbarrado em sua cidadezinha no fim do mundo. E conhece Ben McCallister, o guitarrista zombeteiro que se envolveu com Meg e tem os próprios segredos.

Após vasculhar o notebook de Meg, Cody descobre alguns arquivos misteriosos, que indicam que ela acompanhava um fórum para pessoas suicidas. Neste fórum, um perfil chamado All_BS pode ser o responsável pela morte de Meg. Começa aí uma caçada para descobrir quem ele é e como fazer com ele seja punido por seus crimes.

A história tinha uma premissa interessante, mas o desenvolvimento não acontece. A protagonista Cody é a melhor personagem do livro, com medos, angústias e sentimentos que a tornam real e facilita a identificação do leitor. Já Ben McCallister é apresentado como um garoto durão, roqueiro e inconsequente até o meio da história, quando sua personalidade muda completamente e ele se torna bobo, romântico e sentimental.

Volto a dizer que Cody salva toda a história. Gayle Forman trabalha em primeiro plano o drama de Cody – seus dilemas e aflições adolescentes – e em segundo plano traz um alerta para o perigo da internet e a influência das doenças psicológicas. Isso é fantástico!

Ao final, gostei de ler a “Nota da Autora”, onde descobrimos que a história do livro é baseada em fatos reais – Gayle Forman construiu a história após escrever um artigo sobre Suzy Gonzales, uma jovem garota que cometeu suicídio. Após um período de depressão, ela buscou auxílio em fóruns da internet e a única ajuda que obteve foi o encorajamento para tirar a própria vida. A história é forte e merecia ter sido mais bem desenvolvida.