Tag: Amazon Prime Video

#Série | The Wilds

Oi gente!
Um grupo de passageiros sofre um acidente aéreo e cai numa ilha misteriosa e deserta. De repente, eles precisam criar uma convivência do zero ao mesmo tempo que estudam possibilidades de serem resgatados dali. Muito provavelmente você já ouviu essa história por aí e não estou falando de “Lost”! Mas sim, de “The Wilds”, série da Amazon Prime Video.

A trama acompanha um grupo de nove garotas cujo avião, que partia em direção a uma colônia de férias/spa somente para meninas, caiu numa ilha no meio do nada. Com origens diferentes, elas precisam lutar para sobreviver nesse lugar inóspito, sem desconfiar que, na verdade, estão fazendo parte de um experimento social bastante elaborado. Enquanto aprendem a conviver umas com as outras, seus segredos e seus traumas vêm à tona.

A série se preocupa em contextualizar o drama de cada uma das jovens que estão na ilha – Leah (Sarah Pidgeon) se recupera de uma relação amorosa mal resolvida com uma pessoa mais velha; Fatin (Sophia Taaylor Ali) é mais saidinha e sofreu com o controle dos pais; Martha (Jenna Clause) passou por um momento traumático e conta com a ajuda da melhor amiga Toni (Erana James); Dot (Shannon Berry) precisou amadurecer para cuidar do pai com uma doença em estágio terminal; Shelby (Mia Healey) é quase uma patricinha em se tratando de imagem, mas teve uma forte influência religiosa da família. Por fim, Rachel (Reign Edwards) é uma atleta, praticante dos saltos ornamentais, porém foi cortada do time por problemas pessoais e possui uma difícil convivência com a irmã Nora (Helena Howard).

A produtora e showrunner Sarah Streicher abusa de flashbacks para mostrar todas as histórias do passado e também utiliza várias técnicas que passam uma sensação de drama e suspense à série. Algumas histórias são interessantes e é bacana ver a relação que cada uma vai desenvolvendo nos longos 10 episódios. Acredito que dava para ter sintetizado tudo em até 8 episódios, tivemos uma enrolação desnecessária que cansa quem está acompanhando.

“The Wild” busca entender e explicar o comportamento humano, a partir de uma série de situações complicadas. Temos algumas boas atuações e cenas interessantes. Inclusive, a 2ª temporada já está confirmada.

E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 
Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

#Filme | Chemical Hearts (A Química que há entre Nós)

Oi gente!
O streaming Amazon Prime Vídeo lançou o drama “Chemical Hearts”, baseado no livro “A Química que há entre Nós”, da autora Krystal Sutherland. No elenco temos Lili Reinhart (Riverdale) e Austin Abrams (Euphoria). Mais um chiquê teen, porém este me decepcionou um pouco. Detalhe: neste post não vou comentar o livro, visto que ainda não li; falarei apenas da experiência na TV.

Dirigido por Richard Tanne, o filme conta a história de Henry (Austin Abrams) e Grace (Lili Reinhart), dois jovens que, em seu último ano de ensino médio, se tornam co-editores do jornal da escola. Ele tem uma vida normal, com uma família estável e bons amigos, e sonha em ser escritor. No entanto, por achar que tem uma vida normal demais e por não ter tido experiências significativas, não sabe sobre o quê escrever.

Enquanto isso, ela é uma estudante transferida de outra escola e que, assim como ele, tem a escrita e a leitura como suas grandes paixões. Só que após sofrer um acidente que deixou sequelas bastante dolorosas (fisicamente, e, principalmente, psicologicamente), ela deixa essas paixões de lado e decide se isolar de todos.

Sobre a parte técnica, o longa traz uma estética melancólica. A fotografia é construída na base de cores frias e fechadas, especialmente o azul, o que reforça a parte dramática da narrativa. Porém, os clichês do enredo me incomodaram. E vocês sabem que eu adoro os clichês teen bem “água com açúcar”.

Acho que a adaptação dos personagens acabou não acontecendo como deveria. Achei Henry e Grace muito rasos e superficiais, não tem uma construção que nos mostre o que eles querem, o porque eles são da forma que são, o que os motiva ou não motiva. São personagem complexos e emotivos, que poderiam ser cheios de camadas, mas não são. Ficou simples demais. E pelo que li de comentários do livro, sei que isso não ocorre lá – os personagens são bem construídos. Outra coisa que me irritou são os personagens coadjuvantes (família e amigos do Henry), que no filme não tiveram importância nenhuma, não acrescentaram nada a história.

A proposta era super interessante, já que dramas adolescentes têm rendido boas adaptações, porém para mim não rolou. E ainda quero ler o livro “A Química que há entre Nós”. Prometo que quando ler, trago um post mais comparativo entre os dois.


Já assistiram Chemical Hearts? Ou já leram o livro A Química que há entre Nós? O que acharam?

E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 
Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange