#Filme / Florence – Quem é essa Mulher?

Reunir em um filme a atriz mais premiada de todos os tempos – Meryl Streep (que já recebeu 20 indicações ao Oscar, vencendo três vezes); um dos atores mais charmosos dos anos 90 – Hugh Grant; e um grande nome da atualidade – Simon Helberg, o Howard Wolowitz de The Big Bang Theory, com certeza é um ótimo apelo para assistir “Florence: Quem é Essa Muher”.

Lembrando que assim que passar esse período do Oscar 2017, voltamos com as nossas resenhas de livros – já tenho várias dicas para dividir com vocês!!

O filme, dirigido por Stephen Frears, diretor britânico consagrado por produzir ótimas biografias como “A Rainha” e “Philomena”, volta às telonas com a história de Florence Foster Jenkins (Streep), uma rica herdeira que persegue obsessivamente uma carreira de cantora de ópera na Nova York de 1940. Aos seus ouvidos, sua voz é linda, mas para todos os outros é absurdamente horrível. O ator St. Clair Bayfield (Grant), seu marido, tenta protegê-la de todas as formas da dura verdade, mas um concerto público coloca toda a farsa em risco. Florence não buscava fama e prestígio, mas apenas alimentar a sua paixão por música, por isso, subir ao palco do famoso Carnegie Hall e se apresentar era algo que representava o seu sonho enquanto ser humano, um desejo irrefreável de passar os seus dias no meio de algo que lhe dava prazer: a música.

Com base em fatos reais, centrados nos esforços de Florence para fazer uma carreira na música, a comédia cumpre seu papel de entreter, somente isso. Meryl Streep, como sempre, está maravilhosa, utilizando seu talento em musicais para “destruir” e divertir sua personagem, já que ela canta muito mal, mas também dá um show de interpretação em cenas de drama. Confesso que fiquei muito surpreso ao ver como Hugh Grant envelheceu – seu personagem é uma escada para o sucesso de Meryl – o marido que trai a esposa, mas ainda assim, procura realizar todos os seus sonhos e desejos. Destaque também para o jovem Simon Helberg, que interpreta o talentoso pianista Cosme McMoon.

O roteiro do longa é muito bem construído, sabendo como dar as informações de sua narrativa, sem se apressar ou criar barrigas entre seus acontecimentos, num ritmo agradável que lembra – apenas lembra – as melhores comédias clássicas de Hollywood. Outro detalhe que traz charme é o efeito de passagem de cenas, inspirado em filmes antigos.

Portanto, o filme traz um humor sutil, uma evolução bem construída e interpretações na medida certa. No Oscar 2017, o longa concorre em apenas duas categorias: Melhor Atriz com Meryl Streep e Melhor Figurino.

  • Juliana Cardoso

    Pela sinopse parece ser divertido

    • Felipe Lange

      Juliana, é bem engraçado

  • Miguel Garcia

    Amo a Meryl

  • Marcela

    Também quero assistir esse filme

    • Felipe Lange

      Marcela, você vai gostar

Leave a comment to Marcela Cancel reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *