Livro ▪ O Quinze

Autora: Rachel de Queiróz
Editora: José Olympio
Páginas: 208
Skoob
Onde Comprar: Americanas | Submarino | Amazon

Oi gente!
Fiquei umas semaninhas sem postar nada aqui porque estava de férias, mas agora estou voltando com tudo! E nesse tempo, continuei firme com minhas leituras! No mês de março, em comemoração ao Dia da Mulher, fiz igual ano passado, e li livros clássicos escritos por mulheres. Para começar, hoje vou falar de “O Quinze”, primeiro livro de Rachel de Queiroz, publicado em 1930.

A história se passa em 1915 – período que uma grande seca atingiu o Nordeste – acompanhando a saga de três personagens, que possuem diferentes pontos de vista sobre as dificuldades, pois cada um tem o seu drama particular, embora haja certa conexão entre eles.

Conceição é uma professora solteira, que passa as suas férias na fazenda da família. Durante dois meses ela convive com os moradores da fazenda e com seus parentes que moram na região. Um deles é o vaqueiro Vicente, que nutre uma certa atração pela moça. A seca começa a avançar e, com a falta de pasto para o gado, alguns fazendeiros resolvem soltá-lo à sorte. É o que acontece na fazenda da Dona Maroca, onde o sertanejo Chico Bento trabalhava. Sem trabalho, ele e sua família são obrigados a abandonar a fazenda e procurar outro local onde possam sobreviver. Durante a viagem a fome é constante, a pouca comida que eles possuem não é suficiente. Com muita fome, um dos filhos do casal morre envenenado. Outro filho, o mais velho, se perde durante a noite e segue com outro grupo de retirantes.

No interior, a seca continua. Vicente trabalha duro para tentar salvar o gado, e seu relacionamento com Conceição começa a ficar mais abalado. A moça, morando em Fortaleza, convence a avó a largar a Fazenda e viver com ela, em boas condições. Na capital, ela encontra a família de Chico Bento passando por grandes necessidades, e os ajuda a comprar uma passagem para São Paulo. Como Conceição é madrinha da criança mais nova, ela pede para ficar com o pequeno e criá-lo. Chico Bento e a sua mulher não querem deixar o filho, mas depois acreditam que ele tem mais chances de sobreviver com a madrinha.

No final, vemos diferentes situações: Conceição possuía uma profissão e levava uma vida confortável na capital, podendo proporcionar o mesmo a sua avó, que sempre viveu na fazenda no interior. Vicente passa por dificuldades ao tentar salvar seu gado, mas ainda assim, também não enfrenta grandes adversidades como Chico Bento e sua família, que são extremamente pobres e sofrem muito com a seca, que acaba se tornando a principal protagonista da história.

A grande seca de 1915 levou fome e miséria para o interior do Ceará e uma migração em massa. Milhares de sertanejos deixaram o campo e foram em direção à capital Fortaleza. Em resposta à crise, o governo instalou campos de concentração para abrigar os refugiados. O cenário era de extrema miséria e pobreza. Em meio a este importante evento histórico do nosso país, nos vemos diante de uma trama que busca na simplicidade e na linguagem regional o retrato de um povo, de uma época, de um contexto pouco explorado na nossa literatura. Rachel de Queiróz constrói uma narrativa extremamente tocante e profunda, que merece ser lida e reconhecida!

E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 
Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

  • Emerson

    Parece ser um livro muito rico. Viva a literatura nacional! Boa semana! O JOVEM JORNALISTA está de volta com muitos posts e novidades! Não deixe de conferir! Jovem Jornalista Instagram Até mais, Emerson Garcia

  • Vanessa

    É um livro com uma bagagem muito grande e me parece rico em detalhes. Amei. Beijos.

  • Denise Crivelli

    Oi não conhecia esse livro, interessante que retrata a seca e que isso é uma realidade, parece ser uma leitura muito boa. http://momentocrivelli.blogspot.com/

  • Kelen Vasconcelos

    Oi Felipe, Esse é um livro muito famoso da Rachel. Sempre ouvi muitos elogios dele, ainda tenho vontade de ler. Gostei bastante da resenha, não sabia que a história se dividia em três faces. Abraço, Kelen Vasconcelos https://www.kelenvasconcelos.com.br/

  • Carol Daixum

    Muito legal isso de ler autoras nesta época tão importante! Nunca li nada da autora, mas acredito que seja um livro riquíssimo nos detalhes de uma temporada difícil. Confesso que não é o gênero que costumo ler, mas um dia, quero embarcar sim. :) Beijos, Carol www.pequenajornalista.com

  • Leyanne

    Oie, nunca li o livro, mas me deixou curiosa. Bjs Imersão Literária

  • Camila Faria

    Que máximo essa leitura Felipe, fiquei super animada para ler. Eu adoro ler sobre o interior do Brasil, sobre essas realidades (e histórias) que quase nunca chegam na cidade grande. Recentemente me aventurei na leitura de um autor nacional que trabalhou com essa temática do interior, mas infelizmente não curti a leitura. Levo a sua dica para tentar novamente no futuro. Abraços!

  • Hanna Carolina

    Acho que nunca li os livros da autora, apesar de ouvir falar muito bem deles. Eu não estou muito a par dessa passagem de nossa História, mas é bom saber que existem livros que retratam os eventos, ainda que de forma fictícia. Deve ter sido mesmo emocionante. Bjks! Mundinho da Hanna Pinterest | Instagram | Skoob

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *