#Filme | Mank

Oi gente!
“Mank”, um dos filmes mais autorais e intimistas do diretor David Fincher, cravou 10 indicações no Oscar 2021, levando duas estatuetas – melhor figurino e design de produção. O enredo se passa em Hollywood durante os anos 30 e 40, seguindo a história tumultuosa do roteirista Herman J. Mankiewicz (vivido pelo ator Gary Oldman) durante a criação da obra-prima “Cidadão Kane” (1941) e sua luta com o autor Orson Welles (Tom Burke) pelo crédito do script do grandioso longa.

A história também contempla o magnata da mídia sensacionalista William Randolph Hearst (interpretado por Charles Dance), a grande inspiração para o protagonista do clássico, e sua relação com a atriz Marion Davies (Amanda Seyfried). Além disso, vemos outros nomes famosos da história do cinema sendo retratados como Joe Mankiewicz (Tom Pelphrey) – roteirista e diretor de grandes sucessos, vencedor de 2 Oscars e irmão de Mank; Louis B. Mayer (Arliss Howard) – fundador do estúdio MGM Metro-Goldwyn-Mayer; David O. Selznick (Toby Leonard Moore) e o próprio Orson Welles.

O roteiro foi escrito por Jack Fincher antes de sua morte em 2003, David pretendia produzir o filme depois do lançamento de The Game (1997) com Kevin Spacey sondado para estrelá-lo, porém o filme nunca foi produzido por conta da insistência de Fincher em filmar em preto e branco. Em 2019, a Netflix resolveu tirar a produção do papel e levar para as telas.

Como sou cinéfilo de carteirinha, o longa foi muito interessante, trazendo uma experiência imersiva à Era de Ouro de Hollywood. O personagem principal é denso, sagaz e ácido, trabalhado em camadas pelo excelente Gary Oldman, em um de seus melhores momentos.

A fotografia em preto e branco do diretor Erik Messerschmidt é incrível, tanto que levou o Oscar. Toda a reprodução da Hollywood da época também é impecável. Mas, a história é um pouco arrastada, chegando a ser cansativa em alguns momentos. David Fincher saiu de um longo jejum cinematográfico após a direção de “Garota Exemplar”, em 2014 (mesmo tendo ótimas passagens pelas séries “House of Cards” e “Mindhunter”) para trazer um ótimo filme em 2020. Para quem curte a história do cinema, seria interessante assistir. E uma dica: ver ou rever “Cidadão Kane” também seria ótimo para a imersão.

E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 
Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

  • Emerson

    Assisti à "Cidadão Kane" na época da faculdade. É um verdadeiro clássico. Ainda não assisti aos filmes do Oscar, acredita? Boa semana! Jovem Jornalista Instagram Até mais, Emerson Garcia

  • Nana

    Olá, Esse foi o único filme dos indicados que não assisti por falta de interesse. Mas vou tentar no domingo Curti sua opinião. até mais, Canto Cultzíneo

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *