Categoria: Livros

Livro ▪ Os Segredos de Colin Bridgerton

Autora: Julia Quinn
Editora: Arqueiro
Páginas: 336
Skoob
Onde Comprar: Americanas | Submarino | Amazon

Oi gente!
E a minha saga pela leitura da série Bridgertons continua! Ainda em 2021 li “Os Segredos de Colin Bridgerton”, quarto livro escrito pela Julia Quinn, que retrata agora a história amorosa do irmão Colin. E preciso confessar que estava bem ansioso por essa leitura.

Há muitos anos Penelope Featherington frequenta a casa dos Bridgertons. E há muitos anos alimenta uma paixão secreta por Colin, irmão de sua melhor amiga e um dos solteiros mais encantadores e arredios de Londres. Quando ele retorna de uma de suas longas viagens ao exterior, Penelope descobre seu maior segredo por acaso e chega à conclusão de que tudo o que pensava sobre seu objeto de desejo talvez não seja verdade. Ele, por sua vez, também tem uma surpresa: Penelope se transformou, de uma jovem sem graça ignorada por toda a alta sociedade, numa mulher dona de um senso de humor afiado e de uma beleza incomum.

Ao deparar com tamanha mudança, Colin, que sempre a enxergara apenas como uma divertida companhia ocasional, começa a querer passar cada vez mais tempo a seu lado. Quando os dois trocam o primeiro beijo, ele não entende como nunca pôde ver o que sempre esteve bem à sua frente. No entanto, quando fica sabendo que ela guarda um segredo ainda maior que o seu, precisa decidir se Penélope é sua maior ameaça ou a promessa de um final feliz.

Bom, fazendo uma analise das leituras até então – “O Visconde que me Amava” e “Um Perfeito Cavalheiro” foram os meus preferidos e, como disse anteriormente, a expectativa para “Os Segredos de Colin Bridgerton” estava alta visto que Penélope é minha personagem preferida! E eu até gostei do livro, porém não foi tudo o que eu esperava.

Como as leituras anteriores, essa não foi diferente. A escrita de Julia Quinn me agrada muito e eu não conseguia largar o livro. Mas acho que por já saber o grande segredo da história, o clímax acabou não sendo tão interessante. Mas, ainda assim, acho incrível a revelação que acontece e todo o seu contexto! Não vou dar spoilers para quem ainda não leu ou não viu a série da Netflix!

O ponto central do livro é que Colin não sabe definir o que sente por Penélope, enquanto ela sabe que o ama, mas custa a aceitar que um dia ele será capaz de sentir o mesmo por ela. Muito interessante como a autora explora a autoestima e os preconceitos tão comuns à sociedade do século XIX.

No contexto geral, foi uma ótima leitura, a história é deliciosa, porém não assumiu a posição de favorito da série como achei que fosse ser, mas ainda assim me emocionou ao longo dos capítulos. E, para variar, já estou ansioso pelo próximo volume!

E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 
Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

Livro ▪ Os Sete Maridos de Evelyn Hugo

Autora: Taylor Jenkins Reid
Editora: Paralela
Páginas: 360
Skoob
Onde Comprar: Americanas Submarino | Amazon

Oi gente!
Hoje vou falar de mais uma leitura que eu curti bastante em 2021. “Os Sete Maridos de Evelyn Hugo”, da Taylor Jenkins Reid, me surpreendeu positivamente ao tratar de um assunto que adoro – o cinema e seus bastidores.

Após ler “Daisy Jones and the Six” e me encantar com a escrita da Taylor, a expectativa para Evelyn Hugo estava altíssima e a experiência foi tão boa quanto imaginava. A história gira em torno da lendária estrela de Hollywood, Evelyn Hugo, que sempre esteve sob os holofotes — seja estrelando uma produção vencedora do Oscar, protagonizando algum escândalo ou aparecendo com um novo marido… pela sétima vez. Agora, prestes a completar oitenta anos e reclusa em seu apartamento no Upper East Side, a atriz decide contar a própria história, mas com uma condição: que Monique Grant, jornalista iniciante e até então desconhecida, seja a entrevistadora. Ao embarcar nessa misteriosa empreitada, a jovem repórter começa a se dar conta de que não foi escolhida por acaso e que suas trajetórias podem estar profunda e irreversivelmente conectadas.

Narrado em primeira pessoa, o livro nos leva à história Monique e sua situação atual. A jornalista está passando por um divórcio recente e sofrendo com a separação quando começa a entrevistar Evelyn Hugo. Então, a partir da entrevista, a narrativa, também em primeira pessoa, se desloca para o passado da atriz e seus amores. Evelyn Hugo é uma figura que cativa por todos seus defeitos e qualidades, mas, principalmente, pela sinceridade e clareza.  Ela é alguém que lutou pelos seus sonhos e fez tudo aquilo que foi preciso para chegar onde chegou.

Os personagens são bem construídos e possuem relevância na história. A narrativa também é interessante, prendendo a atenção do leitor em cada capítulo. “Os Sete Maridos de Evelyn Hugo” é um livro que tem representatividade racial, sexual e nos mostra, no decorrer dos anos, o quanto cada uma dessas lutas teve que avançar para chegar no que é hoje. Foi uma leitura favoritada!

E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 
Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

Livro ▪ Jogos de Herança

Autora: Jennifer Lynn Barnes
Editora: Alt
Páginas: 432
Skoob
Onde Comprar: Americanas | Submarino | Amazon

Oi gente!
Uma das melhores leituras de 2021 foi com certeza “Jogos de Herança”, da editora Alt, escrito pela Jennifer Lynn Barnes. Para quem já assistiu, a história lembra muito o filme “Entre Facas e Segredos”, misturando muita investigação e mistério.

Avery Grambs tem um plano para um futuro melhor: sobreviver ao ensino médio, ganhar uma bolsa de estudos e garantir sua independência. Mas sua sorte muda no instante em que o bilionário Tobias Hawthorne morre e deixa toda a sua fortuna para ela… sendo que ela não tem ideia do porquê – ou mesmo de quem ele é. Para receber a herança, Avery deve se mudar para a enorme Casa Hawthorne, onde cada cômodo tem o toque do magnata – e seu amor por quebra-cabeças, enigmas e códigos. Infelizmente, a mansão também é ocupada pela família que Tobias Hawthorne acabou de despojar, incluindo os quatro netos do bilionário: garotos perigosos, magnéticos e brilhantes que cresceram com a expectativa de que um dia herdariam bilhões. Enquanto o herdeiro Grayson Hawthorne está convencido de que Avery é uma vigarista, seu irmão, Jameson, a vê como o último mistério de seu avô: um enigma a ser resolvido.

A escrita da autora me conquistou desde o primeiro momento, não conseguia parar de ler! Toda a trama é bem construída e os personagens são cativantes. O mistério acerca da herança prendeu minha atenção e as ligações dos protagonistas para resolverem foi o ponto alto da história. Além disso, a trama possui algumas questões do passado de todos os personagens, o que eleva ainda mais a curiosidade. O ritmo é acelerado e quando você percebe, todas as peças do quebra-cabeça se encaixam. Adorei as vibrações que a história passa: as contradições em torno dos Hawthornes, as mudanças repentinas na vida de Avery e porquê um homem deixou tudo para uma estranha ao invés da sua própria família.

E pesquisando, descobri que haverá continuação. Já estou aguardando ansiosamente!

E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 
Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

Livro ▪ Cova 312

Autora: Daniela Arbex
Editora: Geração
Páginas: 344
Skoob
Onde Comprar: Americanas | Submarino | Amazon

Oi gente!
Fazia tempo que queria mergulhar na literatura de Daniela Arbex, jornalista dedicada à defesa dos direitos humanos e autora do best seller “Holocausto Brasileiro”. Assim, resolvi ler “Cova 312”, segundo livro-reportagem da autora, que retrata a ditadura militar no Brasil, por meio de relatos reais e dolorosos de um dos períodos mais tristes do país.

O livro surgiu após uma matéria publicada pela jornalista no jornal Tribuna de Minas, retratando a história do guerrilheiro Milton Soares de Castro, que foi o único morto na penitenciária de Linhares, em Juiz de Fora, cujo corpo nunca fora encontrado, até então. Daniela fez uma investigação abrangente: localizou parentes de Milton, contou histórias de amigos que estiveram com ele na Serra do Caparaó – missão que levou o guerrilheiro à prisão, apresentou documentos, fotografias e depoimentos de pessoas que trabalharam no presídio.

Milton nasceu em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, vindo de uma família de dez filhos. Começou a trabalhar cedo para ajudar a mãe a cuidar dos irmãos. Aos 26 anos, se tornou integrante da guerrilha que se instalaria na Serra do Caparaó, no Espírito Santo, divisa com Minas. Enfrentando extremo frio, fome e medo, a iniciativa não deu certo e todos que lá estavam foram presos e enviados à Penitenciária de Linhares, que viria a ser um dos maiores presídios da ditadura. Ali, homens e mulheres considerados “rebeldes” foram presos e torturados, porém se tem notícia de apenas uma morte: a de Milton Soares de Castro em 1967. A morte foi marcada como suicídio. Ninguém acreditava, mas o corpo de Milton desapareceu e, portanto, uma revisão do caso nunca foi possível.

O livro possui uma narrativa abrangente, já que a autora conta histórias de outros presos, traçando uma linha temporal anterior ao período de militância e sempre fazendo um paralelo com a história de Milton. A investigação jornalística levou Daniela a vários cantos do país para tentar encontrar a verdade e, finalmente, trazer paz à família do guerrilheiro.

A linguagem apresentada é bem objetiva e traz emoção ao leitor. Impossível não se sentir próximo das situações e vivenciar a dor dos horrores. Eu lia cada capítulo com vontade de saber como tudo iria acabar, e como sou jornalista também, esse livro me pegou do início ao fim. É inspirador! Com seu trabalho e pesquisa, a jornalista conseguiu não apenas escancarar feridas da ditadura, como também fez com o governo alterasse a certidão de óbito de Milton dando sua causa de morte como homicídio. Pode parecer pouco 50 anos depois, mas é um ganho significativo em um país que teima em fingir que episódios tenebrosos como esse não aconteceram.

Vencedor do Prêmio Jabuti em 2016, “Cova 312” é um livro incrível, extremamente forte e que merece ser lido!

E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 
Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

Livro ▪ Sempre teremos o Verão

Autora: Jenny Han
Editora: Intrínseca
Páginas: 240
Skoob
Onde Comprar: Americanas | Submarino | Amazon

Oi gente!
E finalizando a trilogia Verão, da autora Jenny Han, hoje teremos resenha de “Sempre Teremos o Verão”, publicado pela editora Intrínseca.

No primeiro livro (“O Verão que mudou minha Vida”) acompanhamos Belly aproveitando suas férias e descobrindo sobre o primeiro amor. No segundo (“Sem você não é Verão”), a protagonista está mais adulta e tem o seu coração dividido entre os irmãos Fisher, sem saber por qual caminho seguir. E agora no último, parece que ela finalmente deixou todo o passado e suas indecisões para trás.

Agora vemos Belly ao lado de Jeremiah e, ao que tudo indica, Conrad já virou passado. Jenny Han conseguiu imprimir uma maturidade maior nos personagens, que evoluíram bastante. Belly e Jeremy estão na faculdade e possuem responsabilidades, até que um segredo dele vem à tona e muda toda a situação. Ainda muito insegura, Belly tenta seguir em frente e decide se casar com ele, mesmo com toda a família tentando convencê-los do contrário, já que eles ainda são muito jovens e possuem todo um caminho pela frente. Indo contra tudo e todos, Jeremiah e Belly iniciam o planejamento do casamento, que será realizado em Cousins, lugar onde Conrad está passando o verão. O que ninguém esperava é que o mal humorado Conrad iria mudar tanto e finalmente aceitar que ama Belly. Mas, agora chegou a hora dela tomar uma decisão e escolher entre ficar com um e magoar o outro.

A situação de um triângulo amoroso nunca é fácil, ainda mais quando se trata de irmãos. No entanto, sempre esteve claro de quem Belly realmente gostava – o que ela nunca quis foi tomar uma decisão e correr o risco de perder o outro definitivamente. Gostei de como foi tratada a relação mãe e filha nesse livro. Laurel não aceitou bem o casamento de Belly e ambas tiveram vários momentos de altos e baixos, mas o amor entre elas prevaleceu e ainda tivemos uma grande ajuda de Susannah, que ainda continua sendo a melhor personagem da trilogia, mesmo não estando mais entre eles. Foi bacana perceber o significado de família para todos os personagens, que aprenderam muito com as dores, luto e o amor ao longo dos capítulos.

Como falei nas resenhas anteriores, me irritei com vários personagens ao longo dos livros, mas ainda assim foram leituras positivas. A trilogia é bem leve e divertida. E as edições da Intrínseca estavam maravilhosas. Fazendo o balanço final, foi bacana acompanhar a história. E já queria uma adaptação logo!

E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 
Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

Livro ▪ Sem você não é Verão

Autor: Jenny Han
Editora: Intrínseca
Páginas: 240
Skoob
Onde Comprar: Americanas Submarino | Amazon

Oi gente!
Como falei no post anterior, curti bastante a leitura de “O Verão que mudou minha Vida”, da Jenny Han, autora de “Para todos os Garotos”, que logo na sequência já emendei o segundo livro da trilogia – “Sem Você não é Verão”.

No final do primeiro volume, descobrimos que Susannah não estava tão bem da saúde quanto aparentava e por isso Conrad estava tão mal humorado. Além disso, o pai deles estava traindo a mãe mesmo com ela doente. Até aí achei um pouco justificável o comportamento dele, porém não tão justificável as atitudes com Belly. Agora, nesse livro, começamos com o que já imaginava: Susannah não está mais entre nós e Belly passará o seu primeiro verão longe de Cousins. Além disso, todos estão tendo dificuldades para superar a falta de Susannah (que para mim era uma das melhores personagens da história).

Conrad e Belly tiveram um envolvimento, porém, o jovem não soube lidar com os acontecimentos, e acabou terminando com ela, o que a deixou ainda mais arrasada. Para piorar, Conrad segue totalmente instável e decide abandonar a faculdade, fugindo sem avisar ninguém. Preocupado, Jeremiah chama Belly para ajuda-lo a encontrar o irmão e o lugar mais óbvio para se procurar seria a casa de verão. Lá, Conrad está surfando e levando a vida como se nada estivesse acontecendo. Com o desespero de salvar o grande amor de sua vida, Belly mentiu para mãe que estava com sua melhor amiga Taylor, o que acarretará em problemas futuros. Conectados mais uma vez, nosso triângulo irá se envolver cada vez mais.

A história segue fofinha e previsível. E a escrita de Jenny Han continuou me conquistando. Consegui ler esse livro em menor tempo que o anterior. Aqui, ainda temos uma Belly imatura que nos irrita em vários momentos, mas é perceptível uma evolução grande na personagem. Conrad também me irritou um pouco, mas o que dá toda a liga ao dilema amoroso é Jeremiah.

Coração partido e primeiros amores parece ser o forte na escrita de Jenny Han. Uma coisa que gostei foi que neste livro, os capítulos são mais focados no que está acontecendo no presente, diferente do primeiro que tinha várias inserções do passado para podermos compreender a relação de todos os personagens.

A leitura fluída me conquistou ainda mais, apesar de ter gostado mais do primeiro livro.  “Sem Você não é Verão” segue o estilo despojado apresentado anteriormente e continua com a grande questão: quem Belly irá escolher: Jeremiah ou Conrad?

E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 
Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

Livro ▪ O Verão que mudou minha Vida

Autor: Jenny Han
Editora: Intrínseca
Páginas: 240
Skoob
Onde Comprar: Americanas | Submarino Amazon

Oi gente!
Divertido, envolvente e super leve, “O Verão que mudou minha Vida”, é o primeiro volume da trilogia Verão, da Jenny Han, autora de “Para todos os Garotos que já amei”.

Aqui, conhecemos a história de Belly, que junto a sua família, passa todos os verões em Cousins, na casa de praia da melhor amiga de sua mãe, Susannah. É nesse momento que as famílias, que sempre foram muito unidas, se encontram para aproveitar as férias com muita diversão. Por esse motivo, Belly, seu irmão mais velho Steven e os dois filhos de Susannah – Conrad e Jeremiah cresceram juntos e compartilham de uma amizade especial que se fortalece a cada novo verão. Contudo, mesmo sendo amigos, Belly, a única menina da “turma”, sempre foi deixada de lado pelos meninos, fato que para ela vai mudar nesse verão, afinal, ela irá completar 16 anos.

Entrando na adolescência, Belly começa a mudar a aparência se tornando mais feminina, mesmo ela não percebendo isso, além de descobrir aos poucos as novidades como primeiro encontro, o primeiro beijo, as festas na praia, as aulas de direção e a primeira paixão. Belly sempre foi apaixonada por Conrad, porém também desperta amores no irmão dele, Jeremiah.

Conrad passa a maior parte do verão bem mal-humorado e mais fechado do que nunca, fazendo com que Belly tente a todo momento se conectar a ele, mas parece impossível quebrar o escudo. Já Jeremiah é bem humorado, sempre tenta ver o melhor da situação e não deixa o irmão estragar o que é pra ser o melhor verão da vida deles. Com um triangulo amoroso juvenil formado, a história ainda acha espaço para nos emocionar com Susannah, que descobriu um câncer, e tem tentado manter a alegria dos verões.

A leitura fluiu super bem para mim, os capítulos são pequenos e a história tem um tom leve que cativa. Confesso que em alguns momentos fiquei com raiva da protagonista, que se mostra bem imatura, porém é algo compreensivo, visto que ela está começando a se desenvolver e entrar na adolescência. Porém, como é Belly que narra a história, vemos tudo através de seu ponto de vista, o que acaba irritando bem.

Como um todo, o livro é bem bacana, foi uma ótima opção para curar uma ressaca literária que eu estava tendo. Li em poucos dias! Leve, com uma narrativa envolvente e uma história bonitinha, “O Verão que mudou a minha Vida” aposta em um lado emocional familiar e uma pegada jovem para conquistar o leitor. Particularmente, me conquistou bastante.

E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 
Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

Livro ▪ O Menino da Lista de Schindler

Autor: Leon Leyson
Editora: Rocco
Páginas: 256
Skoob
Onde Comprar: Americanas Submarino | Amazon

Oi gente!
Durante a Book Friday da Amazon comprei o livro “O menino da lista de Schindler”, lançado pela editora Rocco, e que estava com um preço baratinho!

A autobiografia conta a história de Leon Leyson, o mais jovem integrante e um dos últimos sobreviventes da famosa lista de judeus salvos pelo empresário alemão Oskar Schindler durante a Segunda Guerra Mundial. Aos 10 anos, o menino levou uma vida de incertezas diante da guerra que eclodiu em 1939, trazendo miséria, injustiça, fome e os campos de concentração que exterminaram muitos inocentes pelo simples fato de serem judeus.

Leon, o caçula de cinco irmãos, sobreviveu ao Holocausto e narrou a história de sua família, desde os momentos de felicidade na pequena Narewka, na Polônia, até os dias de inferno na Cracóvia. Com o pai trabalhando na fábrica de Oskar Schindler, a família pode ver uma luz no fim do túnel, apesar de ter passado por situações desumanas e de extrema violência. Apesar de nazista, Schindler não concordava com as atrocidades cometidas pelos alemães, e disfarçadamente salvou muitos judeus ao contratá-los para trabalhar em sua fábrica. E, para tanto, não hesitou em falsificar documentos, pagar propinas e fazer tratos escusos. A história inclusive ganhou uma adaptação cinematográfica, dirigida por Steven Spielberg, inclusive levando o Oscar de Melhor Filme.

O livro tem uma capa super bonita, é bem curtinho, com capítulos rápidos, porém com uma história tensa. O interessante é ver toda a história narrada pelo olhar de uma criança, então inocente e sonhadora, amadurecida às pressas pela dura realidade e sob constante ameaça de morte.

A história é bem emocionante, assim como todas as outras que retratam esse triste período. Leon fez de tudo para sobreviver e ficar próximo de sua família – os pais Moshe e Chanah, além dos irmãos Hershel, Tsalig, David e Pesza. Porém, nem todos conseguiram sobreviver. Esteja preparado para um relato forte, comovente e extremamente humano, que deve ser lido por todos! E aproveitem e vejam o filme também. Vale a pena!

E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 
Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

Livro ▪ Daisy Jones & The Six

Autora: Taylor Jenkins Reid
Editora: Paralela
Páginas: 244
Skoob
Onde Comprar: Americanas | Submarino | Amazon

Oi gente!
Finalmente me rendi a Taylor Jenkins Reid e conferi “Daisy Jones and the Six”, e até agora estou sem entender por que não vi esse livro antes! Maravilhosa, a obra é com certeza uma das minhas melhores leituras do ano.

O livro narra a trajetória de uma banda fictícia entre os anos 1960 e 1970, desde sua ascensão à sua até então misteriosa ruptura. Daisy Jones é uma garota que cresceu em Los Angeles, entrando sorrateiramente nos clubes da Sunset Strip, dormindo com estrelas do rock e sonhando em cantar. Sua infância complicada, com os pais ausentes, a levou para o caminho das drogas e dos relacionamentos abusivos. Aos 20 anos, Daisy tinha uma beleza estonteante e voz super potente. Neste mesmo momento chama também a atenção The Six, uma banda liderada por Billy Dunne. Na véspera da primeira turnê, sua namorada Camila descobre que está grávida e, com a pressão da paternidade e da fama iminente, Billy começa a usar drogas, causando vários problemas. Após passar um tempo na reabilitação, Billy está de volta aos palcos, junto com os integrantes do The Six – Graham Dunne, Karen, Eddie e Warren. Porém, a banda contará com o auxílio de Daisy Jones – a estrela em ascensão. Juntos, gravaram um álbum que foi o maior sucesso, mas no último show da turnê Aurora, eles se separaram. E ninguém nunca soube o porquê.

Taylor Jenkins Reid tem o poder de escrever histórias cativantes e personagens bem construídos. E o que chama atenção em “Daisy Jones & the Six” é justamente a maneira como a trama é contada. A narrativa traz depoimentos de todos os personagens, como se fosse um roteiro de documentário. Fugindo do padrão, a autora me conquistou com uma narrativa fluída e com a evolução de cada personagem.

O interessante é vermos o mesmo acontecimento sob diversos pontos de vista, descobrindo como a banda chegou nas paradas de sucesso através de diferentes perspectivas. Inclusive, tinha momentos em que eu realmente pensava que a história era real, e que a banda realmente chegou a existir, tanto foi o grau de entrega com a leitura. O livro é sincero e intenso, daqueles que te prende e você não consegue mais largar. Quando terminei, tive a certeza de que se tornou um dos meus livros preferidos.  Se você curte um bom rock and roll e quer ter contato com uma narrativa diferente, recomendo muito este livro.

E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 
Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

Livro ▪ Cacau

Autor: Jorge Amado
Editora: Cia das Letras
Páginas: 184
Skoob
Onde Comprar: Americanas Submarino | Amazon

Oi gente!
Esse ano resolvi fazer a leitura/releitura de autores consagrados da nossa literatura. Comecei com Jorge Amado, o autor mais adaptado do cinema, do teatro e da televisão; e pretendo ler sua obra cronologicamente. Eu já li alguns clássicos dele, como “Gabriela, Cravo e Canela”, “Capitães da Areia”, entre outros (inclusive pretendo ler novamente). Porém, já vou explicar que não comecei corretamente kk. Li “Cacau” – o segundo livro do autor – e pulei o primeiro “O País do Carnaval”, simplesmente porque me interessei mais pela história do outro e quis fazer assim! Mas prometo a vocês que vou ler o primeiro livro ainda!

Como falei, “Cacau” é o segundo romance de Jorge Amado, publicado em 1933, considerado pela crítica um romance-reportagem, por trazer à tona a situação das pessoas que dependiam do cacau – uns para manter a riqueza, outros para garantir o sustento diário. Uma situação muito conhecida pelo autor que viveu na região cacaueira. Ainda, o livro inaugura a série de panoramas sobre a vida na região cacaueira de Ilhéus, da qual fazem parte também “Terras do sem-fim” e “São Jorge dos Ilhéus”.

Narrado em primeira pessoa, “Cacau” conta a história de José Cordeiro, mais conhecido como “Sergipano”, por conta do seu local de origem.  Ele vem de uma família rica, no entanto quando jovem perde o pai e vê os bens da família serem passados ao tio. Após divergências com o novo herdeiro, Sergipano decide ir para o sul da Bahia, em busca de dias melhores. Lá, arranja emprego na Fazenda Fraternidade, propriedade do explorador Manoel Misael de Souza Teles, considerado o rei do cacau. Desonesto, o coronel roubava os empregados, que não conseguiam pagar suas dívidas, permanecendo num regime de semiescravidão. Branco, cabelos louros e alfabetizado, Cearense destoa dos demais trabalhadores, despertando o interesse de Maria, a filha do patrão. Humilhado pela condição social da moça, o protagonista mantém uma posição de liderança frente aos empregados e inicia uma revolução social no local.

A leitura fluiu com facilidade, porém “Cacau” não foi o meu livro preferido do autor. Pode ser que isso mude com as releituras, já que li os demais na época de escola. Mas, a obra possui o estilo forte e crítico de Jorge Amado. E principalmente o regionalismo característico com a luta de classes e desigualdade social. Também preciso comentar a edição lançada pela Companhia das Letras, que está super bonita!

Já leram algum livro de Jorge Amado? Qual vocês querem ver resenha aqui?

E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 
Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange