#Livro | O Juiz e seu Carrasco (Projeto Lendo o Mundo)

Oi gente!
Hoje volto com o projeto “Lendo o Mundo” – aquele que leio livros de todos países para conhecer a literatura, cultura e tradições desses locais. (Saiba mais aqui) Dessa vez li “O Juiz e seu Carrasco”, escrito por Friedrich Dürrenmatt, representando a Suíça. É bem provável que este será o último livro do projeto neste ano.

Aqui no Brasil, o autor é pouco lido – fui pesquisar e descobri que ele tem apenas este livro e outros três contos – A Pane, O Túnel e O Cão – publicados em língua portuguesa. Dürrenmatt ganhou fama com seus dramas  vanguardistas, profundos romances policiais, e algumas sátiras macabras. Um de seus principais bordões era “Uma história não está terminada até que algo tenha dado extremamente errado”.

Com relação ao livro, “O Juiz e seu Carrasco” conta a história de um policial que foi assassinado sob circunstâncias misteriosas. Bärlach, um velho e doente comissário, amante de cigarros, de vodca e da boa mesa, investiga essa morte ao mesmo tempo em que luta contra a sua própria, que parece cada vez mais próxima. Enquanto a polícia se vê às voltas com figurões locais; oficiais oportunistas tentam subir na carreira, e Bärlach faz as suas arriscadas jogadas. Na sombra, o assassino, um tipo maquiavélico, disserta sobre o bem e o mal, que ele considera possibilidades iguais.

O livro é profundo e complexo no psicológico dos personagens. Confesso que a leitura não fluiu tão bem, apesar de ser um livro bem curtinho – tem apenas 108 páginas. Acredito que a linguagem e, principalmente, os nomes complicados foram o que me causou maior estranheza. Mas isso não quer dizer que seja ruim. Até porque o principal conflito foi bem desenvolvido e a resolução do crime foi surpreendente. Poucos livros de suspense policial me surpreenderam no final, como este.  A leitura valeu a pena pelo conhecimento e pela experiência de explorar o texto de um autor que nunca havia lido nada antes.

Veja também as demais leituras do projeto – Por Dentro da Casa Branca (Estados Unidos)Muito Longe de Casa (Serra Leoa)O Ruído das coisas ao cair (Colômbia)A Última Mensagem de Hiroshima (Japão) e Depois de Auschwitz (Alemanha). E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 

Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

#Série | You

Oi gente!
Nessas últimas semanas maratonei “You”, a nova série da Lifetime, que chega à Netflix agora em dezembro, e é baseada no livro de Caroline Kepnes. Confesso que me surpreendeu demais! A produção conta com o ator Penn Badgley (provavelmente vocês lembram dele em Gossip Girl).

A história tem início quando a jovem aspirante a escritora Guinevere Beck (Elizabeth Lail) entra na livraria onde trabalha Joe (Penn Badgley). A partir daí o rapaz tem a certeza de que ela é a mulher ideal para sua vida e começa a demonstrar um comportamento obsessivo ao monitorar todas as redes sociais, roubar o celular para ler mensagens e até mesmo vigiar sua casa durante a noite. Resumidamente: um stalker psicopata. Pouco a pouco Joe vai se infiltrando na vida de Beck, tentando afastar aqueles de quem sente ciúmes ou que põe em risco seu relacionamento, custe o que custar.

Como comentei, a produção da série me agradou bastante. Comecei a acompanhar pensando que seria mais um suspense adolescente, mas me deparei com um ótimo suspense, que instiga e surpreende a cada episódio.

Um dos pontos positivos – a série é narrada em primeira pessoa, então várias vezes ouvimos os pensamentos do protagonista. E essa é a grande sacada, pois o desafio é fazer o espectador gostar do personagem, visto que ele é o principal vilão. Joe acredita que tudo o que faz é em função de ajudar ao outro e durante a narrativa há vários elementos que o humanizam, sendo o mais evidente a relação de Joe com seu vizinho Paco (Luca Padovan), uma criança amante de livros, que presencia constantemente o abuso de seu padrasto em casa.

A série conseguiu balancear os momentos de tensão e suspense, mantendo o interesse, apesar do início lento, mas que se torna frenético do meio para o final. E – talvez o mais intrigante – é que acabei me envolvendo na condução da história, chegando – não a torcer -, mas entendendo e prevendo algumas ações. E isso é justificado, pois aos poucos vamos conhecendo o passado do personagem e percebendo suas influências.

Destaque também para o restante do elenco – a protagonista Elizabeth Lail (de Once Upon a Time) e Shay Mitchell (de Pretty Little Liars), que faz a melhor amiga Peach – estão impecáveis, fazendo papéis complicados, que mexem demais com a história e com a percepção do espectador.

“You” já está confirmada para a segunda temporada – inclusive acabou de uma forma que quero muito saber como vai continuar e espero surpresas para a sequência. Vale a pena conferir!

E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 

Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

 

#Filme | Legítimo Rei

Oi gente!
Aproveitei o último feriado para colocar algumas séries e filmes em dia. E hoje trago uma dica super bacana! A Netflix lançou em seu catálogo o filme “Legítimo Rei” no último dia 09 de novembro. A produção, que já havia sido exibida no Festival de Toronto, conta no elenco com os atores Chris Pine e Aaron Taylor-Johnson (vencedor do Globo de Ouro de melhor ator coadjuvante em 2016).

Com uma história real, “Legítimo Rei” narra o início da luta pela independência da Escócia a partir do início do século XIV, com a jornada de fracassos e vitórias de Robert the Bruce (Chris Pine) para tornar-se o autêntico rei da Escócia. O filme ainda faz uma referência a um clássico do cinema – o vencedor do Oscar “Coração Valente”, com Mel Gibson. Para quem não se lembra, William Wallace, personagem de Gibson, iniciou a revolta contra o cruel Rei inglês Edward I. No início de “Legítimo Rei” vemos que William foi derrotado e morto, agora Robert e seu pai Sir Robert VI (James Cosmos) juram obediência dos escoceses ao rei Edward I (Stephen Dillane) em busca de restabelecer a paz. Ele é apontado como guardião da Escócia junto com seu rival John Comyn (Callan Mulvey) e, em gratidão a sua honraria, recebe o posto de coletor de impostos e uma esposa, Elizabeth Burgh (Florence Pugh), afilhada do rei. Os novos fatos levam Robert a quebrar seu juramento e lutar pela independência de seu povo.

Se em “Coração Valente” o grande destaque foi o protagonismo de Mel Gibson (vencedor do Oscar de melhor direção em 1996), em “Legítimo Rei” vemos uma atuação apagada de Chris Pine – faltou um pouco de personalidade. O destaque no elenco fica aos coadjuvantes – Florence Pugh, que se sobressai em todas as suas cenas como a jovem rainha determinada e corajosa; e Aaron Taylor-Johnson, o aliado James Douglas que busca vingança e justiça pela família. O roteiro é um pouco fraco, compensando com a produção que é excelente. Ótimas cenas com paisagens maravilhosas, jogo de luz e câmera, com destaque para a cena da batalha final.

Enfim, “Legítimo Rei” falha em alguns elementos, mas possui outros que tem êxito em entreter e entregar um épico violento com alto valor histórico.

gítimo

#Livro | Leah fora de Sintonia

Autora: Becky Albertalli
Editora: Intrínseca
Páginas: 320
Skoob
Onde Comprar: Americanas | Submarino | Saraiva | Cultura
Foto: Facebook Editora Intrínseca

Oi gente!
Logo mais tem feriado prolongado para aproveitarmos bastante, mas antes disso trago uma dica literária para vocês! Há um tempinho li “Simon vs. a agenda Homo Sapiens / Com Amor, Simon” (tem resenha AQUI) e também teve o filme inspirado nesse livro. Com o sucesso, a Editora Intrínseca lançou “Leah fora de Sintonia” – uma continuação da história, mas com Leah – a melhor amiga de Simon – como protagonista.

Leah odeia demonstrações públicas de afeto. Odeia clichês adolescentes. Odeia quem odeia Harry Potter. Odeia o novo namorado da mãe. Odeia pessoas fofas e felizes. Ela odeia muitas coisas e não tem o menor problema em expor suas opiniões. Mas, ultimamente, ela tem se sentido estranha, como se algo em sua vida estivesse fora de sintonia. No último ano do colégio, em poucas semanas vai ter que se despedir dos amigos, da mãe, da banda em que toca bateria, de tudo que conhece. E, para completar, seus amigos não fazem ideia de que ela pode estar apaixonada por alguém que até então odiava, uma garota que não sai de sua cabeça.

Durante a leitura, vamos percebendo que a postura da protagonista é um mecanismo de defesa para as mudanças, além de uma pitada de orgulho. Leah muitas vezes dificulta as coisas para si mesma apenas por não aceitar ajuda – muitas pessoas podem se identificar. Com o decorrer da leitura deu pra entender um pouco das atitudes da personagem, quando somos adolescentes as coisas tomam uma dimensão maior e ela estava em conflito com seus sentimentos.

Preciso dizer que achei a leitura um pouco devagar. Curti mais ler “Simon”, do que “Leah”. Talvez porque no primeiro estávamos conhecendo a história, os personagens, ainda não havia identificação com eles. No segundo livro, a história traz mais do mesmo. Ela se passa exatamente após o final do primeiro livro, e não traz muitas novidades, apenas as nuances da personagem principal – que as vezes irrita, as vezes nos faz se apaixonar. Se você ainda não seu “Simon vs. a agenda Homo Sapiens” – NA MINHA OPINIÃO – não influencia tanto na nova leitura, até porque em diversos momentos a autora relembra acontecimentos da narrativa e te dá uma boa base. Se eu não tivesse lido, muito provavelmente eu entenderia esse aqui. Mas, claro que o ideal é ler todos.

Fazendo um balanço geral, é um livro bom, com vários momentos fofos e interessantes, típico romance americano teen, personagens legais, mais uma discussão leve sobre a homossexualidade, porém não foi um livro que me apeguei – fiquei com a sensação de que faltou mais. Ainda assim, quero muito o filme com a atriz Katherine Langford, urgente produção!

E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 

Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

#Série | Elite

Oi gente!
Vocês devem ter percebido que o blog ficou fora do ar algumas semanas. Infelizmente tive um novo problema com a Locaweb, que hospeda o meu domínio. Depois de muitas conversas, consegui voltar ao normal!! E como fiquei algumas semanas fora, acumulou muita coisa para falar aqui!! Hoje vou começar falando de “Elite”, nova série original Netflix. Desde que lançaram os trailers e teasers eu já estava mega ansioso para conferir. A produção tem um toque de Gossip Girl, misturado com Riverdale e Rebelde.

Produzida pela Netflix Espanha, a série Elite vem na onda do sucesso que La Casa de Papel fez no mundo todo, inclusive temos três atores que fizeram “La Casa” – Miguel Herrán (que fez o Rio e agora vive o Christian), María Pedraza (que faz a protagonista Marina e que foi Allison em LCDP) e Jaime Lorente (o Denver e que agora interpreta Nano). O drama juvenil tem direção de Ramón Salazar e Dani de la Orden e roteiro de Carlos Montero e Darío Madrona.

Em “Elite”, a vida dos alunos de classe alta do colégio Las Encinas seguia dentro dos conformes. Trajando uniformes refinados (que lembram RBD), os estudantes do colégio mais exclusivo do país, vivem em uma bolha absortos da realidade. Quando uma escola da periferia desaba, três alunos – Samuel, Christian e Nádia – são transferidos para Las Encinas. Embora tenham se destacado na outra escola, suas contas bancárias os transformam em chacota perante os alunos do colégio. Quando foram transferidos, os jovens pensaram ter tirado a sorte grande.

Samuel (Itzan Escamilla) possui uma família complicada – o irmão Nano acabou de sair da cadeia e busca se endireitar na vida. Na escola, ele conhece e se apaixona por Marinaportadora do vírus HIV. Marina e Samú vão se aproximando cada vez mais, porém a garota acaba se envolvendo com o irmão do jovem, formando um triângulo amoroso (Vale destacar que os atores María Pedraza e Jaime Lorente estão juntos na vida real também!!) Nádia (Mina El Hammani) é uma jovem muçulmana que precisa enfrentar o choque de cultura, tanto que na escola ela é proibida de usar o hijab – véu característico do Islã. Ao longo dos episódios ela se aproxima de Guzman (Miguel Bernardeau), um playboy esnobe, irmão de Marina. Já Christian é excêntrico e engraçado, que não está nem aí com a escola e quer apenas curtir e se dar bem na vida. Junto com Carla (Ester Expósito) e Polo (Álvaro Rico), ele formará um polêmico triângulo amoroso – que rola de tudo, inclusive prepare-se para as cenas hots, que tem bastante!!

Ainda no elenco temos a atriz Danna Paola – que você provavelmente conhece das novelas mexicanas “Maria Belém” e “Amy, a Menina da Mochila Azul”, exibidas no SBT. Na série ela faz a personagem Lucrécia, ex-namorada de Guzmán, que irá infernizar a vida de Nádia ao perceber que os dois estão se apaixonando. Temos também outros personagens que se destacam ao longo dos episódios como Ander (Arón Piper) que se descobre homossexual ao se apaixonar pelo traficante Omar (Omar Ayuso), irmão de Nádia. Mas o ponto forte é um assassinato que ocorre entre esses personagens – logo no primeiro episódio já descobrimos quem morreu (não vou dar spoilers aqui, podem ficar tranquilos, mas já adianto que foi um personagem que peguei mega ranço ao longo da série). E a grande pergunta que fica é o típico “Quem matou?” Um dos novos alunos ou um dos membros da elite? Já vou comentar aqui que achei bem coerente a resolução do assassinato.

A série é bem desenvolvida, são apenas 8 episódios, dá para maratonar no fim de semana. “Elite” traz diversas discussões sobre problemas sociais como bullying, discriminação, preconceito cultural, uso de drogas, entre outros dramas juvenis. Além disso, o roteiro explora sem medo a descoberta da sexualidade, a influência da religião e a opressão da família. É uma reunião de diversidade cultural e sexual.

Muitos comentaram as semelhanças com outras séries e novelas. A começar com a mexicana Rebelde – temos a história de alunos pobres que vão estudar em uma escola de ricos, com os uniformes muito parecidos. Comentaram sobre Gossip Girl – Carla e Polo são um casal que adora fazer joguinhos e ostentar seu dinheiro e privilégios. Qualquer semelhança com Blair Waldorf e Chuck Bass é mera coincidência. O suspense e assassinato também trazem um clima de Riverdale e 13 Reasons Why. Mas ainda assim, achei uma série bacana, original, que não se prendeu a estereótipos e que já é um grande sucesso no catálogo da Netflix.

E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 

Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

#Filme | The Tale – O Conto

Oi gente!
Hoje vou falar de filme, que já faz um tempinho que assisti e somente agora consegui trazer a crítica para vocês. Estou falando de “The Tale” – “O Conto” – filme produzido pelo canal HBO e que rendeu à atriz Laura Dern uma indicação ao Emmy 2018, na categoria de atriz em série limitada ou telefilme.

A produção conta uma história densa sobre uma jornada de autoconhecimento, memórias que vagaram durante décadas, relacionamentos abusivos e que cai diretamente no movimento #MeToo. O filme narra a história de Jennifer (Laura Dern), que tem uma ótima carreira como documentarista e professora e um relacionamento repleto de carinho e respeito mútuo com seu noivo, Martin (Common). Porém, quando sua mãe Nettie (Ellen Burstyn) encontra uma história que ela escreveu para escola quando tinha 13 anos contando sobre um relacionamento que teve com dois adultos – a professora de equitação Sra. G. (Elizabeth Debicki) e seu amante Bill (Jason Ritter), ela é obrigada a revisitar um passado traumático e reconciliar suas lembranças com o que de fato aconteceu com ela. E o mais inquietante é que se trata de uma história real da documentarista Jennifer Fox, que dirige e roteiriza o longa.

“The Tale – O Conto” é uma boa produção, bem caprichada, mas é um filme intenso, difícil, com uma história muito impactante e cenas pesadas que mostram estupro infantil. Tiveram momentos em que eu fiquei bem chocado com o que foi mostrado, porém é necessário se discutir isso e, principalmente, escancarar para uma sociedade que precisa ver e fazer algo sobre.

Com relação às atuações, Laura Dern está espetacular, assim como a jovem Isabelle Nélisse, que interpreta a personagem Jennifer na infância – uma coisa importante a destacar e que apareceu ao final do filme é que a atriz não participou de nenhuma cena que mostrou os estupros sofridos pela personagem. Também destaco os atores Jason Ritter e Elizabeth Debicki.

Poderoso, triste e incômodo e super devastador, “The Tale” chega num momento importante ao falar de questões sexuais e relações de poder. Se você for assistir, se prepare para ter uma reviravolta de emoções.

th

#Livros | A Luz que Perdemos

Autora: Jill Santopolo
Editora: Arqueiro
Páginas: 272
Skoob
Onde Comprar: Americanas Submarino | Saraiva Fnac
Foto: Facebook Arqueiro

Oi gente!
Estive um pouquinho sumido aqui do blog  foram duas semanas sem post porque as coisas estavam bem corridas, mas chegou a hora de reparar isso!!  Hoje vou trazer uma dica de livro, que eu simplesmente amei!! 

“A Luz que Perdemos”, romance de estreia da autora Jill Santopolo, publicado pela Editora Arqueiro, conta a história de Lucy e Gabe, que se conhecem na faculdade na manhã de 11 de setembro de 2001, quando os dois aviões colidiram com as Torres Gêmeas. Ao ver as chamas arderem em Nova York, eles decidem que querem fazer algo importante com suas vidas, algo que promova uma diferença no mundo.

O casal começa a construir uma relação, quando Gabe decide reatar com a ex-namorada. Após alguns anos, a vida dos dois se cruza novamente – agora com eles solteiros. Lucy e Gabe decidem reatar o namoro e vão morar juntos, até que uma nova notícia abala completamente o futuro. Gabe recebe um convite para trabalhar no Oriente Médio como fotógrafo – um sonho antigo – e que resolve aceitar, porém Lucy, que já é uma premiada produtora de TV, não pode largar toda sua vida e seguir com o amado.

Um ano depois de Gabe ir embora, finalmente Lucy começa a se abrir para conhecer novas pessoas, mesmo que ainda com receio, e apaixonada pelo ex. Ela acaba conhecendo o simpático Darren, com quem se casa e constrói uma família. Ao longo de treze anos Gabe viaja o mundo enquanto Lucy tenta seguir sua vida, mesmo sabendo que jamais amará alguém como amou Gabe. A vida dos dois se cruzará mais uma vez, culminando em fortes emoções ao final da história.

“A Luz que Perdemos” é um livro maravilhoso. Narrado em primeira pessoa, de uma forma bem intimista, através das lembranças de Lucy, que vai contando toda a história como se fosse um diário endereçado à Gabe, o grande amor de sua vida. A narrativa flui muito bem – eu praticamente devorei o livro, li em poucos dias – e o desenrolar da história também é muito impressionante.

É praticamente uma novela, cheia de idas e vindas amorosas, com pitadas de drama e muita, mas muita emoção! Um romance ousado e surpreendente, entrando na lista dos livros que li neste ano e mais gostei!

#Livro | O Colecionador de Memórias

Oi gente!
Esta semana trago uma dica de livro para vocês! “O Colecionador de Memórias”, escrito pela irlandesa Cecelia Ahern (autora de “PS Eu te Amo”), é um dos últimos lançamentos da Editora Novo Contexto.

Autora: Cecelia Ahern
Editora: Novo Conceito
Páginas: 272
Skoob
Onde Comprar: Americanas | Submarino | Saraiva | Fnac
Foto: Facebook Novo Conceito

Eu já havia lido outros livros da autora e todos me agradaram, então a expectativa para “O Colecionador de Memórias” era muito grande! A história começa com Fergus Boggs – ainda criança – contando como começou a sua paixão por bolinhas de gude. Vivendo uma situação difícil, com uma família toda desregrada, vários irmãos que sempre estavam brigando, um padrasto que quase não ligava para a família, e ainda passando por péssimos momentos na escola, Fergus teve nas bolinhas de gude uma chance de viver uma nova realidade. Passados anos, acompanhamos em paralelo a história de Sabrina, filha de Fergus – que agora está em uma casa de repouso após sofrer um derrame. Casada e com um emprego medíocre, Sabrina vive uma vida pacata até receber uma caixa contendo as bolinhas de gude do pai, percebendo logo em seguida que trata-se de uma valiosa coleção. A partir daí, Sabrina busca descobrir os segredos do homem que ela pensava conhecer.

O livro tem aquela narrativa leve, sensível e delicada com a qual Cecelia Ahern sempre nos envolve e emociona. Os capítulos são narrados em primeira pessoa – paralelamente por Fergus (no passado) e Sabrina (no presente), então o leitor vai descobrindo toda a história junto com a investigação de Sabrina e, ao mesmo tempo, podemos acompanhar todas as alegrias e frustrações de Fergus, ao desenrolar de sua vida.

Essa foi uma leitura rápida e cativante, onde a autora constrói uma trama com personagens e dilemas que focam mais em uma mensagem do que na história em si. É um drama familiar que nos leva a questionar nossos próprios laços e o fato de que, por mais que sejamos próximos a alguém, nunca saberemos absolutamente tudo sobre o outro.

Confesso que no início do livro fiquei um pouco perdido na narrativa. Depois quando se entende a história, aí a leitura começa a fluir. Em relação aos outros livros da autora, este é mais simples – falta um pouco de elaboração, mas também traz uma mensagem linda, sendo bastante reflexivo. Não leia “O Colecionador de Memórias” esperando grandes revelações ou reviravoltas. Ele é mais sobre reflexões do cotidiano que nos transformam aos poucos.

E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 

Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

Apostas para o Emmy 2018

Oi gente!
Eu já tinha um outro post preparado para hoje, mas resolvi mudar porque segunda-feira é dia de Emmy 2018 – a principal premiação da TV americana, que completa 70 anos, e no post de hoje resolvi comentar as principais categorias, dar as minhas previsões para vencedores e dizer quais são as minhas séries do coração  Detalhe: vou falar apenas das principais categorias!

Vou começar com a categoria de “Melhor Minissérie ou Série Limitada”
Concorrem: The Assassination of Gianni Versace: American Crime Story  |  Godless  |  Patrick Melrose  |  The Alienist  |  Genius: Picasso


Série do  American Crime Story e Godless
Minha aposta: Assim como na edição anterior do Emmy, em que American Crime Story – contando a história do jogador O.J. Simpson que foi acusado de matar a esposa – levou TODOS os prêmios, acredito que neste ano será igual! A série é mega caprichada – padrão Ryan Murphy (tem resenha dela AQUI), e nesta segunda temporada narrou a história do assassinato do estilista Gianni Versace. Com relação às demais – Godless é muito boa, até merecia ganhar. The Alienist e Genius: Picasso (tem resenha AQUI) também são produções interessantes. Patrick Melrose é a única dessas indicadas que ainda não vi.

“Melhor Ator em Série Limitada ou Telefilme”
Concorrem: Darren Criss (The Assassination of Gianni Versace: American Crime Story) | Antonio Banderas (Genius: Picasso) | Benedict Cumberbatch (Patrick Melrose) | Jeff Daniels (The Looming Tower) | John Legend (Jesus Christ Superstar) | Jesse Plemons (Black Mirror: USS Callister)


Minha aposta: Com certeza aposto no Darren Criss, que foi o grande destaque de American Crime Story, interpretando o assassino Andrew Cunanan – um trabalho impecável, digno de premiação. E queria destacar também a presença do Antonio Banderas, que também faz um ótimo trabalho em Genius, como o famoso pintor Picasso.

“Melhor Atriz em Série Limitada ou Telefilme”
Concorrem: Jessica Biel (The Sinner) | Michelle Dockery (Godless) | Sarah Paulson (American Horror Story: Cult) | Edie Falco (Law & Order True Crime: The Menendez Murders) | Laura Dern (The Tale) | Regina King (Seven Seconds)


Minha aposta: Difícil apostar nessa categoria! Primeiro: ainda não assis Seven Seconds e True Crime (apesar de estarem na minha lista). Laura Dern faz uma boa aparição em The Tale – que inclusive ainda vou trazer resenha desse filme; e Michelle Dockery é uma das minhas atrizes queridinhas, então amei vê-la em Godless. Maas, na minha opinião, acho que esta categoria fica entre Sarah Paulson (maravilhosa, sempre concorrendo e ganhando – ela venceu nesta categoria em 2016) e Jessica Biel (grata surpresa em The Sinner).

“Melhor Série de Comédia”
Concorrem: Atlanta  |  Black-ish  |  Silicon Valley  |  Unbreakable Kimmy Schmidt  |  The Marvelous Mrs. Maisel  |  Curb Your Enthusiasm  |  GLOW  |  Barry


Série do  Silicon Valley
Minha aposta: Gente, vou confessar que série de comédia não é meu forte… das indicadas assisti apenas Atlanta, Silicon Valley e Barry. Mas, pelo que se fala na mídia e, principalmente, pela crítica, Atlanta e The Marvelous Mrs. Maisel são as mais fortes para vencer. Neste caso torço por Atlanta – que é mega interessante, traz uma crítica social fantástica e um humor negro que faz toda diferença. Porém, The Marvelous Mrs. Maisel já venceu ano passado e vem ainda mais forte neste ano. Se for para apostar, aposto nela!

** PS: não vou me aventurar nas categorias de atuação em comédia porque, como expliquei, não acompanho a maior parte delas. Mas, se vocês assistem, comentem em quais vocês apostam.

E finalmente as categorias principais de DRAMA.
Concorrem: Stranger Things  |  Game of Thrones  |  The Crown  |  The Handmaid’s Tale  |  This Is Us | Westworld  |  The Americans


Série do TODAS!
Minha aposta: Meu Deus! O que apostar nessa categoria?? Simplesmente amo todas as séries e acho que todas deveriam ganhar!! Mas vamos lá… Stranger Things (tem resenha AQUI), The Americans (que está em sua última temporada) e The Crown (tem resenha AQUI) não ganham. Agora temos uma briga boa entre as outras quatro. This is Us (resenha AQUI) é maravilhosa, não consigo ficar um episódio sem chorar! Westworld é uma super produção e tem muitas chances, mas a minha aposta é The Handmaid’s Tale – a série do momento! Apesar que Game of Thrones corre por fora (a 7ª temporada não foi essas coisas, mas é uma produção forte e que sempre leva todos os prêmios – resenha AQUI).

“Melhor Ator Coadjuvante em Série de Drama”
Concorrem: David Harbour (Stranger Things) | Mandy Patinkin (Homeland) | Peter Dinklage (Game of Thrones) | Nikolaj Coster-Waldau (Game of Thrones) | Joseph Fiennes (The Handmaid’s Tale) | Matt Smith (The Crown)


Minha aposta: Vocês sabem que eu acompanho Homeland desde o início, mas Mandy Patinkin, apesar de ser um mega ator, não tem chances. E mesmo com toda a força de The Handmaid’s Tale, Joseph Fiennes também não deve levar. David Harbour é uma boa opção – até queria que ele vencesse, mas acho que a estatueta irá para um dos representantes de Game of Thrones – Peter Dinklage já venceu duas vezes nessa categoria; e Nikolaj Coster-Waldau teve ótimas cenas na última temporada exibida. Já Matt Smith corre por fora, tendo boas chances de vencer também.

“Melhor Atriz Coadjuvante em Série de Drama”
Concorrem: Ann Dowd (The Handmaid’s Tale) | Alexis Bledel (The Handmaid’s Tale) | Yvonne Strahovski (The Handmaid’s Tale) | Millie Bobby Brown (Stranger Things) | Thandie Newton (Westworld) | Lena Headey (Game of Thrones) | Vanessa Kirby (The Crown)


Minha aposta: Podemos ver uma supremacia de The Handmaid’s Tale nessa categoria! Aposto na Yvonne Strahovski – a personagem Serena teve um destaque muito maior na segunda temporada da série. Ficaria mega feliz com a vitória da Thandie Newton (apostei nela ano passado e acabei errando).

“Melhor Ator em Série de Drama”
Concorrem: Matthew Rhys (The Americans) | Sterling K. Brown (This Is Us) | Milo Ventimiglia (This Is Us) | Jeffrey Wright (Westworld) | Jason Bateman (Ozark) | Ed Harris (Westword)


Minha Aposta: Sterling K. Brown, sem mais.

“Melhor Atriz em Série de Drama”
Concorrem: Claire Foy (The Crown) | Elisabeth Moss (The Handmaid’s Tale) | Evan Rachel Wood (Westworld) | Keri Russell (The Americans) | Sandra Oh (Killing Eve) | Tatiana Maslany (Orphan Black)


Minha Aposta: Outra categoria que podiam vencer todas! Keri Russell, Tatiana Maslany e Claire Foy tem a última chance de vencerem nessa categoria com suas séries atuais, já que The Americans e Orphan Black estão na temporada final e The Crown terá novo elenco com a passagem de tempo. Curti a indicação de Sandra Oh (tem resenha de Killing Eve AQUI); mas a categoria fica polarizada entre Elisabeth Moss e Evan Rachel Wood. Na minha opinião vai dar Elisabeth Moss, pela segunda vez consecutiva.

É isso pessoal, essas são as minhas apostas para esse ano. Como vocês perceberam The Handmaid’s Tale deve fazer a limpa no Emmy! Nada mais do que merecido, neh?! Agora quero saber o que vocês acharam das minhas previsões, concordam ou discordam?! Me falem aí nos comentários e me sigam nas redes sociais 

Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange

#Séries | Killing Eve

Oi gente!
Desde que saiu a lista dos indicados ao Emmy 2018, eu tenho procurado ver as séries que ainda não acompanho e que foram indicadas – uma delas é Killing Eve, produção da BBC e que você com certeza precisa assistir!!

A história gira em torno de Eve Polastri, uma funcionária do MI5, muito inteligente, porém frustrada com seu trabalho. Seu desejo é na verdade de ser uma espiã. Com um interesse além do normal em assassinos em série, ela consegue se destacar e ganha uma equipe própria para rastrear e localizar uma assassina que vem chamando a atenção – Villanelle. Elegante e talentosa, a personagem é apegada aos luxos que seu violento trabalho lhe oferece e acaba tendo um interesse grande em Eve, iniciando um jogo perigoso.

Gente, que série TOP!! Sério mesmo, vocês precisam ver! Para quem curte história investigativa, Killing Eve é uma super série! E o melhor – temos Sandra Oh – a eterna Cristina Yang de Grey’s Anatomy, encabeçando o elenco. É muito interessante ver a atriz em um personagem completamente diferente daqueles que marcaram sua carreira. Além disso, ela faz uma ótima parceria com Jodie Comer (de The White Princess) que interpreta a vilã Villanelle – de longe a melhor personagem de toda a série! No elenco também temos a atriz Fiona Shaw (interpretando a personagem Carolyn Martens) – para quem não a conhece, ela era a tia Petúnia na saga Harry Potter – eu demorei um tempão para perceber que era ela!!

Outro bom motivo para assistir “Killing Eve” é a mensagem de empoderamento feminino que ela passa. Geralmente não existe série de suspense e thriller que tenha as duas protagonistas mulheres. Esta série não traz a clássica história de espionagem que sempre vemos em filmes e livros. A relação entre Eve e Villanelle é extremamente intrigante, o que faz com que fiquemos viciados a cada episódio. Confesso que algumas atitudes de Eve me irritaram profundamente – em alguns momentos ela age sem pensar, o que descaracteriza a imagem de uma espiã. Teve cenas que fiquei espantado com a burrice dela, mas tudo isso faz parte do enredo – são artimanhas usadas para prender o telespectador.

O roteiro é ágil, traz um certo sarcasmo à história, além de apresentar um humor negro e uma trilha sonora maravilhosa. Tem uma pegada meio Orphan Black, meio Kill Bill. Com apenas oito episódios, dá para fazer aquela maratona básica no fim de semana. E a série já tem a sua segunda temporada confirmadíssima! E pessoal, aproveitem e me sigam nas redes sociais 

Instagram do Entrelinhas | Instagram Felipe Lange | Fanpage Entrelinhas | Facebook Felipe Lange